49 thoughts on “Vamos lá a saber”

  1. Eu voto, no Ti Alfredo, Maria Teresa de Noronha, Lucília do Carmo, o filho da anterior, João Braga, Camané e D. Amália, natralmente. Os outros…são…os outros, natralmente.

  2. Um dos grandes do Fado é António dos Santos – fadista de Alfama. Procurem «Minha alma de amor sedenta» é fabuloso…

  3. É o PORTUGUÊS, pá, aquele que é cantado desde D.João V, pá, e que hoje canta e representa como ninguém, pá, o fado que nos ensombra há séculos, pá. Imagina quem toca a guitarra, pá, os gajos que nos puseram a cantar o fado e a seguir carneiramente o nosso triste fado.

  4. A minha homenagem a Francisco Stoffel.

    Cada Fado seu é um encanto, assim de repente; “Eu canto para não chorar” , “Por morrer uma andorinha”, “Restos de saudade”, “A Oração”, e muitos mais que agora não me lembro.

    Morreu jovem, com 22 anos de idade.

  5. “Não Venhas Tarde” pelo Carlos Ramos.
    “Ai, Mouraria” pela Amália.
    “Colchetes de oiro”, pelo Alfredo Marceneiro.
    Ex aequo.

  6. Porque choram tanto os portugueses? O fado é a nossa marca artistica. A marca da lamúria sublimada. E do conformismo sofrido. Mas também inglório, impotente, submsisso, rendido. Um povo que se rendeu durante séculos à Inquisição e cinquenta ao fascismo. Um povo que “enfrenta” os problemas fugindo-emigrando. Bom conhecedor deste povo “fadado” o actual ministro da juventude e desportos propôe aos jovens, como saída para a crise, a saída do país. E depois, lá longe do torrão natal, desenraizados, choram de saudade e cantam o fado.
    Tudo isto existe
    Tudo isto é triste
    Tudo isto é fado

  7. Eu voto, ex aequo, nos celebrados e luzidios fados “O qué quisso interessa” a “Vão dar banho ao cão com isso do património”, cantados, respectivamente, pelo grande cantador Julinho da Conceição. Óbrigado, óbrigado.

  8. 1-“bora lá xular o espirito santo” Amélia Pevides
    2- “digo sempre o mesmo c’u mesmo penteado” “capaxinho vermelho”
    3- “heide cantar no meu funeral” – mana da Pevides
    4- “balada de massmá”
    5- “meu amor comeste-me tanto guito” Mari”azia”

  9. Já há muitos anos que ver marmanjolas e gajas a dar ais e a queixarem-se de dor de corno e dos amásios da mouraria é como ouvir agora um americano preto a cantar as agruras de plantar algodão no Mississípi ou a estudantada de Coimbra a falar dos passarinhos do choupal. Não vou ouvir fados para não embaraçar os acompanhantes com ataques de riso. Fora isto, a melhor fadista couve foi a Hermínia Silva e o máior fado era a Casa da Mariquinhas, cantado pela senhora. O fado acabou, paz à sua alma, é património arqueológico. Vão lá buscar o troféu e não se fala mais nisso.

  10. sei de um rio, sei de um rico, que ganda seca. Meter poetas nisto é como dançar agora o vira do minho com coreografias da Olga Roriz. Já disse que bom é isto:

    http://www.youtube.com/watch?v=ypeQr8Otl2I

    Quem cantou, cantou, quem não cantou, cantasse. mainada. E o povo que lavas no rio, qual rio? Isso era no mondego com as tricanas, e na ribeira do Porto.

  11. Pedrinho,

    ainda não percebeu que o menino é que é uma ganda seca e ainda por cima das que acham que são provocadoras e irreverentes, e que confundem originalidade com ignorância?…..zzzz

  12. a escolha é dificil, e mais para um leigo, mas destes gosto.

    http://www.youtube.com/watch?v=GVIwZtIyHjE&feature=related
    os putos
    http://www.youtube.com/watch?v=ser4jjsnZ38
    ana moura. a casa da marinquinhas.

    Aquí à escolha tem anacos de coração. Ela não distingue à fronteira emtre Galiza-Portugal.
    http://www.youtube.com/watch?v=sunxHZcxbLo&feature=related
    povo que lavas no rio. Dulce pontes
    http://www.youtube.com/watch?v=GK_4EdYjaIM&feature=related
    o fado . dulce pontes

  13. “Andava a desgraçadinha no gamanço,
    A pedir para o pai tuberculoso.
    A mãe tinha piolhos na garganta,
    E o pai dava-lhe copos de Quitoso!”

  14. Escolha muito difícil, por dar apenas uma opção!!! Opto por “Canção do Mar”, cantada por Dulce Pontes :))

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.