Um socialista excepcional

Seguro – corrijam-me se estiver enganado, é o actual secretário-geral do PS – não tem qualquer opinião sobre a actividade do Governo anterior no que diz respeito aos swaps. Não estava lá, não viu, não foi nada com ele, cruzes canhoto. Mas vai ter. Assim que a comissão de inquérito apresentar as suas conclusões poderemos descobrir o que pensa Seguro destas manigâncias. Porque ele vai pensar exactamente o mesmo que sair a público. Eis como o mais recente ideólogo da “política de verdade” apresenta a questão:

Sobre a eventual responsabilidade do PS nesta matéria e se o partido deveria ter outra forma de encarar esta situação, Seguro reiterou: “É para isso que há uma comissão de inquérito. As comissões de inquérito existem para se apurar a verdade e quando estão envolvidos dinheiros dos contribuintes essa verdade tem que vir ao de cima”.

Duas inovadoras ideias: (i) as comissões de inquérito chegam à verdade; (ii) quando há dinheiro dos contribuintes na berlinda, essa verdade na posse das comissões de inquérito consegue mesmo trepar por ali acima e aparecer à tona – já nos casos em que não haja pilim, temos pena, a verdade poderá ficar submersa.

Outro grande momento que este momento político está a oferecer a todos os apreciadores de grandes momentos consubstancia-se na declaração:

Na política não somos todos iguais. Eu abomino a baixa política e a política feita sem ética.

É um facto. Há dimensões onde somos todos iguais. Estou a pensar, especificamente, na primeira dimensão, sendo que a partir da segunda as coisas já se começam a complicar, e quando chegamos à quarta, então, é caso para dizer que nem dois gémeos monozigóticos são iguais. Outros autores defendem que há situações e lugares onde somos todos iguais, e dão como exemplo os transportes públicos, a praia, o médico e a feira da Malveira.

Porém, chega-nos a palavra de Seguro para acreditarmos no que nos está a transmitir. É que não falha. Seguro abomina tanto a baixa política e a política feita sem ética que anda há dois anos a ver os seus camaradas de partido que tiveram responsabilidades governativas no passado recente a serem difamados e caluniados diariamente sem que alguém lhe consiga arrancar uma qualquer palavra de defesa individual ou do grupo. E isso mostra o grau da sua abominação, pois estudos feitos com rãs provam que quando um animal atinge o grau máximo da abominação já não consegue falar. Os cientistas chegaram a esta descoberta depois de passarem longos meses a insultarem as rãs sem nunca terem registado qualquer declaração das próprias contra o tratamento a que estavam a ser sujeitas.

Seguro, no entanto, não precisava destes dois anos para mostrar que não é igual aos outros. Basta lembrar que ele foi um dos dois ou três deputados socialistas que aplaudiram esse monumento de alta política e perfectibilidade ética que Cavaco deixou na Assembleia da República no dia 9 de Março de 2011. Enquanto à sua volta uma bancada inteira se remetia a um silêncio igualitário, Seguro lançava as palmas das mãos uma contra a outra no afã de exibir o seu apoio ao que tinha acabado de se passar.

Só não percebeu quem não quis: aquele militante socialista era especial de corrida.

13 thoughts on “Um socialista excepcional”

  1. Esse cabide Armani vai conseguir que me abtenha violentamente nas próximas eleições legislativas.
    Desgraçado país que tem tal nulidade como alternativa ao desastrado Primeiro Coelho!

  2. pois Seguro será mesmo excepção: nos transportes públicos, discretamente toma o lugar dos deficientes e das grávidas em oposição ao esperado; na praia, onde grita que os castelos que acabou de fazer – apenas enquanto o tempo passa – na areia não serão levados por uma onda meiga, daquelas que ficam; no médico, onde só vai em época de eleições para auscultar o espaço em largueza de ocupação da consciência; na feira, onde assiduamente vai para arranjar peças de discurso marteladas.

  3. Inacreditável: este “socialista excepcional” por mais que exponha a sua imbecilidade ainda consegue arrebanhar um grande número de ainda “mais excepcionais” que lhe dizem que a categoria não lhe é aplicável!

  4. Pois, já lá diz o Povo na sua imensa sabedoria; quem não quer ser lobo não veste a pele!
    No caso, não adianta ao Tózé fazer o papel do cordeiro, ainda por cima num estilo Calimero,
    o assunto não é própriamente, um concurso de ver quem lava mais branco … os chafurdei-
    ros devem ser tratados com soda cáustica e, não com baforadas de ética, coisa que eles
    nem sabem o que é! O problema é dar estatuto de “políticos” a uns meros trambiqueiros!!!

  5. Diria que pese embora tenda a concordar com o teor do post, a referência final às palmas no tão famoso (e tão fatal) dia 9 de março de 2011 são, do meu ponto de vista, deselegantes.
    É como chamar “coxo” a um “coxo”.
    Porque criticar posicionamentos, pensamentos, práticas e afins sim. Agora criticar características não sujeitas a modificabilidade não.
    As “palmas” ao cavaco estão-lhe “no sangue”. Sejam no 9 de março de 2011 ou no também famoso (e também fatal) 25 de abril de 2013.
    Mesmo quando se é líder da oposição num país com um “programa de ajustamento” e não se é recebido há meses (chegou a ser um ano?) pela pessoa.
    Viva a moralidade. Viva.
    Viva Portugal.

  6. Concordo. Acrescentava apenas que houveram mais 23903 pessoas, num universo de 34 mil, que acompanharam seguro nas palmas, e que perante este menu de bosta que é apresentado às pessoas, só lhes resta escolher o que cheira menos mal ou morrer à fome.

  7. Este homem, o Seguro, vai fazer implodir o PS. Não foi agora, quando se preparava para assinar o acordo suicida, será mais para diante. Sinceramente, nâo sei se este PS que vota em maioria absolutissima tanto em Sócrates como em Seguro vale a ponta de um corno. Parece uma carneirada sem alma e sem rosto. Isto só pode acabar mal. Passos Coelho pôs a nu a miséria do PSD/CDS e Seguro faz tudo para desacreditar de vez os socialistas.

  8. É um traidor. Foge da palavra Sócrates como o diabo da cruz. Nunca tem uma palavra de verdade e de defesa do anterior governo. E se calhar vou ter de engolir este enorme sapo.

  9. Grande Valupi! Este seguro é mesmo uma nódoa. A porra é que não vem uma onde de benzina que o limpe! Irra nunca se viu semelhante coisa… Não sabe nada. Não diz nada. Não tem opinião sobre nada. Não… nem sai de cima.

  10. mocas,mesmo que seguro fosse execional, dizias que era um nabo! comenta os outros lideres,para vermos o teu rigor!

  11. acho que estamos a agir de uma forma errada com seguro.forcemos com uma petiçao uma mudança de politica,sobre o passado recente do ps.recordemos-lhe que quem renega o passado compromete o futuro.abrir a porta a comentarios vindos de todos os lados( direita e extrema esquerda),sem os podermos atacar tambem hipoteca o futuro do pais, pois por exclusaõ de partes tornamos bom o que não vale um charuto!

  12. Ei, ei, calma aí, seu vm!

    Essas 23 903 pessoas que votaram em Seguro podem até ter acreditado nele, mas NÃO BATERAM NECESSARIAMENTE AS PALMAS ao Cavaco!

    O Seguro ganhou contra o Assis, como o Passos ganhou contra o Sócrates: mas ninguém sabe o que aconteceria se essas escolhas se repetissem amanhã!

    Defende o Seguro com argumentos e não com números fora da validade, ok?

    E tu, nuno cm, autêntico cruzado do Seguro, abre os olhos. Vais a caminho de uma derrota COLOSSAL nas Autárquicas. Excepto em Lisboa, claro. Queres melhor “petição” do que os resultados do próximo dia 30 de Setembro, rapazinho?

    Em Outubro cá estaremos para regressar a este assunto…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.