Vamos lá a saber

Se fosse o Governo dos Açores a ter cometido as ilegalidades ocorridas na Madeira, o que é que já teria sido dito nas televisões, jornais e rádios, e sem interrupção desde o primeiro segundo da notícia?

14 thoughts on “Vamos lá a saber”

  1. Não tenho duvidas que já se tivessem pedido muitas cabeças e não só uma como se tem feito até agora.
    Mas toda a gente sabe a violência com que a direita portuguesa sempre actua, basta ver como atacam tantas vezes os opositores por motivos pessoais, o que ao contrário não acontece.
    Esperava mais de Paulo Portas.

  2. ui….Já estava a burra nas couves, tinha caído o Carmo e a Trindade. Cavaco y Silva já tinha feito dezenas de carantonhas de preocupação na tv e, quiçá, feito uma declaração à nação daquelas à hora do jantar dos portugueses. Todos os economistas estariam roxos e apoplécticos a comentar. O Medina Carreira imolar-se-ia pelo fogo enquanto se atirava da ponte Vasco da Gama em directo para todos os canais noticiosos.

  3. Que o César é uma figurinha da esclerosada e cacofónica elite dirigente socialista que em tempos de má memória socrática, contrariou e furou arrogantemente as indicações de poupança sobre os salários dos funcionários públicos e as defendeu como medida de justiça insular? Que elegeu e apoiou uma nulidade para seu líder chamado Seguro? Será isso?

    Independentemente do palhaço e FDP jardim da Madeira, o vosso César é uma figurinha do passado triste, com tiques de torquemada insular. Ou seja, mais uma das vossas figurinhas patéticas que tresandam a mofo e a mentira …

  4. martins (filho de martim) tu deves ser um arejado, uma boquinha santa e um discernido que só visto porque aqui contado nem tinhas graça. Quando tiveres eventualmente a necessidade urgente de dizeres mal da tua progenitora poupa-nos. Pó de ser? Brigadinhos!

  5. Evidentemente que o presidente do GRA e o partido que o sustenta, o PS (no caso nem se faria a minima diferença entre “nacional” e “regional”) estaria simplesmente tão frito quanto fizeram com Sócrates. E com o BE e o PCP de braço dado com a direita que levou ao poder, alegremente, sabendo exctamente o que estavam a fazer.
    Claro que esta esquerda que se faz de sonsa, agora não tem os microfones da direita a toda a hora e momento como tinha para malhar no PS. Agora tem o minimo dos minimos para esses sonsinhos pensarem que ainda há democracia. BE e PCP foram quase completamente silenciados e se-lo-ão cada vez mais pela comunicaçâo social soberanamente controlada pela direita. E eles sabiam que ia ser assim, quando se aliaram para derrubar o governo Sócrates. Mas o seu ódio pelo PS e o desprezo pelas pessoas que dizem defender foi mais forte.
    Não sei até quando as pessoas que ainda dâo o voto ao BE e PCP continuarão na ilusão. Mas penso que o que se está a passar é tão grave que vai forçar esses eleitores a abrir os olhos. Vão convencer-se que o PS, apesar das suas graves falhas, não tem nada a ver com a direita salazarenta que assaltou o poder com a colaboração total do BE e PCP. Finalmente vão rejeitar a trafulhice que lhes é martelada por estes partidos de que PS e Direita são a mesma coisa.
    Os protugueses vão aprender à sua custa.
    Infelizmente, neste momento, têm uma direcção PS do mais pobrezinho que eu me recordo. É caso para dizer que o país que clama justiça está órfão.
    E como se fosse coisa pouca a desgraça partidária, o mesmo povo órfão assiste, impotente, ao desmoronar das instituições da república, a começar pela presidencia da republica, entregue a um “mísero professor”, como diz o próprio, e eu digo miserável economista.
    Politizou-se a justiça e as policias. Arrebanhou-se a comunicaçâo social. Os senadores da nação acobardaram-se como sempre aconteceu ao longo de muitos séculos de história. Resta-nos o exército da revolta deste espaço silencioso das redes sociais.
    Não calemos a revolta. Não paremos a denúncia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.