Sócrates? O Zé Manel explica

Excluindo o próprio e os seus advogados, não se conhece uma única figura pública que defenda Sócrates em relação às acusações judiciais de que é alvo. Não se conhece uma única figura pública que julgue moralmente aceitável o seu passado financeiro privado descoberto pela “Operação Marquês”. Não se conhece uma única figura pública que antecipe qualquer futuro político, sequer profissional, para Sócrates. Apesar de se encontrar num efectivo estado de desgraça, sem prazo conhecido para acabar e com alta probabilidade de ainda vermos aumentar a duração e magnitude da mesma, é diariamente perseguido, atacado, linchado pela turbamulta e pelos algozes que a atiçam. Não existe maior homenagem ao seu carisma político do que este fenómeno de continuar a deixar raivosa e apavorada a direita decadente depois da colossal violência policial e mediática já exercida sobre ele.

José Manuel Fernandes representa paradigmaticamente a direita do poder pelo poder, a qual actua como braço armado da oligarquia (não a oligarquia de que fala o Rui Ramos assanhada e retoricamente, antes a oligarquia que paga ao Rui Ramos em numerário e abundantemente). O Zé Manel não aguentaria 24 horas na arena política, dado ser falho das condições intelectuais mínimas para liderar partidos e projectos de interesse comunitário, pelo que fez a sua carreira de pulha na comunicação social. Nela teve sucesso e, no início de 2007, esteve à beira de ter grande sucesso pois seria um dos beneficiários da eventual compra da PT pela Sonae ao acumular a direcção do Público com a posição de administrador no grupo accionista. A OPA falhou e de imediato, um ou dois dias depois, o jornal da família Azevedo iniciou uma campanha negra contra Sócrates – a qual tem durado ininterruptamente até hoje. Dificilmente esse pasquim conseguirá ultrapassar o nível de subversão constitucional e indecência cívica atingido na “Inventona da Belém”, quando a 1 mês do início da campanha eleitoral para as legislativas de 2009 o nosso admirável Zé Manel foi cúmplice activo e interessado de uma espantosa e sórdida golpada lançada pela Casa Civil da Presidência da República com vista a perverter os resultados eleitorais, a qual chegou a eleições com o apoio declarado do Presidente da República de então. Será este Zé uma figura com credibilidade, ou que fosse módica vergonha na cara, para fustigar supostas mentiras e supostos mentirosos?

Aqui o temos agarrado à sua paixão – Sócrates: mentir não custa, basta ter esse hábito – e tudo o que despeja é útil para se tirar a fotografia à pulsão assassina que o anima e à vingança em curso:

– Começa por se queixar de Ivo Rosa ter dificultado o acesso aos interrogatórios a Sócrates mas depois fala das suas declarações ao juiz como se as tivesse ouvido na íntegra e presencialmente.

– Pinta Sócrates como mentiroso mas não identifica qualquer das aludidas e copiosas mentiras de forma objectiva e factual.

– Goza com a quantidade de dinheiro gasto por Sócrates em diferentes situações e circunstâncias para o difamar, promovendo o sofisma de serem os seus gastos anómalos e ilícitos só por serem inalcançáveis para os rendimentos do português médio. Nada contextualiza nem justifica, esgota-se no sarcasmo o chiste.

– Acha impossível que exista um “cofre” (material, metafórico?) na posse da mãe de Sócrates com dinheiro vindo de uma herança. Contudo, apenas possui como informação a respeito desse tema o que acabou de ser espalhado em violação do sigilo judicial e está a apagar a ideia, com décadas, de realmente ter existido tal herança.

– Descreve Sócrates como o político mais bem preparado que conheceu, com domínio absoluto sobre os temas que discutia em público. Não se interroga se tal perfil é conforme à imagem de corrupto incontrolado que promove na comunicação social há anos.

– Descreve Sócrates como “grande actor”. Na aparência, está a sugerir que é hipócrita, mentiroso. No fundo, está a deixar-lhe outro elogio, pois não há política sem teatro, sem actores, sem palco, sem assistência.

– Regozija-se por o “animal feroz” estar “ferido”, contudo ainda não está morto, daí continuar a ser “perigoso”. O exemplo que dá do “perigo” é delicioso de perfídia.

– Para combater o suposto “risco de populismo” que uns ingleses antevêem caso se leve Sócrates a tribunal, o Zé Manel considera que os bifes não percebem nada do que se está a passar. E explica: “os portugueses já têm bem consciente que houve corrupção, gestão danosa e que muita gente enriqueceu com custos pesados para o País, sobre isso não há dúvidas”, portanto, “Sócrates tem mesmo de se sentar no banco dos réus para se fazer justiça” – ou seja, o julgamento de Sócrates já foi feito nos esgotos a céu aberto, tendo sido declarado culpado pela corrupção de tudo e de todos, estando só a faltar a formalidade de cumprir com a burocracia num tribunal disponível para ser despachado na ramona até ao calaboiço.

O Zé Manel não tem disponibilidade mental, nem estofo moral, para tentar descobrir se o dinheiro usado por Sócrates veio da corrupção, da mãe ou do amigo. Para ele é exactamente igual ao litro, e quanto menos se falar disso melhor. O processo resume-se a cumprir com um julgamento que é, primeiro e acima de tudo, político. E, sendo político, não há perdão nem misericórdia. Não há justiça, é matar ou morrer. Daí a desumanização extrema a que se entrega, encharcado de adrenalina e dopamina no antegozo de ver as labaredas a devorarem a sua némesis.

30 thoughts on “Sócrates? O Zé Manel explica”

  1. Infelizmente não tem sido só a direita decadente, mas muito da outra direita e também muita esquerda, até pelo seu silêncio, não têm tido uma atitude justa e séria sobre a pessoa e o caso Sócrates.

  2. o caso da herança é muito fácil de provar : são necessários bastantes documentos públicos (que estarão em arquivos públicos) para herdar, desde o inventario à escritura das partilhas. e o imposto sucessório foi pago ? na altura devia ser bastante.
    e passaram 29 anos, não muuuitas décadas. não é preciso um historiador para investigar a trama.

  3. Houve uma excepção sobre o silêncio das muitas figuras “públicas” e, sem papas
    na língua, foi Mário Soares que, denunciou o comportamento dos juízes na forma
    como trataram um ex. Primeiro Ministro de Portugal, invocando falsos pretextos
    para o enfiarem na prisão!
    Lamentavelmente, até a estação pública de televisão dá tempo de antena a um
    mentiroso como o tal jornaleiro colaborador na inventona de Belém visando o
    Governo da República numa intriga palaciana promovida pelo tal que nem sabe
    das escrituras da permuta de propriedades com grande ganho, no tal empreendi-
    mento da Gaivota cujo, empreendedor tinha uma “fantasia” de 100 milhões no
    BPN que, ainda estamos todos a pagar … se houvessem Jornalistas de investigação
    a sério este seria um grande furo e repunham a coisas no devido lugar!
    Não há quaisquer dúvidas de que, os detratores estão a ficar inquietos e, para eles,
    será o fim do mundo se não aparecer uma acusação com pernas para ir a julgamento
    apesar dos montes de caixotes, milhões de terabytes de informação, etc.etc,!!!

  4. Quando o Zé Manel diz que não há dúvidas, é porque há.
    Quando o Zé Manel diz que qualquer coisa é possível, é porque é impossível.
    Quando o Zé Manel diz que qualquer coisa é impossível, é porque é possível.
    Quando o Zé Manel diz qualquer coisa, é mentira.
    Quando o Zé Manel diz, desdiz.
    Quando o Zé Manel não diz, acerta.

  5. Eu explico melhor que o Zé Manel.
    Se tiverem paciencia de ler até ao fim, vão perceber que esta história está muito mal contada.
    Eu é que sei como foi:
    Um dia fui jogar golfe e quando estava a escolher o taco, notei que havia uma rã perto de mim.

    Para meu espanto a rã disse-me:

    – Croc-croc! Taco de ferro, número nove!

    Eu achei graça e resolvi provar que a rã estava errada.

    Peguei no taco que ela sugeriu e bati na bola. Para minha surpresa a bola parou a um metro do buraco!

    – Boa!! – gritei eu, virando-me para a rã – Se calhar és a minha rã da sorte!

    E resolvi levá-la comigo até ao próximo buraco.

    – O que é que achas, rã da sorte?

    – Croc-croc! Taco de madeira, número três!

    Peguei no taco 3 e bati. Bum! Directa ao buraco!

    Dali em diante, acertei todas as tacadas e acabei por fazer a melhor pontuação da minha vida! Resolvi levar a rã para casa mas no caminho, ela voltou a falar:

    – Croc-croc! Las Vegas !

    Nem hesitei! Fui directo para o aeroporto, comprei um bilhete para Las Vegas e nem avisei ninguém!

    Chegados a Las Vegas a rã disse:

    – Croc-croc! Casino, roleta!

    Evidentemente obedeci à rã que logo sugeriu:

    – Croc-croc! 10 mil dólares, preto 21, três vezes seguidas.

    Era uma loucura fazer aquela aposta, mas não hesitei.A rã já tinha ganho toda a credibilidade.

    Coloquei todas as minhas fichas no 21 três vezes seguidas e ganhei milhões! Peguei naquela massa toda e fui para a recepção do hotel, onde exigi uma suite presidencial.

    Tirei a rã do bolso, coloquei-a sobre os lençóis de cetim e disse:

    – Rãzinha querida! Não sei como te pagar todos estes favores! Fizeste-me ganhar tanto dinheiro que vou ser-te grato para sempre!

    E a rã:

    – Croc-croc! Dê-me um beijo! Mas tem que ser na boca!

    Tive um pouco de nojo, mas pensei em tudo o que ela me tinha dado e acabei por lhe dar o beijo na boca!

    No momento em que a beijei, a rã transformou-se numa linda ninfa de 21 anos, completamente nua, sentada na minha cama que me foi empurrando, devagarinho, para a banheira de espuma. Mas não vou contar agora mais pormenores sobre esta parte…

    E juro que foi assim que consegui toda a minha fortuna!”

    Declarações de José Sócrates ao Juiz de Instrução no Processo Marquês.

  6. Desde quando apreciamos o percurso de José Sócrates,ainda que não concordemos com muitas das suas decisões,ainda que não tenhamos votado nele?
    Há muito tempo já.Então desde que primeiro ministro,quando começaram a surgir as obras,reformas,iniciativas e tudo o que realizou,a admiração cresceu como cresceu a atenção às diferenças para os adversários próximos e longínquos O caudal de realizações foi tamanho que a oposição,assarapantada e balbuciante,não viu alternativa às emboscadas legais ou ilegais que conseguisse urdir.
    Porque Sócrates era,e é, um tribuno brilhante, que fazia barba e cabelo a quem ousasse contestá-lo . Na Assembleia da República era um supino prazer vê-lo aniquilar adversários,supostos bons cantadores. Paulo Portas foi uma das suas vítimas,lembro uma retirada estratégica do irrevogável,na altura só irreverente. saindo do hemiciclo à socapa,enquanto,na tribuna,Sócrates o zurzia.
    Era uma situação vergonhosa,para toda a Direita. Desde Cavaco,PPD e CDS e amigos viam-se nus e expostos a ridículo,ainda mais que agora.
    Começaram então os golpes de mão .Um dos primeiros foi a tentativa Free Port,que borregou miseravelmente. O grau de preparação dos ataques foi crescendo,sempre esvaziados pela coragem do visado. Coragem que é o supremo agravo para a gente mesquinha que não lhe conhece o sabor,a cor ou o cheiro.
    Para o substituir no PS arranjaram o Tó Zé Seguro | Exemplo claro do que a opsição externa e interna queria.
    E ainda hoje o vivente,que não o fantasma de Sócrates os assusta|
    Para o golpe ser perfeito e atingir profundidade,porque não arranjar,no Estrangeiro.vários condenados lá,por implicados na Operação Marquês? O resultado não será seguro,veja-se o caso dos submarinos…|

  7. Tivesse o Cavaco ou o passos caído na mesma situação e queria ver o que estas alminhas estariam a dizer. Estamos a brincar?

    O karma é fdd para os Abrantes e Cancios desta vida. Boa sorte.

  8. É da História; todos os medíocres, os falhados, os invejosos, os incapazes e incompetentes, os mesquinhos e instalados favorecidos sem merecimento odeiam quem é o oposto do que eles são.
    São gente menor que não suporta a grandeza dos outros, gente fingida que tem uma moral beata em público para condenar os outros e outra secreta em privado para gozo pessoal.
    E é, precisamente, este tipo de pessoal intelectualmente corrupta que precisa de apontar o dedo a outrem para que não olhem para ele.
    Tudo começou na TV quando Sócrates e Santana eram comentadores políticos no mesmo programa. Certamente ainda se lembram da indigência ignorante de argumentação de Santana face à argumentação estudada, fundamentada, precisa e convicta do seu parceiro comentador.
    Quando ambos tiveram de confronta-se politicamente logo o calaceiro e medíocre Santana mandou plantar numa folha obscura paga do Brasil a notícia da “homossexualidade” de Sócrates. A coisa não pegou como pretendido e nova notícia acerca do Freeport, elaborada e saída do gabinete de Santana com participação de um agente da Judiciária, foi ventilada pelos media amigos. Também esta não pegou e até foi julgada em tribunal e, pelo menos, um tal não sei quantos da judite foi condenado.
    Sócrates chegou, mesmo assim, a PM e até Cavaco lhe gabava o trabalho inventivo. Mas como Sócrates, um nato homem de visão e acção, não consentiu Cavaco apropriar-se dos louros políticos da acção governativa, o reles Cavaco mesquinho vingativo e grã auto-convencido do seu estatuto de Doutor Professor à lá Salazar, logo ali iniciou a guerra suja para destruir a obra e o PM.
    Sócrates, imparável, continuou a lançar projectos de infra-estruturas, ciência e modernização que preparariam Portugal para décadas de futuro.
    Não aceitou a usura de Cavaco e muito menos foi ao beija mão dos Belmiros e Pingos Doces, empresários e magistrados, presidentes municipais e deputados e pelo religioso ressentimento, rancor e ódio que tal independência concitava “pôs-se a jeito” perante todos os ressentidos e oportunistas, medíocres e corruptos que já viviam aterrorizados que tal PM vingasse e se perpetuasse no poder. Até no seu partido surgiram os Judas que nunca falham nas ocasiões que metem medo.
    Chegada a peste bancária sob batuta do Lemon Brothers um cortejo de assustados e assanhados de todos os quadrantes da ransosa “elite civil” atiraram mais pedras, setas, lanças e espadas que a Cristo no caminho do calvário.
    Contudo, ainda no calvário mas sobrevivente mete mais medo, ainda hoje, aos malfeitores, corruptos e corruptores políticos como nos seus primeiros momentos de PM.
    O terror continua tanto que todos os dias vão à cruz do homem cravar mais um prego não vá o homem ressuscitar como o outro.

  9. Coitado do gajo da rã, tarde descobrirá que era sapo, e que a deliciosa “espuma” em que se espojou era afinal batido de “leitinho” do sapudo companheiro. E que amarelo (e breve) será o sorriso que esboçará quando o batráquio lhe segredar carinhosamente ao ouvido: “Ri-te, ri-te, meu queridinho, quando souberes que a vaselina tem areia até choras!”

  10. o que é extraordinário , e dá que pensar , é a apatetada benevolência com que o zézito é tratado neste blog ,
    nunca o questionam, nunca reparam nas incongruências das suas respostas, nunca puseram a hipótese aqui, onde andam sempre com a democracia na boca, de serem pessoas como esse tipo de ” faz o que digo mas não o que faço” ( socialista a gastar à tripa forra com o povo na miséria ,género padres pedófilos ) que destruíram a democracia e abriram caminho ao “populismo”.
    e o Hitler também foi um grande estadista, carismático até dizer chega, muito bem preparado , não sei pq dizem mal dele, coitado, afinal também gostam de tiranetes de ópera bufa. ou do botas, que deixou o país cheio de obras públicas, pontes , barragens, estradas , edifícios , um cofre ( material, não metafórico) cheio de ouro para futuros investimentos sem recorrer a agiotas e também era cheio de carisma e sabia de tudo e mais um par de botas.

  11. Em verdade vos digo que me deixa absolutamente apatetado o mortificado prazer que a pateta cota do artigo castelhano tira da companhia diária, horária, minutária, dos patetas que por aqui andemos e semos todos nóis. Lá doer até lhe dói, mas não desgruda, carago! Escola de Leopold von Sacher, meus e minhas, em versão barbie ressequida!

  12. “”o que é extraordinário , e dá que pensar , é a apatetada benevolência com que o zézito é tratado neste blog ”

    Se há sitio onde a responsabilidade politica de JS , no processo de que é alvo, tem sido tratada sem qualquer benevolência, é este. Portanto, o que é verdadeiramente extraordinário, é o afã com que o populismo de direita de piquete a este blog insiste na descredibilização da politica, promovendo a confusão entre moralidade e Estado de Direito . Dá que pensar o que pretendem.

  13. traduza por miúdos , ricardo, porque não percebo o que quer dizer com isto : ” onde a responsabilidade politica de JS , no processo de que é alvo” , é muita metafisica para mim.
    não meta aqui a direita porque não faço parte de facções nem de grupelhos., apenas prezo a concordância entre a teoria e a praxis, a teoria e os valores espelhados na prática.

  14. Camacho, estás mais queimado que o JS.

    Ao JS, mesmo que não fosse um evidente trafulha, e possivelmente outras coisas piores, nunca lhe perdoaria a dívida que deixou a todos nós e nossos descendentes.

    A vossa adoração já se tornou patológica.

  15. «nunca o questionam, nunca reparam nas incongruências das suas respostas,»

    Quem tem os dados e informações todas esmiuçadas a pente fino anos a fio é o MP e só o juíz, agora, deve e está questionando Sócrates e é esse o fundamento da Democracia.
    Na praça pública passa apenas ruído tendencioso e julgamentos morais são tantos como a moral de cada um e não são matéria de Lei.

    «e o Hitler também foi um grande estadista, carismático até dizer chega, muito bem preparado , não sei pq dizem mal dele,»

    Hitler criou um partido à sua imagem e semelhança e escreveu um livro aberto ao povo onde constava o seu programa de acção política. Quem votou nele sabia qual a sua ideologia e nunca teve a maioria dos votos dos alemães e mal chegado ao poder golpeou e acabou com o Estado Democrático e imediatamente se lançou numa guerra mundial que o conduziu à loucura de monstro irracional ao criar fábricas de matadouros humanos.
    Fazer comparações entre Hitler e o caso Sócrates revela mais de quem as faz do que explica acerca de qualquer dos dois casos. Branquear Hitler por meio de comparações incomparáveis é sintoma revelador de alguma secreta simpatia pelo nazismo.

  16. Entretanto, passado este tempo todo, e, segundo afirmam, sendo as provas da acusação a JS irrefutáveis, há por aqui gente trémula, meia avoada, temendo que a justiça não seja bem avinda…ledo e corajoso, JS consome de ódio os que teimam em o ver caído e pávido…tristes destes e da seita de carrascos prontos a guilhotinar a cabeça dos que odeiam, mandando às malvas o Estado de Direito….

  17. eu não branqueio o hitler, vocês é que branqueiam o zézito. aii aii pode ser pode ser mas fez isto e aquilo, aliás, o que fez foi levar o país à bancarrota agarrado às suas alucinações.

  18. e alguma vez um “perdulário , dissipador e esbanjador” tem aptidões para governar um país ? um tipo que não faz ideia do que custa ganhar o dinheiro pq tem uma fada dos dentes escondida no bolso ? obviamente que o resultado final da governação só poderia ser o que foi.

  19. Rato sem tino, o Cavaco e o passos, por incrível que lhe pareça, não resistiriam um ano ao esmiuçar permanente que persegue Sócrates à mais de 10 anos. Cavaco e o BPN, cavaco e a coelha, Cavaco e dias loureiro… Já o passos, suficientemente cobarde e hipocrita para agir via seu alter ego Miguel Relvas… Devolvo- lhe por isso a pergunta… Em vez de andar aqui a chatear, porque não trata antes de investigar???
    Conhece por perguntar ao passos porque razão perdoou 5 milhões de euros ao correio da manha… Será pelos serviços que lhe prestou ap perseguir diariamente Sócrates??

  20. Maria, não entro em teorias. Já lhe tentaram colar muita coisa e nada pegou, se é culpado por alguma coisa, a justiça que investigue. Os mesmos ofendidos que andam aqui a chorar já se fartaram de caluniar o Passos. O mesmo que nem a subvenção aceitou e continua a viver em Massamá.

    Por mim até podem fazer uma estátua de ouro ao vosso ídolo, mas a mim só se me faz sorrir pela ironia.

  21. Para ratazanas de esgoto e filhos da puta atrás do arbusto, não faltam remédios eficazes. Basta trazê-los à luz do dia.

  22. O barão das equivalências cortou-te a avença, criatura do esgoto? A mesada para te peidares por aqui deve ser fraquita, não? E continuas com alergia ao sol, meu querido? Tadinho dele!

  23. E a peida limpas adonde? Na bisnaguita da ratazana? Na língua também? Estão explicadas a gonorreia e as aftas! E a língua tua? Aftas para ti também?

  24. Rato sem tino, não entra em teorias ?? é que até ver, as acusações a Sócrates são tão teóricas como as de passos ou portas; aliás, até menos dado que estes últimos estão implicados em casos cujo tribunal europeu reconheceu existirem…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.