Um país de pafiosos?

Se os pafiosos ganharem, ou mesmo que fiquem com menos votos mas mais deputados do que o PS, isso será uma enorme surpresa para todos quantos, ao longo de 4 anos, pensaram ser impossível tal resultado. Como é que aqueles que traíram como nunca se tinha visto os compromissos eleitorais, e depois partiram para um castigo fanático e desastroso da comunidade, poderiam voltar a ganhar as eleições? Para o choque ser ainda mais vexante, esse cenário teria sido concretizado num curtíssimo espaço de tempo, o último mês de campanha. Manuais de ciência política terão de ser reescritos à pala desta eventualidade.

Todavia, o possível triunfo pafioso em nada desmerece a democracia. A acontecer, será tão legítimo como outro resultado qualquer. E tanto a vida como a luta continuam. Para os que não se identificarem com esses vencedores, fica a tarefa de compreenderem o país onde se realizam como cidadãos. Que país será esse que prefere Passos e Portas a qualquer outra solução de Governo?

A primeira constatação é a de que estamos perante eleitores que se motivam pelo medo. Os pafiosos apostaram tudo no discurso do medo, na retórica do apocalipse e na difamação moral. Estes argumentos são tão mais poderosos quão mais frágil, e menos politizado, for o intelecto do receptor. Assim, uma população idosa e analfabruta não dispõe de instrumentos cognitivos para criticar os apelos ao ódio a partir de deturpações e mentiras. Noutros segmentos sociais, esta pressão caluniosa também leva a que muitos eleitores optem pela abstenção, dado deixarem-se influenciar pela imagem negativa lançada para cima do PS e não podendo voltar a votar em quem tanto os enganou e tanto mal lhes fez sem com isso perderem o respeito próprio.

O combustível para o medo veio de várias fontes. Uma delas é o desfecho do confronto entre a Grécia e a Europa, culminando nas cenas das filas nas caixas automáticas para levantar o máximo diário, juntamente com as cenas da falta de produtos nas lojas e todo esse aparato resultante do castigo imposto aos gregos. Uma outra fonte, imprevista e em cima do auge da campanha eleitoral, é a das imagens dos refugiados a entrarem na Europa e a notícia de que algum contingente viria para Portugal. Isto gerou uma reacção surda, e por isso profunda, de um medo irracionalizante e racista. Um racismo construído a partir do pavor provocado pelo terror de bandeira islâmica. Logo, este estado emocional favorece a adesão à autoridade do momento, leva para atitudes defensivas e conservadoras. A terceira fonte do medo é a estupenda campanha que explora a figura e a pessoa de Sócrates, constantemente usado como papão, chefe de bandidos e potencial déspota que tem de ser mantido no calabouço, ou ser abatido, sob pena de voltar à política e desatar a comprar jornais, a despedir a Moura Guedes, a falar num tom mais entusiasmado com a Judite de Sousa e a fazer auto-estradas onde ninguém decente quer pôr os pneus, entre outras malfeitorias horripilantes. Conseguir ao longo de anos e anos manter esta chama acesa, onde a direita se pode servir à-vontade da pulsão populista e canalizá-la toda para este bode expiatório que até na Justiça é tratado como algo inferior a um ser de direitos e garantias, é já do domínio do psiquiátrico. E exibe a miséria cívica transversal ao regime, onde as honrosas excepções não chegaram até hoje para nos darem um general.

Ver os pafiosos ganharem, ou a perderem por pouco, será também reconhecer o papel da comunicação social na criação de uma opinião pública letárgica, depressiva e derrotista. O País é pequeno e a nossa imprensa é minúscula. Não existe nenhum órgão que possamos associar a uma simpatia pelo PS, ou pela social-democracia. Nem um. Mas existem vários que são ostensivamente simpatizantes do PSD, esteja lá quem estiver na liderança, como o grupo Impresa. Existem aqueles que não são claros, que simulam uma independência deontologicamente exemplar, mas que na prática pendem para as agendas da direita, como o grupo Controlinveste. E depois temos órgãos especializados na luta política a favor da direita e contra o PS, como o grupo Cofina e o grupo Newshold. Esta realidade faz do PS um partido isolado e cercado no sistema, neste momento a sofrer a maior pressão a que alguma vez esteve sujeito. Até a extrema-esquerda desfruta de muito melhor imprensa, seja porque não assusta a oligarquia, seja porque assim se aumenta o desgaste do PS.

Será este o país onde somos cidadãos? Amanhã, logo pelas 8 da noite, ou um pouco mais tarde, ficaremos a saber.

58 thoughts on “Um país de pafiosos?”

  1. O demérito é tão só da oposição que não se soube constituir como Alternativa é do seu principal partido que não soube romper com o passado nem perceber que o povo poderá ter aberto a pestana e poderá seguir outro caminho.

  2. Pg, sem dúvida. Se o PS tivesse seguido os generosos e honestos conselhos da direita estaria agora com maioria absoluta nas sondagens. É mais ou menos isso que queres dizer, né?

  3. Valupi: “Não existe nenhum órgão que possamos associar a uma simpatia pelo PS, ou pela social-democracia. Nem um.”

    É verdade, sim senhor, mas verdade é também que os que agora conhecemos como quadrilha do Pote à Frente (PàF), acolitados por uma imensa legião de avençados e cipaios de todos os tamanhos e feitios, se podem gabar de uma proeza de se lhe tirar o chapéu: conseguiram enfiar na cabeça do país inteiro que praticamente todos os órgãos de comunicação social são dominados pelo PS e que os poucos que escapam à pata socialista são, ainda assim, “maioritariamente de esquerda”. E usar, nessa propaganda, os próprios órgãos que “são ostensivamente simpatizantes do PSD”, convencendo legiões de idiotas, enquanto os vêem, ouvem ou lêem, de que estão eles próprios sujeitos à garra esquerdelha, é, insisto, uma proeza.

    É esta a opinião dominante, papagueada à saciedade por aldrabões e avençados a quem as mentiras não fazem, infelizmente, cair os dentes. E ai de quem se atreva a balbuciar a mais pequena reserva a tão peremptória afirmação. O Evangelho Segundo São Pote não se discute e, enquanto o Diabo esfrega um olho ou dá um peido, leva o rótulo de socratista, se tiver sorte, ou pedófilo, se estiver em maré de azar. O passo seguinte é a lapidação, se não dá de frosques enquanto pode. De abrir a boca de espanto é que o PS e o resto da esquerda não pareçam atribuir a merecida importância à gritante megatreta, um dos principais factores na chegada da quadrilha à beira do pote e garantia da sua manutenção bem grudada ao abençoado vasilhame.

  4. Valupi,
    assinalando a desonestidade de um post escrito em 2015 que termina inopinadamente em 2011, e que sem graça pretende tirar uma conclusão política para o dia de amanhã, o que é importante no post do Insurgente direitolas é perceber o cerco que o jornal da Sonae fez ao último governo do PS. Vejam-se as dezenas de naifadas na carne dos malvados do PS e comparem-se em 2015 com as alfinetadas na pele da tribo do P. ao governo PSD/CDS. Idem, sobre as áreas escolhidas: a dívida, a pobreza, as rectificações ao OE, a corrupção, o desemprego, etc. Se era «O pior ano da vida deles», o de 2009, agora tudo deve ser conjugado no plural para uma parte importante da população que até quase não tinha sido tocada…

    Elogio-te o esforço, mas não estou certo das razões apresentadas em parte do post (Grécia, refugiados e Sócrates, claro). Até porque o que vem no parágrafo a seguir apresenta sinais complexos e, mesmo, divergentes (sobre os refugiados e na coragem dos tipos da Grécia se eles forem vistos como um espelho pelos portugueses, nomeadamente).

  5. Valupi

    Acabo de ver e ouvir o Cavaco!
    A mão atrás dos arbustos está feita numa desgraça!
    Já nem o teleponto consegue ler sem disfarçar. Uma verdadeira lástima.
    Tanta patifaria feita e luta agora para terminar o mandato antes de ser internado num lar de terceira idade.

  6. ” o possível triunfo pafioso em nada desmerece a democracia” ! Mas, que
    raio de democracia é esta? Quando se sabe o que tem sido o comporta-
    mento da comunicação social, as posições dos comentadeiros avençados,
    todo o engajamento aos alaparados no Pote com a repetição das menti-
    ras da lenga lenga da maioria sem um contraditório à altura, não se vive
    em democracia … mas, num estado de manipulação permanente!
    O plano posto em marcha pelos pafiosos pouco difere dos métodos usa-
    dos pelo ministro da propaganda de Hitler e o levou ao poder absoluto,
    será que na Alemanha eram todos uma carneiragem ?
    A luta deve continuar para mudar de regime, por si a partidocracia nestes
    40 anos trouxe-nos onde chegámos, vivemos sob o signo de uma “ditadura”
    da mentira e no meu entender, não há pior do que isso!
    Após a vitória de amanhã do PS espero que, o seu líder comece a pensar ou
    a encomendar um estudo para uma mudança de regime e, perca o “medo”
    de falar sobre a Justiça e a vassourada que é preciso dar-lhe para se acabar
    com os tais “justiceiros” e “poetas” que lá estão encavalitados!!!

  7. Que futuro pode ter um partido que renega o seu passado? Aquilo que Seguro e Costa fizeram, se não foi renegar, no mínimo foi fazer de tudo para que passasse despercebida a governação PS. Como coisa incómoda ou mesmo motivo de vergonha. Quem vai confiar e votar em tal gente? A direita apostou os trunfos todos nesta atitude dos lideres do PS e é bem capaz de vencer com o estrondo que as sondagens prenunciam. É evidente que o sucesso dos direitolas só foi possivel porque dispuseram de uma comunicação social obediente até ao servilismo, nuns casos, e, noutros casos, tão entusiasta quanto os manipuladores da informação.

  8. Queridos e queridas, meus e minhas, ouvi há bocado, no Telejornal da RTP-1, a Cristina Esteves, aquela flausina que no espaço de comentário de Sócrates fazia um tremendo esforço para parecer inteligente e interrompia constantemente o discurso do homem (não fosse alguém acusá-la de socratista), debitar esta magnífica pérola:

    “O Museu Nacional de Arte Antiga convidou El Greco para vir a Lisboa.”

    Será que o caramelo aceitou? Quem paga a exumação?

    Ver aqui, pouco depois do minuto 00.30 da Parte 2:

    http://www.rtp.pt/play/p1743/e208685/telejornal/457635

    Está bem que o texto que logo em seguida continua a ler refere uma “obra do século XVII” e a legenda informa que o quadro é “obra convidada” no museu, mas mete-se pelos olhos dentro que a sorridente e moreníssima loura parece não fazer a mínima ideia de quem, ou do que, está falando.

  9. Cara Jasmim, decidi ontem, e apenas ontem, votar no PS do António Costa, mas garanto-te que não foi o Costa que me convenceu. O mérito vai inteirinho para os factores que passo a enumerar:

    Factor 1 – A sublime verdade bíblica que o aldrabão de Massamá arrotou ontem em directo no Telejornal, a saber: “Eu, quando cheguei ao governo, não trouxe os meus amigos para o governo.”

    Factor 2 – A comovente ternura com que o cipaio-engravatado-que-não-se-enxerga José Gomes Ferreira, ontem, na SIC, levou ao colo o salta-pocinhas irrevogável.

    Factor 3 – O bem merecido (finalmente!) tempo de antena que o fedorento da TVI concedeu ao cata-vento Rebelo de Sousa, ilustre Chevalier de la Vichyssoise, modelo de modéstia e imparcialidade, imbatível e recorrente vencedor da medalha de ouro olímpica na modalidade de aldrabice às três tabelas, que há séculos andava injustamente arredado dos ecrãs por culpa do monopólio socialista da comunicação social.

    A decisão acometeu-me as meninges depois de um ataque de vómitos que me deixou desidratado, quase liofilizado, ao ponto de ter de engolir um garrafão de cinco litros de água do Luso para repor os fluidos.

    Digo-te, porém, cara Jasmim, que me agradaria muito ver o Bloco da Catarina Martins ultrapassar a votação da CDU do Jerocómico e também não me desagradaria ver a mesma Catarina integrar um futuro Governo PS, como ministra da Educação e da Ciência, ministra da Cultura, ministra do Solidariedade, Emprego e Segurança Social ou outra coisa qualquer. Isto apesar de não esquecer o papel miserável que o Bloco e a Catarina tiveram na chegada da quadrilha ao pote, com o chumbo do PEC IV e outras esquerdilhices inconsequentes.

  10. Eu ainda não acredito. Mas já vi acontecer mais ou menos o mesmo no meu Sporting. Com o mesmo soundbite. E as razões foram todas mais ou menos aqui apresentadas durante a campanha.

  11. Excelente Valupi.
    Acredito que não somos um país de pafiosos. Como diria o Alberto Pimenta, somos apenas portugueses suaves com pinta de camel.

    RIP José Vilhena

  12. Grande José Vilhena, o deus do chafurda ceguinho, que, como todos sabemos, é gordo e leva no cu, como bem se percebia em algumas das representações que dele fizeste, deve estar com o berbigão aos saltos, feliz da vida com o teu passamento. Mal sabe ele o que o espera, coitado, agora que andas mais perto do bairro onde vive e lhe podes infernizar melhor o juízo. Só te peço uma coisa, ó Vilhena: não exageres, não vá o rabeta gordo decidir vir morar cá para baixo. Já nos basta o fedor do chafurda ceguinho.

  13. Se acontecer, como eu desejo, uma vitoria do PS, mesmo por pouco, não sei se tudo pode ficar na mesma, em termos de empresas de Sondagens, direcções de TVS e alguns pasquins, que apareceram só para combater o PS. Os FINANCIADORES, poderão fechar a torneira, dado que não terá havido RETORNO do capital investido.Falando de jornalistas, neste campo, se isso acontecer ( Como eu desejo) muitos deles vão a andar a tomar prozac durante muito tempo. Dois exemplos elucidativos: Nicolau Santos não olha para Balsemão para escrever.( é dos poucos que fala sem mefo ) Helena Guerreiro e o seu NEGOCIOS, como esta Sra. Mudou. Já não chegava o seu jornal, a sofreguidão de escrever dando um” apoiuzinho” ao Coelho., que utilizou no penúltimo dia de campanha o ” jornal de referência Correio da manhã” para essa finalidade. Perdi o respeito por esta gente. ( Henrique Monteiro, José Manuel Fernandes, o Zé da Sic….etc etc. Patifaria….

  14. Insisto: Porque deixaram António Costa sozinho a lutar pelo país? Porque não o apoiaram incondicionalmente quando era altura de o fazere?

  15. Caro Val,
    pior, muito pior… Um país de velhos e de crianças. Os que ainda podem emigram.
    A campanha da tanga, logo seguida pela da bancarrota pegou de estaca! Direita e esquerda vomitaram-na aos quatro ventos enquanto o PS de Seguro se escondia atrás dos muros atirando bolinhas de papel numa guerra de faz-de-conta. A aldrabice da asfixia democrática fez o seu caminho no meio de um silêncio comprometedor dos que, de facto, se uniram para asfixiar o país. Ouvi bem o destemor do Carlos do Carmo ao acusar os que de dentro boicotaram o Costa, olha que ninguém protestou ou negou a acusação!
    Ainda tenho esperança que os mais jovens ainda pensem no seu futuro, pois se o não fizerem, com a emigração boicotada no voto, o medo dos velhos deixará tudo na mesma para mal de alguns que, se calhar, até nem são os que perderão mais, financeiramente falando.
    Hoje tudo se poderá decidir, muito embora anteveja mais dificuldades para o PS caso este venha a formar governo. A coligação negativa não morreu e isso viu-se durante a campanha. Veremos regressar o Mário dos professores, os golpes sujos dos assassinatos de carácter, uma Europa dividida, uma economia global que se afunda, e a pasquinada a zelar para o engano das massas. Por isso, talvez nem seja mau de todo que o PS perca. Talvez como a Fénix renasça purificado ou seja substituído por outro mais válido, menos clientelar, limpo da ganga oportunista que sempre se agarrou às abas… Para nosso bem futuro.

  16. Jasmin,

    “O ToZe Inseguro é um imbecil.
    Espero que não saia mais do buraco onde se enfiou. Andou 3 anos a asnear.”

    Mas conseguiu ganhar uma eleições, coisa que o Costa não sei se conseguirá!

    ………………..

    Joaquim Camacho,

    “… também não me desagradaria ver a mesma Catarina integrar um futuro Governo PS, como ministra da Educação e da Ciência, ministra da Cultura, ministra do Solidariedade, Emprego e Segurança Social ou outra coisa qualquer”

    Por amor de Deus!!!
    Essa gaja nem para Ministra do Teatro!
    O mais que poderá servir é para estar na AR a deixar passar um Governo do Costa.

  17. :-( de uma coisa eu sei – se a oposição ganhar será pela sorte que os pingos de mau tempo trouxeram. eu queria oposição à grande, farta, daquela que faz arrotar.

  18. Valupi: «Conseguir ao longo de anos e anos manter esta chama acesa, onde a direita se pode servir à-vontade da pulsão populista e canalizá-la toda para este bode expiatório que até na Justiça é tratado como algo inferior a um ser de direitos e garantias, é já do domínio do psiquiátrico..»

    A chave do sucesso é antiga e repete-se sem cessar: consiste em conseguir implantar — geralmente a partir da repetição incessante — a noção de uma verdade tão óbvia, única, completa e necessária que a sua discussão não possa ser tolerada sem escândalo público, nem a tentativa de exame dos seus pressupostos seja possível sem se tornar pecaminosa ou patológica. O chamado «Holocausto» é um exemplo maior contemporâneo, o alegado banditismo de Sócrates um pequeno caso nacional.

    Recordemos o emprego da palavra «narrativa» por José Sócrates num dos seus comentários televisivos, a propósito dos acontecimentos em torno da rejeição do PEC-4, e a reacção chocada e praticamente unânime de todos os gurus estabelecidos do comentário político com audiência mediática, aliás, os mesmíssimos responsáveis entre nós pela legitimação peranteo público da cadeia de catástrofes iniciada com a invasão do Iraque, que garantiam as armas de destruição maçica do satanás Saddam e não aprenderam nada desde então, como amplamente demonstram os casos mais recentes da Líbia e da Síria.

    A palavra «narrativa» nada tinha de novo e estava perfeitamente adequada ao contexto da várias versões (por exemplo; «narrativa de Sócrates» versus «narrativa de Passos Coelho» sobre a alegada reunião dos dois na véspera da partida de Sócrates para Bruxelas). No entanto o coro escandalizado dos Pachecos, Fernandes, Barretos e restantes compadres na beatitude anti-socrática (aqui estou a pensar no outro, no grego) foi praticamente imediato e fulminante, ridicularizando ou apelando à repressão e expulsão do espaço público das versões pecaminosas da história! Não podia haver «narrativas» quando a verdadeira história — ainda mais verdadeira que a de Luciano de Samósata — era posta em causa!

    O processo é antigo e é o mesmo que o preclaro Valupi aplica, mais acima, ao excomungar a ideia de que transferências maciças de populações que garantem a médio prazo a destruição de patrimónios culturais, genéticos e raciais (Jesú, Maria, tantas palavras pecaminosas!) podem não ser desejáveis.

    Este nosso mundo ocidental corrompido que despovoa e promove a desertificação à bomba dos outros para se fazer invadir pelas próprias vítimas «globalizadas» da sua agressão e violência, à sombra de um humanitarismo hipócrita de fazer gelar o sangue nas veias, apresenta muitas semelhanças com os últimos dias do império romano, corrompido pelo cristianismo triunfante e pela absorção dos bárbaros federados. Mas essa é toda uma outra discussão, à sombra da superstição e do medo, sim, mas sobretudo do medo de pensar ou de falar…

  19. Para os ainda indecisos …

    Vejam as declarações do Coelho e do Portas nas respectivas secções de voto logo às 8 ou 9 da manhã e que são para serem repetidas até à exaustão durante todo o dia.
    Quem ainda tiver dúvidas sobre o que tem que fazer …o melhor será dar um tiro na cabeça como mostrava o vídeo do Guilherme Leite!
    O nojo da suprema LATA daqueles dois FASCISTAS a apelarem ao voto na coligação, no dia de HOJE!
    Está canalha sabe lá o que é a Democracia,cumpre lá as LEIS da REPÚBLICA !

    Agora Mário Soares a VOTAR ! Vejam a diferença de postura!

    PS: Joaquim Camacho EU SABIA!

  20. Há sempre alternativa, e no momento presente havia, há, uma alternativa viável, a de António Costa, a do PS. Então, porque deixaram António Costa, sozinho, a lutar por ela, a lutar pelo País? Ponham a mão na consciência os que deviam apoiá-lo incondicionalmente e nem sempre o fizeram.

  21. Para o Paulinho das Feiras, a campanha eleitoral e o dia de eleições são a mesma coisa: sempre pronto para vender mais uns atoalhados que na política, assim como na sua vida, o descaramento não tem limites.

    “Há quatro anos, Portugal estava sob assistência externa e numa situação muito difícil. O que os portugueses conseguiram, pelo seu país, por Portugal, foi muito importante e hoje podem fazer as suas escolhas com a liberdade recuperada e em consciência, como entenderem”, disse.

    No Expresso online, hoje de manhã ao votar.

  22. O país está armadilhado. Se Costa ganhar, ele e o PS vão ser estilhaçados. Estou a ouvir Costa falar depois de ter votado. Fala, fala, fala… e diz o quê?

  23. Que má vontade, não?
    Apelou a que os eleitores se manifestem expressivamente para abrir um novo ciclo político em Portugal,
    e que exercessem os seus deveres e deveres de cidadania e que fossem votar.

  24. como estamos num pais de pafiosos. e, já que todo portugal sabe que a senhora dona laura, é uma doente cancerosa,podemos também saber onde está a fazer a quimioterapia?

  25. São 12h28 e não há notícias do fascista, e das duas uma:
    ou é contínuo numa escola pública e está a bulir; ou conseguiu infiltrar-se numa mesa de voto para no fim sacar uns trocados do Orçamento de Estado p’rá bucha.

    Será do PNR ou do CDS, o otário?

  26. Camarada Vasco

    O Fascista está a discutir com a Maria. Ela insiste que hoje é dia de eleições e ele diz que ainda não e Domingo.

  27. Com um inegável espírito de “boy”, já fui exercer o meu direito de voto, com o único objectivo de ganhar económica e socialmente com o assunto…

  28. O muro de Berlim caiu há 25 anos.
    A partir daí deixou de ser necessário fingir que o “socialismo em liberdade” era viável, aquele socialismo que fabricava estados sociais apoiando-se nos banqueiros anarquistas que defendiam ser possível construir o socialismo do lado de cá do muro.
    Só que o muro caiu e agora os banqueiros a sério, à antiga, não se fartam de cantar “oh tempo volta pra trás!”.
    O tempo está a voltar para trás, está a voltar para antes do 1ª guerra (foi só há 100 anos), em que os direitos dos trabalhadores eram nulos. Só não voltaremos à jornada de trabalho de 50 horas porque entretanto as máquinas e os automatismos preencheram o espaço de muitos postos de trabalho, criando um exército de desempregados semelhante ao de então. E não faltam patrões a desejar esse regresso…
    Para que volte a haver de novo esquerda é necessário que surjam novos teóricos a interpretar de uma forma correta a atual luta de classes. A velha-esquerda-marx-lenine já era…

  29. Joaquim Camacho
    4 DE OUTUBRO DE 2015 ÀS 0:36
    Grande José Vilhena, o deus do chafurda ceguinho, que, como todos sabemos, é gordo e leva no cu, como bem se percebia em algumas das representações que dele fizeste, deve estar com o berbigão aos saltos, feliz da vida com o teu passamento. »

    Os XUXAS, ó pa eles…por isso é que os gajos se davam com tipos como o Chavez…«é tudo nosso, incluindo o dos outros». É a expressão ORDINÁRIA mas com consequências do povo RASCA.

  30. fifi
    4 DE OUTUBRO DE 2015 ÀS 11:45
    como estamos num pais de pafiosos. e, já que todo portugal sabe que a senhora dona laura, é uma doente cancerosa,podemos também saber onde está a fazer a quimioterapia?

    Isso ou é MALDADE ou simplesmente IGNORÂNCIA. Onde acha que se faz tais tratamentos?

  31. A BURRA está a fazer o direto…Caramba, que trambolho de figura. Ao que esta gaja se presta.
    Já te mandaram tomar aspirinas, mas a BURRA continua a preferir o entupimento…

    Vê lá se me vês, Ó BURRA, já que VOCÊS não passam aqui sem me mencionarem. Caramba….

  32. «Está canalha sabe lá o que é a Democracia,cumpre lá as LEIS da REPÚBLICA !

    Agora Mário Soares a VOTAR ! Vejam a diferença de postura!»

    Pois quem diz isso? A BURRA!

    A democracia, sua BURRA, ficou doente quando permitiu a BURRAS como você, votarem.
    Mário Soares é o XUXA que fez «revolução» no EXÍLIO DOURADO, de BARRIGA CHEIA, sua BURRA; é um elemento desestabilizador que se pronuncia, visando influenciar, DECISÕES. Este gajo DEU portugal, e recorrentemente APOIA o que está errado. Fê-lo com Leonor Beleza, com Ricardo Salgado e fá-lo agora com Sócrates! É o sentimento XUXIALISTA deste homem que se pronuncia em tais…atitudes.

    Percebeu, sua BURRA?! Tire ao menos lição da postura de Touni, que não se mete onde não se deve meter! Entendeu, sua BURRA? Isso é disciplina democrática.
    Vá cavar batatas, sua BURRA. Trabalhe para comer.

  33. O Burro Cego
    Gostaste da figura que fez o teu decrépito Presidente ?
    OK, OK, nos sabemos que preferes Sua Majestade Fidelíssima.
    Mas ainda bem que também não metem um microfone à frente desse.

    Viram a confusão que vai no pavilhão de Algés ?
    pelos vistos o Governo não estava à espera que o povo quisesse ir votar ….

  34. Burro Cego e Decrépito

    Já lhe disse ontem que BURRA é a excelentissima senhora sua mãe que teve a má fortuna de o parir. E como não podia parir uma cria diferente da sua espécie, BURRO é vocelencia, que a República tem o azar de ter alegadamente por seu magistrado (será ?).

    E postas assim as coisas no seu devido lugar tenho a dizer-lhe que as suas palavras soam a ressabiamento.
    Não gostou do que viu hoje? Temos pena. Aguente seu fascista! Aguente que ainda sobraram democratas com eles no sítio para fazer o que for preciso, quando foi preciso.
    Não gostou de ver Mário Soares aos 90 anos a ensinar a canalha que no dia das eleições e nas assembleias de voto NAO SE FAZEM declarações a apelar ao voto no nosso partido ?
    Que puta de falta de respeito foi aquela do ctual Primeiro-Ministro e do seu Vice logo às 08h30 da manhã ?

    E com que então vocelencia, BURRO e CEGO, gosta do Costa amestrado, hein ?
    Não admira. Mas ha-de ter de levar com todos quantos recusam o açaime.
    E fique vocelencia, seu BURRO, sabendo que são muitos e algum sobrará sempre para lhe ferrar as canelas.

  35. Manuel Outubro, além de má vontade de quem tanto esperou de Costa é a minha convicção de , esoe ibrooutibro pir

  36. …é a minha convicção de que ele pouco mais disse em toda a campanha eleitoral. Não explicou por que valia a pena o voto no PS -um partido com provas dadas (como, quando e por quem?!!!), de gente competente e séria ( com o seu ex-PM na prisão, depois da bancarrota-ps?!!!). Costa gastou a campanha eleitoral a fugir do passado do seu partido e a apelar à fé em quem governou tão bem a câmara da capital. E os eleitores vão nessa? Tenho muitas dúvidas. Ameaçar com o “lobo mau”, quando se procura a todo o custo esconder o diabo que se tem em casa a contas com a justiça…Lamento, Manuel Outubro, mas isto vai dar bronca. E assim falo eu que votei Costa, porque o considero muito bom governante e muito mau político. Por outro lado, considerando o que aí vem, chego a desejar que ele perca estas eleições.

  37. Maria, 25 Marias. Sorry mas não é este o momento para fazer essa análise sobre o PS do António Costa, como diria alguém «há um tempo para tudo» (gostou?), até porque os capatazes da coligação PSD/CDS andam nervosos em Viseu, por exemplo. Logo na simbólica cidade de Viseu uma terra abençoada, que foi o antigo cavaquistão rebaptizado em pafistão.

    “Numa atitude inusitada, ilegal e prepotente, o presidente da Câmara de Viseu mandou remover, logo pela madrugada de sábado, dia 3 de outubro, a propaganda da CDU e de outros partidos em diversos locais da cidade. A Câmara Municipal de Viseu agiu deliberadamente e de má-fé, exorbitando a sua competência legal”, alegou a CDU.

    Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/cm_ao_minuto/detalhe/eleicoes_cdu_apresenta_queixa_na_cne_contra_camara_de_viseu.html

    e

    http://www.publico.pt/politica/noticia/cdu-apresenta-queixa-contra-camara-de-viseu-por-retirada-de-propaganda-1710035

  38. A quem se dirige a BURRA??? É BURRA e CEGA. Cala-te BURRA CEGA, toma uma aspirina, pá, desentope os vasos, precisas de oxigénio na cabaça. E quanto a mães, já te disse que nem todas deixam caír as crias pelas pernas abaixo, enquanto vendem peixe…vê lá se percebes isto. BURRA VELHA.

  39. Camarada Vasco
    4 DE OUTUBRO DE 2015 ÀS 14:20
    «Trabalhe se quiser que a mim basta-me pastar!» (frase do numbejonada, o fascista vegetariano).

    COMUNA XUXA! Mostra lá comentário, dia e hora…

    CASCO! ASCO! Muito com que rimar….! Mas tudo com denominador comum: XUXAS COMUNAS desviados.

  40. Cavalgadura CEGA e PAFIENTA

    E a ti que me dirijo!
    Vai insultar a excelentíssima senhora tua mãe, ASNO.

    Alô
    Alguém tem de ser RESPONSÁVEL pelo que se passou no pavilhão de Alges, em muita gente “abandonou o local sem votar” por falta de condições. Reduziram as mesas de voto de 20 para 15 e deu merda. Os fascistas são capazes de tudo para tentar ganhar, nem que seja na FRAUDE.

  41. O chafurda ceguinho tem uma pátria e essa pátria tem um hino. Como bom patriota, o chafurda ceguinho adora cantar o hino da sua pátria e, para deleite e estremecimento da sua (dele) nação, produziu, como solista, uma gravação. Eizi-a e eizi-o, em todo o seu esplendor, afinadinho como manda a sapatilha:

    https://www.youtube.com/watch?v=trWCXshq_Uo

  42. A BURRA está ostensivamente em modo de menopausa…ASNA és tu…e já há vários aqui da tua cor que te topam….BURRA.

  43. Manojas
    4 DE OUTUBRO DE 2015 ÀS 16:42
    Para uns: – Porquê aceitar tais diálogos?
    Para outros: – Para quê alimentar tais diálogos?

    Esqueceu-se de outra questão, que sugiro:

    Para quê tais diálogos com tanto insulto, palavrão e provocação? Não acha?

  44. Camarada Vasco
    4 DE OUTUBRO DE 2015 ÀS 15:29
    Cala a pia, ó fascista!

    (nem para uma mesa de voto te quiseram…?)

    PORRADA CASCO….vá tomando o chá…que as dores vão surgir…

  45. Numbejonada, a Jasmim está persuadida que o meu caro e eu próprio, somos a mesma pessoa.
    Eu anteontem chamei-lhe burra e com bom fundamento porque ela não interpretou correctamente o que eu escrevi e depois deturpou, e ela retorquiu que burra era a minha mãe.
    Por isso, ela agora diz que já insultou a sua mãe ontem. Na verdade, insultou a minha.
    Não sei o que é que a mãe de cada um de nós, comentadores, tem a ver para o caso de insultos a nós, comentadores, dirigidos, mas enfim, faz parte da burrice.
    Temos aqui dois camiões sem travões . O Inácio e o Camacho. Partilham uma característica comum, ambos são dois king Midas in reverse. Tudo em que tocam, se transforma em trampa.
    Sem dúvida, abuso de licor de M .
    E, curioso, ou não, detestam-se mutuamente.

  46. PIMPAUMPUM,

    É caso para dizer, no que concerne às figuras que refere que – eles – são o que retratam: TRAMPA. Como tal devem ser tratados. E note…já viu como eles gostam de dizer que são insultados? LOL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.