Tem graça e devemos agradecer

Tem graça ver Medeiros Ferreira e Carrilho a pedirem a cabeça de Sócrates. É que toda a gente está encantada e agradecida com o esforço titânico que estes dois têm feito, nos jornais e nas televisões, para resolver os problemas da malta. A sua actividade produz um vendaval de inteligência, uma avalanche de soluções. E são tantas as propostas, e tão rápida a sua produção, que infelizmente não se consegue fixar nenhuma. Esperemos que esta, pelo menos, faça caminho. Bem que eles o merecem pelo muito que nos têm dado sem exigirem nada em troca.

35 thoughts on “Tem graça e devemos agradecer”

  1. Nem mais, Valupi. Vá-se lá saber porquê, Carrilho convenceu-se de que tem perfil, capacidade e qualidades para ser secretário-geral do PS. Aparentemente, esqueceu o desastre completo da sua campanha para a Câmara de Lisboa (pelo qual culpa todos menos ele próprio e a sua foleirice). Assim, recambiado de Paris, debita semanalmente a sua inveja e ira na imprensa, e as televisões, que estão sempre a exercer a actividade preferida de promotoras de opositores internos a Sócrates, convidam-no frequentemente. Não convence, mas não percebo por que razão não apresentou a sua candidatura para o próximo congresso.

  2. Parece-me que foi tambem marcello a sugerir acordo neste acordo com europa

    e compromisso de eleições breves,

    mas acho que com PS sem Socrates…

    Esta é a razão substantiva porque eu votarei Socrates…

    abraço

    PS. que grandes coligações de espiritos brilhantes se movem contra Socrates…

    dá que pensar… marcelo, medeiros, cunha, cavacu, bessa, pina, medina,

    porra dizia o marquês….

  3. Já nada me admira, depois de ouvir (ouvi mesmo, não me contaram) o presidente da AR, Jaime Gama, tecer o mais rasgado elogio ao exemplo de democrata que é o presidente do governo regional da Madeira. Estes homens do PS aqui referidos, todos eles, podem perfeitamente rever-se no discurso do elogio à guerra colonial, o último de uma trilogia de vergonha do presidente eleito. Gama e Carrilho aplaudiram de pé. Só não o dizem porque não é oportuno.

  4. valupi, olha que para ter ideias como cortar salários, serviços e aumentar impostos também não é preciso puxar muito pela cabeça… :)

  5. Li três posts e fiquei boquiaberto. São pagos?

    Isto, o Sr Valupi particularmente, parece os trauliteiros em versão Ps.
    Andam com saudades das práticas estalinistas, plenas de certezas absolutas e traidores apontados a dedo, que já nem o Pc usa? Sobretudo quando, mais do que nunca, a crítica interna (à esquerda) é necessária?
    Isto, já não é política, é ‘bairrismo’ em versão socrática.
    Eu tinha vergonha, mas para isso, até para ter vergonha, há que ter um mínimo de distância crítica. Coisa que aqui não existe.

    Sócrates, o seu ídolo, não é, para mim e para muitos outros ex votantes Ps, senão o animal político que transformou o Partido Socialista num Partido de Direita Liberal que luta no interior do território natural do Psd, para se apossar da sua área política.

    Por mim? Defenestrem-no!

  6. Não deixa de ser curioso que este senhor tenha de alegar seu partido “ex”,

    para assim tentar apresentar alguma credibilidade…

    enfim, feitios, seja feliz com seus ex- qualificativos…

  7. Grande parte do que li até aqui trouxe-me à mente um post recente do JUGULAR. “Ao que parece a esmagadora maioria de nós sente um anseio premente de seguir a manada, seja por não confiar no seu próprio julgamento, seja por temer ser marginalizado pela comunidade. muito provavelmente pelas duas razões”.

    Pondo de lado os ressabiados, os calculistas e os oportunistas que são muitos e de nome sonante (alguns deles mas não todos, têm os seus nomes inscritos lá atrás) o grosso da manada não quer mais do que gregáriamente seguir a manada. É muito mais cómodo e não dá chatices! Ainda que, por vezes, na solidão da cabine de voto deixem acordar a voz da consciência!

  8. Ex vontante Ps, depois ainda alegrista, da primeira vez, da segunda já não, razões óbvias.
    Psd, caros isso nunca votei. Mas agora para mim a prioridade é fazer crescer a esquerda não ps e, custe-vos muito ou pouco, defenestrar o nosso Primeiro, mesmo sob risco de um Passos! É triste não é? Mas as diferenças são poucas.
    ah, caro Valupi, sou abstémio, garanto-lhe. e não sou um desiludido, como eu há muitos mais.
    Mas quando não se quer perceber e se considera que os comentários de acólitos perfazem suficientemente o mundo real, fazer-se o quê?

  9. não vês um problema onde basta haver tomates, sem ser preciso inteligência (as tais boas ideias) para se estar à frente dos destinos do país? é que esses ‘tomates’ também podem ser outras coisas, como falta de escrúpulos, falta de bom senso, irresponsabilidade. assim em geral, quando se fala de ter tomates, é tudo uma questão de pontos de vista, muitos legítimos. como me disse uma amiga uma vez “eu por vezes não sei se és muito afoita ou apenas inconsciente”.

  10. Eu também não sei se o Governo é muito afoito ou apenas inconsciente, o que sei é que cada eleitor pode comparar soluções, pois a inteligência e o carácter estão distribuídos por igual. Quais são as tuas, ou quais recomendas?

  11. Até esta resposta à Susana é textualmente cassete socrática… o Sr. Valupi não lhe quererá suceder?

    «Ousam dizer-nos que o Estado já não consegue suportar os custos destas medidas sociais. Mas como é possível que actualmente não tenha verbas para manter e prolongar estas conquistas, quando a produção de riquezas aumentou consideravelmente desde a Libertação, quando a Europa estava arruinada? Apenas porque o poder do capital, tão combatido pela Resistência, nunca foi tão grande, insolente, egoísta, com servidores próprios até nas mais altas esferas do Estado. Os bancos, agora privatizados, preocupam-se principalmente com os seus dividendos e com os elevadíssimos salários dos seus administradores, e não com o interesse geral. O fosso entre os mais pobres e os mais ricos nunca foi tão grande; e a corrida ao capital e a competição nunca foram tão incentivadas.»
    Stéphane Hessel, Indignai-vos!

  12. Já começou. Juros da dívida passam a recorde de 8%.
    Por outro lado, os parceiros sociais acordaram hoje medidas do PEC, exigindo que não sejam alteradas mesmo que mude o governo.

    Porque é que vamos mesmo para eleições?

  13. susana, resumir esta governação ao aumento de impostos e corte de salários e serviços não será um nadinha redutor?

  14. valupi, tu estás a falar a sério, não estás? a coisa está complicada para tipos que fizeram carreira a partir das associações académicas. assim também não dá gozo, tudo a correr mal e estar sempre a ser vaiado. eu acho que foram óptimas ideias, para gerar tanta impopularidade que caíssem. cortes na função pública mas aceitou-se não os fazer na CGD, passando a mensagem de que a banca tinha situação de privilégio (os trabalhadores da CGD não são funcionários públicos, pelo que a anunciada extensão da medida a estes só podia prever a desistência posterior). a cereja no cimo do bolo foi aquela do golf, tão caricata que até parece escolhida a dedo, como emblema do estilo de vida ‘dos ricos’, a ver se caía a moedinha. a sério, acho que o governo só quer pôr-se a milhas.

  15. susana, vejo que não apresentas soluções alternativas. Preferes constatar que os Governos que são obrigados a assumir políticas de austeridade são invariavelmente impopulares. Digamos que é assim a modos que para o curto, se o interesse for o de encontrar uma governação alternativa.

    Já quanto ao golfe, concordo que é de rir. Mas de rir muito, pois obviamente não estás a perceber o que está em causa. Nada que um técnico de turismo, e até pode ser estagiário, não consiga explicar.

  16. tás-te a passar, valupi? não fui eu que apresentei um programa de governo e vários remendos. procuras em mim uma governação alternativa, é? para já, tens o programa do pcp e o do psd e, graças ao ps, o do psd é o mais provável próximo…

    quanto ao golf, acredito que encontrasses uma dúzia de técnicos das mais diversas áreas a justificar aceitavelmente a descida do IVA para componentes das mesmas, não te parece?

  17. Para falar verdade, José Sócrates também não me entusiasma por aí além, embora lhe reconheça mais qualidades que defeitos. O problema é que os outros me parecem todos muito piores do que ele (e a distância cresce a cada dia que passa…)! Incluindo esta abécula inofensiva do Medeiros Ferreira (ex-apoiante de Sá Carneiro na A. D.) e o desperdício de capacidade que é, infelizmente, o sibilino e venenoso M. Maria Carrilho.

    Por isso é que, seguramente, irei votar Sócrates uma segunda vez (em 2005 não votei PS, mas depois arrependi-me…). É que eu tenho dois Filhos, caralho! E como eu estarão, suponho, muitos milhares de outros zés pagantes e votantes….

  18. “susana”, o «o programa do pcp» é a sério, ou está a reinar com a malta?!…

    Olhe, o que eu gostava, mesmo, era de poder combinar aí com uns dois milhões de maduros e votarmos todos em massa, desta vez, na CDU! Não imagina como eu gostava de ver essa gente com uma maioria absoluta de Deputados a ter de pegar no boi pelos cornos!

    Até pagava, para ter o bónus grátis de ver o esgar do Cavaco a empossar o Jerónimo como Ministro da Juventude, o Bernardino Soares como Ministro das Finanças, o Honório Novo na Economia, o Mário Nogueira na Educação, o Carvalho da Silva vice-Primeiro-Ministro e o Ruben de Carvalho Primeiro-Ministro!

  19. o programa? ora, sobe tudo, descem as grandes fortunas. é fácil, mais ou menos o contrário do do psd. pelo meio, claro, há medidas razoáveis em qualquer dos programas. no do psd recordo a não acumulação de reformas com vencimentos da mesma empresa (o vencimento é partilhado pela empresa e pela segurança social), que me parece bem. no do pcp algumas medidas para reduzir a desigualdade também me parecem razoáveis.

    eu gostava de ver uma coligação de esquerda, a ganhar a confiança dos eleitores (porque pelo menos ainda não andaram ao pote, pelo que não são os suspeitos do costume) para a implementação de medidas de austeridade bem escalonadas, em que não se mexesse em reformas de 300 euro nem se reduzisse o iva para o nível de um bem essencial numa prática desportiva que não é ambientalmente sustentável. e o pavor dos comunistas talvez pusesse a mexer este centro instalado, que talvez se voltasse a interessar por política e se lembrasse do espírito de missão que o motivava há muito tempo. mas antecipo que tenhamos um governo psd, com paulo portas ao barulho. e assim…

  20. susana,
    gostavas de ver o quê? Um governo Pc/be?Isto? “Até pagava, para ter o bónus grátis de ver o esgar do Cavaco a empossar o Jerónimo como Ministro da Juventude, o Bernardino Soares como Ministro das Finanças, o Honório Novo na Economia, o Mário Nogueira na Educação, o Carvalho da Silva vice-Primeiro-Ministro e o Ruben de Carvalho Primeiro-Ministro!”

    Vai gozar com a tua própria cara, pá, (mesmo assim à Homens da Luta).

  21. edie, não sei quem escreveu isso, mas o mário nogueira como ministro da educação era muito mau. recordo-te que, supostamente, a esquerda não se cinge aos partidos que referes, inclui até o ps.

    e gozo com a minha prṕrpia cara o tempo todo, espero que fiques mais descansada.

  22. susana, onde é que já defendeste as políticas do ps? aqui não foi, e não estou para as tuas habituais voltinhas no discurso.O que aqui defendeste como alternativas foram os “programas” do pc e do psd.
    E se não sabes quem escreveu o que cietei, devias estar mais atenta aos comentários que te são dirigidos.

    Quanto ao ficar mais descansada, pois fico, ao pensar que, apesar de tudo, não há assim tantas susanas e susanos no país.

  23. hehehe, não sei onde me viste “defender” essas alternativas. seria até engraçado, estar a defender simultaneamente os programas do psd e pcp…

    como compreenderás, não chegamos a ler alguns comentários que nos são dirigidos, ou esquecemos de imediato. continuo sem saber, mas é indiferente.

    bom descanso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.