Aquelas máquinas

Pouco mais de um mês depois da tomada de posse, vemos finalmente qual era afinal o verdadeiro programa de governo. É simples, claro, e sempre esteve à vista de todos: fazer tudo, mas tudo aquilo que acusavam Sócrates nestes últimos anos. Tomar de assalto todas as estruturas do estado? Check. Aumentar brutalmente os impostos? Check. Negócios escuros e muito mal explicados com figuras ligadas ao partido? Check. Trapalhadas na educação? Check. Ordem para fechar centros de saúde? Check. Abusar dos poderes do estado para fins políticos? Check. Politicas calamitosas para a economia? Check. Ataque à classe média? Check. Usar o MNE para passeatas sem resultados ao nível da captação de investimento? Check. Deferência absoluta com os poderosos da UE? Check. Medidas apenas destinadas a propaganda barata, a.k.a. “exemplos”? Check. Governar para as manchetes de jornal, uso intensivo do spin e mentiras,  relações estranhas com os patrões dos media? Check, check e mais check.

Olhando para trás, percebe-se que estávamos todos enganados: não eram acusações nem campanhas negras. Eram promessas eleitorais, e estão a ser rigorosamente cumpridas. É difícil ser mais eficiente.

10 thoughts on “Aquelas máquinas”

  1. E eu que já tenho idade para não me deixar surpreender. Mas, ainda assim, estou surpreendida. Não com o conteúdo da acção, mas com a lata. Uma cara de lata que por ora refulge mais dado que se justapõe a um discurso moralista, sempre com a boca cheia da palavra verdade.

  2. A ministra da Agricultura, por exemplo, surge como a senhora das gravatas – mas fazem estas patacoadas como se estivessem a tomar tudo a sério. São ridículos, tudo aquilo cheira a podre, a mofo, a sótão de família.

  3. Quem, sendo sério, não subscreveria este post? Mas não podia deixar de perguntar: onde estava este espírito critico? Talvez escondido por detrás do espírito de clube. E é uma pena, porque o espírito critico NUNCA se deve esconder, deve ser a razão de ter razão, SEMPRE.

  4. Só é enganado quem quer ou então é gente com falta de memória. Quem ouvia falar o Relvas, o Rangel, o Carlos Amorim, o Macedo, aquele parvalhão de Matosinhos que não me lembro o nome do palhaço, e outros afins, não excluindo claro e sendo o palhaço nº. 1 o Passos Trocados. Quem ouvia aquele Pachecóvio e o Xavier mais conhecido pela voz do dono, quando se viu uma campanha eleitoral em que o Passos Perdidos andava de braço dado com o Balsemão, com o Belmiro (o tal que foi muito amigo do Sócrates quando este lhe deu o Casino de Troia, mas que depois se pôs no contra quando não lhe deram a PT), quando aparecia aquele trambolho do Pingo Doce a dizer mal do governo, quando o presidente da República assobiava para o lado e estava mais interessado na sua reeleição do que no destino dos portugueses alguém tinha dúvidas do que iria acontecer?
    Mas o pior ainda está para vir. E vamos chegar à conclusão que ninguém votou naquela merda pois ainda hoje estava toda a gente contra o aumento dos transportes e o pagamento das portagens em Agosto.
    Mas afinal não aparece um filho da puta a dizer que pôs lá o voto?

  5. Tá bem, tá bem, mas sócrates também prometeu que nos ia tornar mais pobres e fê-lo. Vedes diferença entre uns e outros? Eu não, pois tem tudo a mesma origem – a mediocridade que uma vez à solta, deseja endireitar-se com o dinheiro dos outros. Uma realidade multisecular, se bem que possa ser ajustada a contornos de honestidade, só que no caso português já se provou inexistir. Daí que a limpeza passe pela purga da malta política que nos vem desgraçando há muitos, muitos anos.

  6. pois é , anti. não pensam nunca fazer-se à vida a trabalhar , pensam sempre em chular , em sacar , em arranjar leis que lhes permitam servir-se do estado , ou seja , de nós. nem unzinho se aproveita , pq aquilo funciona tipo cultura prisional . mesmo que entrem para lá inocentes num instante se transformam em bandidos.

  7. Então estão todos contentes, gostavam tanto do governo do PS que o Passos tem feito tudo para vivermos no mesmo ambiente… trapalhadas, impostos, boys, ataques ao crescimento económico. A única coisa de que não estou de acordo é com a propaganda (anúncios megalómanos com muitos convidados, com grandes cartazes e claro que devia de haver comes e bebes para o pessoal, senão o pessoal não aparece) nesse aspecto estes ainda têm muito a aprender com o governo anterior.

  8. Tá visto que quem votou nestes songa mongas tem mesmo de ser despedido por volta de 2012 sem direito a indemenização, ja depois de lhe terem pilhado o subsidio de natal e férias por inteiro, para começarem a dizer baixinho baixinho : ” espera lá, eu acho que o socrates se calhar até nem era assim tão mau…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.