Blogger’s digest

Uma selecção das melhores opiniões da semana, traduzidas para português corrente.

***

Rui Crull Tabosa, Corta-Fitas

O PS, que se especializou em dar cabo das finanças num periodo de grande crescimento e prosperidade mundial, que insistia em fazer e inaugurar obras, coisa que a direita não faz – ou quando faz é com sandes de paio e Tri-Naranjus – ainda não alinhou completamente na narrativa promovida pela direita de diabolização de Sócrates, o Belzebu corrupto. Isto não é aceitável. E é incompreensível e perigoso que não cedam imediatamente a quaisquer exigências da Alemanha sem argumentar e protestar, em vez de baixar a bolinha com um sorriso nos lábios e estender a mão, como nós na direita fazemos deliciados, insistindo em vez disso em opor-se a fazer uma jura que de agora em diante vamos portar-nos bem. Um tipo inofensivo e simpático como Seguro não devia prestar-se a estes números.

***

Nuno Gouveia, Cachimbo de Magritte

Até que enfim que acabaram com a porcaria do Magalhães, não têm nada que andar a dar computadores a miúdos. Só querem é jogos os sacanas dos putos, eu sei porque tenho uns sobrinhos que não faziam nada com ele, por isso era assim no país todo, sobretudo os mais pobres.

E de qualquer maneira, só serviu para dar umas massas à JP Sá Couto, não é verdade? Nem sequer quiseram ir comprar ao estrangeiro ou à China. Como se fosse possível uma empresa nacional ter hipóteses nessa área. Apoiar a tecnologia nacional…pois sim…apoiar amigos com negócios escuros, essa é que é essa.  Toda a gente sabe, por isso é que aqui o digo, embora por indirectas, não vá alguém pedir-me para fundamentar a acusação. E ainda por cima aquilo dava boa imagem ao Sócrates e toda a gente se ia lembrar sempre dele, e isso é que não pode ser.

***

Bagão Felix, Correio da Manhã

Estou muito aborrecido com a carapuça que o senhor Cardeal me obrigou a enfiar. Como pode verificar pelo meu cartão, somos até sócios do mesmo clube, o dos puros, e não é justo acusar-me de ser corrupto. Foi isso que quis dizer, não foi? É que não estou nada a ver que pudesse ser outra coisa.

***

jfd, Forte Apache

O Zorrinho e o Seguro criticaram o Pedro por um disparate que ele disse, e ainda não perceberam que o que conta é o que o Relvas diz. Eu fiquei, tipo, duuuuh. E depois fizeram umas cenas muita maradas lá no parlamento. Que palhaços. LOL. :P

***

João Gonçalves, Portugal dos Pequeninos

O Sr. Presidente Cavaco Silva deu-nos a honra de uma magnífica entrevista, onde esteve muito bem como é habitual, e demonstrou que quem manda é ele. Disse, por exemplo, que não tinha sido apanhado em excesso de velocidade, porque se limitou a carregar num pedal, no estrito cumprimento dos seus poderes como motorista, sendo que o motor é que fez as rodas girar mais depressa. O que qualquer um que não seja mentecapto percebe ser a verdade.

Já o Zorrinho veio dizer que o discurso do PR e do governo é o mesmo. Mas se ele é que manda, queria o quê? Independência e isenção? Não ouviram as instruções do Sr. Presidente Cavaco Silva que agora é para ser como ele manda? Estão à espera de…?

62 thoughts on “Blogger’s digest”

  1. a cena do magalhães ? já há mais sobrinhos que tb só jogaram neles os poucos mesitos que aquilo durou…os meus. e a tecnologia não era portuguesa… a couto só os montava. ok? mas nem só a medicinal ganhou , as operadoras de net tb . até havia uns profs a queixarem-se que não eram técnicos de vendas da pt por causa duns papelitos que tinham de dar aos papás para impingir net.
    quanto ao resto , passo , que são todos muito feios e sem interesse.

  2. Valupi, acredita que é um trabalho divertido. E para nossa desgraça, muito mais fácil do que supunha quando me lembrei de o fazer (a inspiração veio do Paulo Pedroso no Twitter – acerca deste post – pelo que ficam aqui os agradecimentos)
    ___
    :)), o chip não foi desenvolvido, de raiz, por empresas portuguesas? E os componentes são de fabricantes especializados? Que surpresa…
    A seguir vais-me dizer que a Apple também se limita a conceber e montar os Macs e iPhones com componentes fabricados por chineses, não?

  3. Gostei bastante da ideia, pois também eu, de vez em quando, nos dias de morriña, como dizem os nossos irmãos galegos, vou dar uma volta pelos blogs ditos de direita ou liberais mas que estão muito longe dessas ideias pois nem sequer as conhecem bem.
    Este tipo de malta que escolhe os partidos do mesmo modo que escolhe o clube de futebol – porque o pai ou a mãe também são, ou porque a família vai toda junta à bola – é ainda aquele grupo de gente que me faz sentir feliz por não ser nem assim, nem assado.

  4. Vega9000, o que o :)) quis dizer é que o aparelho nem sequer é completamente assemblado cá. O Magalhães é apenas o velhinho Intel Classmate com um branding diferente. A máquina e o conceito são interessantes, mas foram aplicados mal e porcamente: a minha filha usou-o uma vez durante o ano inteiro no paradigma de sala de aula. Muito pouco para tanto festival.

    Quanto à JP Sá Couto, nada a assinalar. Trabalhei com eles muitos anos, tenho poucas (nenhumas é impossível) razões de queixa. Sendo uns dos importadores da Intel em Portugal, queriam o quê? Que contratassem uma empresa espanhola?

    Noutros assuntos, não pondo em causa o potencial cómico, tenho dúvidas sobre a legalidade do que estás a fazer nesta série de posts. Toma cuidado, que há para aí gente que não se ensaia nada para te espetar o traseiro em tribunal…

  5. Marco,
    Como se sabe, nem só o hábito faz o monge. Se o Vega for, e não fosse porque eu não sei se é ou não, um dos autores do Imprensa Falsa, ou do Inimigo Público, ou mesmo se se chamar, sei lá, Ricardo Araújo Pereira, a legalidade do que fez neste post também seria questionada?

  6. Tanto o Imprensa Falsa como o Inimigo Público têm avisos bastante claros (“O Imprensa Falsa é um pasquim de notícias que não se confirmam. Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.” e “Se não aconteceu, podia ter acontecido”).

    O RAP, que eu tenha conhecimento, nunca colocou citações falsas (entre aspas, ou em itálico, como é o caso – interpretações, é outra loiça) atribuídas a outras pessoas em sítio nenhum.

    Nem o Aspirina B tem o mesmo tipo de aviso, nem se tem o cuidado de assinalar a falsidade nestes posts em concreto. No primeiro desta série, só à segunda ou terceira citação é que fiquei desconfiado e fui verificar o que a pessoa efectivamente disse.

    O risco existe e era tão fácil de evitar.

  7. Marco, por isso mesmo antes de fazer a pergunta falei no tal monge. Há aqui um link para o post original seguido daquilo a que o Vega chama tradução e que no caso é uma interpretação – traduzir também é interpretar. Não vejo qual a necessidade do aviso à entrada.

    (o Valupi já explicou muito bem essa coisa das bolinhas vermelhas e quejandos)

  8. Ó homem, mas o que é que poderia acontecer? Uma acção em tribunal contra um blogue porque ele está a gozar com outros blogues ou jornais, ainda por cima deixando os links respectivos? Tens noção da piada que estás aqui a partilhar com a malta?

  9. Sim, porque seria a primeira vez que veríamos acções fúteis em tribunal. Às vezes interrogo-me se moras mesmo em Portugal…

    Foram feitas citações falsas, sem qualquer aviso de fair use de enquadramento humorístico. Pá, isto é um desastre à espera de acontecer, sobretudo olhando aos visados…

  10. Marco, estás a dizer que “os visados” são pessoinhas para pôrem “acções fúteis”? E sem um aviso de fair use de enquadramento humorístico? Pá, olha que a legalidade da coisa deixa muito a desejar e isso é um desastre à espera de acontecer. Se te espetarem com o traseiro no tribunal não foi por falta de aviso… :))))

  11. @”pequena pergunta”: eu não disse isso, e mesmo que dissesse, é a minha opinião pessoal – não pus palavras na boca, ou nos dedos, de ninguém. A diferença está aí. Se não vês isso, ou és burro, ou és cego (mas eu sei que não és).

  12. Marco, estás a dizer que “os visados” são pessoinhas para porem “acções fúteis”? E sem um aviso de fair use de enquadramento humorístico? Pá, olha que a legalidade da coisa deixa muito a desejar e isso é um desastre à espera de acontecer. Se te espetarem com o traseiro no tribunal não foi por falta de aviso… :))))

    (Já agora, Deus não ouve o Valupi, debatendo-se, no entanto, os teólogos com uma grande questão cuja resposta poderá abalar a doutrina – andará Ele a lê-lo?)

  13. Ora bolas, para corrigir o erro ortográfico saiu-me a pergunta repetida mas não faz mal que assim está revista e acrescentada.

  14. Marco, na minha opinião pessoal, tentei dar-te a minha opinião impessoal mas está muito calor para isso, posso garantir-te que não sou cego nem burro, mas isso já tu sabias, mas se alguém disser que sou cego e burro é, garanto, porque é cego ou burro.

  15. Marcus (marco, marcado, marcador, marcolino, marcoto, marquinhos e etc),
    Qualquer dicionário francês lhe propõe, caro Marco, farta literatura sobre uma sub-espécie de estilo literário que se designa por “pastiche”.
    Há… para todos os gostos.
    Há… os óbvios.
    Há… os pirosos.
    Há… os insupeitos.
    Há… os que têm graça.
    Há… os desgraçados.
    Há… os de chorar.
    Há… os de fina ironia.
    Há, também, aqueles que são melhores que os originais.
    Ora bem.
    O que fez o nosso amigo Vega9000, caro Marco, para se ter sentido tão, como dizê-lo, perturbado?
    Nada de muito grave, em meu entendimento: cinco, 5, 3 mais 2, belíssimos “pastiches”, a partir, como se percebe, de textos “verdadeiros” e com link incorporado.
    Marco, caríssimo Marcus, sossegue.
    Guarde-se para melhores causas.
    Resguarde-se para combates mais heróicos.
    Este é infausto e sem valor facial.

  16. Marco, tens a certeza que o RAP nunca recorreu, para utilizar a tua deliciosa expressão, a “citações falsas”? Deves ser a única pessoa em Portugal que nunca viu isto. És capaz de me explicar a diferenças (sem contar, claro, com o génio) entre o post acima e o sketch a gozar com o MRS, tirado de um vídeo real? E se me dizes que é o genérico, garanto-te que descubro onde moras e toco à campainha às 4:30 da manhã. Duas vezes. A uma Segunda-feira.

    Mas deixa-me responder às tuas preocupações, que desde já – e agora sem ponta de ironia – agradeço: havia duas maneiras de avisar que as “citações” não eram directas, antes reconstruções irónicas de opiniões, hum, “interessantes”. Uma, punha um aviso, de preferência em banner impróprio para epilépticos, com a frase “Isto é um trabalho de humor! É p’ra rir e meditar!!! Eles não disseram mesmo isto com estas palavras!”. Mas como isto é o Aspirina B, não é o 5 Dias, parto do princípio que não sou lido por mentecaptos incapazes de se aperceberem que se trata de uma crítica às ideias expostas nos posts respectivos recorrendo à desconstrução e ironia. E para mais, o banner não ficava bem.
    Por isso, na realidade não devia ter posto aviso nenhum, e a primeira ideia era essa. Havia o link, para comparação com a fonte, e uma “citação” sem aspas, ao contrário do que é usual quando citamos directamente, com uma linguagem que se via logo que não podiam ter dito aquilo assim. Acho ainda que seria a melhor maneira de respeitar a inteligência dos leitores.
    Mas como já fiz pelo menos um post em que muitos não perceberam o sentido, achei melhor não exagerar na subtileza, e pus, antes de mais, um aviso que se trata de uma “tradução”. Ou seja, pego num texto escrito em spinês ou imbecilês, e traduzo-lhe a tese essencial para português, com resultados bastante divertidos. Foi a maneira mais elegante que encontrei de por o tal “aviso” sem chamar burros aos leitores do blog. Se mesmo assim há quem não perceba, paciência, não vou nivelar por baixo. E desde que por cá passou um comentador que acreditava piamente que o cartão de militante do PS dava desconto nas gasolineiras, percebi que para alguns nem com o banner lá iam, por isso não valia a pena.
    Agora, se me podem pôr em tribunal? Homem, claro que podem, o acesso à justiça é felizmente livre, e algumas pessoas, por razões que me escapam, não gostam de ver as suas belas ideias ridicularizadas. Se o post é de “legalidade duvidosa”? Não me faças rir.

  17. Ou não me estou a exprimir na mesma língua, ou o fim de semana ainda anda a fazer estragos nessas cabeças.

    Vega, essa comparação com um sketch é absurda. Sabes isso tão bem como eu e sabes muito bem o que eu quis dizer. E o resto da argumentação vai de mal a pior (a sério? a falta das aspas num texto que até está em itálico?).

    Eu não tenho problema absolutamente nenhum com o exercício – até achei alguma piada – e não tenho certezas sobre a ilegalidade (disse, claramente, que tinha “dúvidas sobre a legalidade” – dúvidas não são certezas).

    Só acho que é um risco desnecessário com a justiça que temos. E agora também acho que devo ter tocado num nervo sensível aí algures, para tanta resposta a um comentário inócuo.

  18. Marco, absurdo é argumentares que uma interpretação irónica de texto alheio, com o link para o original, pode ser equivalente a “citações falsas”.

    E a resposta, pela minha parte pelo menos, não tem a ver com pontos sensíveis. Tem a ver que gosto de uma boa discussão, e tu discutes bem, mesmo quando defendes pontos de vista absurdos. That’s it.

  19. Ó Vega se fores a tribunal leva-me contigo, pois eu adoro essas coisas de juízes com toga por cima e “jeans” e sapatilhas por baixo, e uns advogados que ganham um balúrdio à custa dos palermóides que lhes pedem os cinco minutos de fama.

  20. Pssst, Marco, eu sou uma ela portanto, e antes de continuarmos a nossa conversa, espetei o nome lá em cima para que não me volte a ser trocado o género se bem que perguntas, mesmo pequeninas, são as gajas quem as costuma fazer.

    E agora, que despachámos os preliminares, podemos ir aos finalmente e como fui eu quem primeiro te cutucou terei de ser eu a confessar-te que sim, que me tocaste num nervo sensível, tão sensível que se me arrepiaram os cabelinhos da nuca. Tu és gajo para que idade, ó Marco? É que vou começar a dar-te música e não quero cometer qualquer ilegalidade mas como o medo é uma cena que não me assiste e gosto de correr riscos, mesmo não conhecendo o visado e com pouca fé nalguma humanidade e com a justiça que temos, toma lá a primeira que, assim como assim, há muito que não se ouve música por aqui. Toma lá esta .

    edie, bora lá dar música?

    Teófilo M, ai os pensamentos pecaminosos que já tive por causa de ti. É que o juiz era tal e qual e lindo de morrer mas acho que agora já não há disso, agora são todos muito A4…

  21. Teresa!!!! Primeiro um abraço, carago. Agora vou ouvir… e o Marco, coitado, não sabe quem lhe caiu na rifa . Té já.

  22. Eu diria mesmo mais, edie, carago!!!

    (achas que é gajo para se aguentar connosco ou vai-nos deixar penduradas a cantar sozinhas?)

  23. OLha, como dizia olusitano numa das aventuras do Asterix, “Posso dizer um poema?” (é um piqueno interregno, antes de lhe(s)dar música. è só porque acho tema muito actual, tendo em cota a foma como as pessoas como o marco, o Passos , O Cavaco, mais as as instituições católicas i tanti altri se preparam para enfrentar a merda social que estão a provocar:
    http://www.youtube.com/watch?v=2RvvBSPhIKw&feature=related

  24. Ahahahahaha…. Sabes que há uns tempos, na FNAC, estavam expostos os “meus”, nossos, livros da escola primária e este foi um dos poemas de lá que li às minhas filhas. As gaijinhas acharam que estava a gozar, tive de lhes explicar que aquilo era a sério, muito a sério, que se fosse para rir, toda a gente sabe e o Marco confirma, tinha um aviso antes…

  25. Porra, hoje não acerto: “houve”.

    Mas a letra é que é importante:
    DE MANHÁ EU BOU Ó POM De manhá eu bou ò pom, A saquinha bai na mom Bou à loija do Juom Cu meu are mais mulëngom… De manhá eu bou ò pom: A saquinha bai na mom. De manhá eu bou ò pom Cu meu are mais mulëngom, Lebum oilhinda fichado, Uoutro bai malancurdado. De manhá eu bou ò pom: A saquinha bai na mom. Galgando a iscadaria, ia; Cantándo a meludia, ia. E atravesó eistrada Despois dulhare atênto, E quando num bem nada, Eu cruzuasfalto, E só dum salto, eu entro.

  26. Tu não me digas nada que estou a tirar uns quilos de filmes e mais uns quilómetros de fotografias deste pobre para um disco externo e o triste está lento lentinho…

    Vai já outra.

  27. Vá lá, então. Eu percebo, já hoje tive de fazer aqui a limpeza, que me custou 40 aéreos, para poder ter desenbulbimento na máquina…

  28. Pois, a rapariga lá sabia, mas deu-me uma certa nostalgia…sabes…de quando os ladrões eram só 40. Enfi, resta-nos o Ali Babá que fala demais…

  29. Muito bem, 78 r.p.m não tenho mas levas com um 45 e com a música que mais dancei quando o Verão era muito verão…

  30. Outra opção seria reservar no blogue 3 ou 5 diazitos por mês só para elas porem as suas postas e o resto ficava para nós discutirmos coisas sérias, Muahahahaha!!

  31. Não é preciso dias reservados. As gajas contam coisas sérias sempre que lhes apetece, e se for a bricar, também…Vieira

    Ora essa que mandaste, Teresa, deu para gastar muira sola , anca e ombros. mUITO SÉRIO.
    Eu, na altura, era chevaleca em Almada e convivia com estes que têm uma gaja muito boa no baixo,,,(na altura, os Xutos eram considerados interessantes, mas menores, lá na terra)
    http://www.youtube.com/watch?v=Vc0JK7WB81k

  32. Ai melheri , nã fiques óriçada.
    Pensava que tinham mais estofo p’a reinação mas, pelos vistos, enganei-me.
    Por mim, podes postar a tua Rádio Nostalgia todos os dias, pois citando o saudoso César Monteiro: Há-de dar-me cá uns abalos ao pífaro…

  33. (hum…. primeiro dizem-me que só me posso rir se me informarem antes que é para rir, a seguir vem o Muah sério a querer que a tasca passe a clube do Bolinha, que raio aconteceu por aqui nas minhas costas? Só me falta ver o Valupi a pedir que o deixem trabalhar e, se assim for, deixo já a banda sonora http://www.youtube.com/watch?v=9AvUeoH81ZI )

  34. Mas, Vieira, não queiras saber o estofo que eu tenho para a reinação. E ainda consigo reinar com coisas sérias, em multitasking, coisa que se torna mais difícil para quem pensa às 3ªs, 4ªs e 5ªs e reina nos dias restantes…Por isso é que não acho bem que me reserves apenas 3 a 5 dias mensais para o efeito.
    Toma lá uma animaçaozita não nostálgica (pronto…) , só porque me apetece. Hoje.
    http://www.youtube.com/watch?v=BsO-V6bqiDE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.