Singularidades lusitanas

Portugal é o único país no Mundo cujo Comandante Supremo das Forças Armadas foge com o rabinho entre as pernas de uma vintena de catraios de 14 e 15 anos empunhando papéis pintados com tinta.

22 thoughts on “Singularidades lusitanas”

  1. Sempre tive apreço por mulheres corajosas. Deuladeu Martins, no cerco a Monção, a padeira de Aljubarrota, com a pá do forno deu cabo de uns quantos espanhóis, Maria da Fonte contra o governo cartista, e várias outras, entre as quais, Maria de Lurdes Rodrigues.
    Refiro Maria de Lurdes Rodrigues a propósito, de numa visita que fez a uma escola de Barcelos, depois de ter conhecimento do ambiente hostil, mesmo assim não deixou de comparecer, tendo-lhe sido inclusivamente arremessado ovos chocos pelos alunos.
    Estas mostraram à saciedade que além de não “os” possuir não tiveram medo de enfrentar e lutar contra os barões do poder. Ao contrário pessoas que usam calças mas deviam usar saias, têm medo de comparecer numa escola ao qual estava convidado, por receio de uma manifestação de alunos, alunos esses que não passam de uns imberbes. Desconfio quando tiver de enfrentar manifestações com homens de barba rija não saiba onde se meter.

  2. há uns meses atrás pedia aos betinhos dos colégios com nomes de santos e demais peças anatómicas da virgem para se indignarem. aquilo na arroio têm bué de rastas e é freak demais para o sistema cavacóide, livrou-se de uns ovos à parker bowles e nos próximos tempos não sai do barraco.

  3. “Ao contrário pessoas que usam calças mas deviam usar saias” – então você acha que as mulheres não são corajosas? acaba de dizer o contrário…
    A gente desculpa a incongruência… mas tomamos nota!
    O homem mete dó!
    É melhor passar os dias na travessa do Pussolo a escrever as suas memórias e a tentar passar despercebido. Ai que estes 5 anos nunca mais acabam!

  4. Mas ia a assustadiça criatura à António Arroio para quê? Para brindar o país inteiro com um desmaio televisionado, esparramando suas fétidas peles no honrado chão da escola? Com o país em crise, não seria mal empregue o dinheiro gasto no batalhão de esfregonas e garrafões de lixívia necessários para eliminar do soalho os infectos resíduos resultantes da dissolução do cagarola… perdão, de Sua Excremência… perdão again, de Sua Excelência?

  5. oh, o que o MP quis dizer foi que é preciso mais homens com ovários. :-)

    (e o CSFA só quis mostrar que o melhor do mundo são as crianças e, por isso, há que respeitar o seu espaço). está tudo explicadinho.:-)

  6. Agora imaginam o estado lastimável da “corajosa” excelência, quando se tornar evidente para toda a gente a abominação que os patos bravos do cavaquismo disseminaram por todas as instituições do Estado, numa perversão inimaginável que atingiu o seu clímax na partidarização da Presidência da República. Até se chegar a este ponto de rotura, ficaram pelo caminho, em fanicos, a justiça, a comunicação social isenta, as polícias de investigação e segurança. Uma máfia tentacular, que nasceu com os rios de dinheiro da CEE, foi crescendo neste país lavrado em 48 anos de fascismo e teve todo o tempo do mundo para medrar nos longos e absolutos anos de cavaquismo.
    Está a tentar-se ocultar este facto histórico incontestável, de contornos cada vez mais nítidos. Episódios como o do BPN são apenas afloramentos da catastrófica saga cavaquista.
    Não é inocentemente que os cavaquistas, senhores de todo o poder económico e, em consequência, de toda o poder da comunicação social, martelam até à náusea que os problemas que actualmente afligem Portugal começaram, exactamente, no pós-1995. Para os António Barreto a Medina Carreira, o período negro da democracia situa-se nos últimos “15/ 20 anos”! E nem precisam de demonstrar.
    Os magistrados subservientes ou rendidos ou impotentes deixam arrastar os processos até à prescrição ou sentenciam de forma suavíssima o esbulho de biliões de euros ao erário público, enquanto se derretem, concomitantemente, centenas de milhões no arrastar desses processos, que ocupam uma legião de magistrados, funcionários judiciais e policias. Para nada!!!Pior, para a prescrição ou absolvição. Quantos anos vai durar o processo do BPN? Tantos quantos forem necessários para não condenar nenhum cavaquista. No EUA bastou um ano para investigar, julgar e condenar o responsável máximo pela falência do gigante financeiro Lehman, o senhor Madoff. Por cá, estão todos muito mais interessados em saber quem apagou mal o incêndio do BPN!!!Não que isto não seja importante, até porque são os mesmos cavaquistas que estão a apagar o incêndio que atearam. Mas é incompreensível esquecer os coveiros do BPN. Por outro lado, se pensarmos que a máfia cavaquista tomou conta do país, já não é assim tanto para admirar. É lógico.
    Quanto isto e muito mais for claro aos portugueses, creio que o actual inquilino de Belém até vai fugir da própria sombra.

  7. o presidente alemão foi de vela por umas brincadeiras mais baratas que as do cavacóide e o corruptor dos submarinos já foi julgado enquanto que em portugal ainda não identificaram os corruptos. a polícia diz que não tem meios, a justiça assobia para o lado e os média estão preocupados com freeportes e estudantes de filosofia.

  8. Segundo o Público, o Presidente alemão, Christian Wulff, renunciou ao cargo por estar envolvido num caso que se prende “com um empréstimo privado, contraído através da mulher de um empresário seu amigo, a taxas mais baixas do que aquelas praticadas pela banca”. Hum… Não seriam antes acções adquiridas através de um “empresário seu amigo” a preço de saldo? Não? Então estou, provavelmente, a fazer confusão.

  9. Os putos estão cada vez mais ferozes.
    Safa, diria a presidencial figura !
    Estão a aprender a não ser piegas e fazem eles muito bem.
    Jnascimento

  10. Portugal é o único país da Europa (cf. o caso exemplar da Alemanha) onde o presidente não se demite depois de uma escandaleira como a dos benefícios pecuniários que ele e a família auferiram num negócio de favor com Oliveira e Costa, o presidente mega-burlão do BPN/SLN. Cavaco já se devia ter demitido há três anos, depois de se ter provado que omitiu factos relevantes e que mentiu descaradamente num comunicado em que declarou que nunca tivera negócios com o BPN (detido a 100% pela SLN) e que as suas acções da SLN, não cotadas na bolsa, tinham sido compradas e vendidas pelo banco gestor das suas “poupanças” e não (como realmente aconteceu) por ele próprio, directamente, ao presidente do BPN/SLN. Cito o comunicado de 23 de Novembro 2008:

    «1. O Prof. Aníbal Cavaco Silva, no exercício da sua vida profissional, antes de desempenhar as actuais funções (nem posteriormente, como é óbvio):
    (…)
    b) nunca recebeu qualquer remuneração do BPN ou de qualquer das suas empresas;
    c) nunca comprou ou vendeu nada ao BPN ou a qualquer das suas empresas.
    (…)
    3. O Prof. Cavaco Silva e a sua mulher têm, há muitos anos, a gestão das suas poupanças entregues a quatro bancos portugueses – incluindo o BPN (…) As alienações de títulos efectuadas pelos bancos gestores …» etc.

    O presidente não só mentiu no comunicado como depois, em declarações adicionais à comunicação social, repetiu as mentiras. Não teve descaramento para processar o semanário que divulgou as provas da sua aldrabice. Mas queixou-se da quebra do sigilo bancário, atrás do qual teria preferido esconder-se, mesmo tratando-se de um banco nacionalizado que estava a ser investigado pela justiça, nomeadamente por todas as operações ilícitas e tratamentos de favor que contribuíram para a bancarrota do banco.

    Os benefícios de favor, logo ilícitos, que o presidente alemão auferiu num crédito bancário concedido por amigos foram o suficiente para o obrigar a demitir-se. Mas na Alemanha há uma comunicação social que não larga os políticos corruptos.

    Já nem falo do caso escabroso das “escutas” a Belém, em que Cavaco estava ao par da manipulação vigarista que Fernando Lima e o Público tentaram levar a cabo – e isto ao mesmo tempo que o primeiro-ministro Sócrates estava, ele sim, a ser alvo de escutas e gravações ilegais.

  11. se calhar foi para evitar que a história se repetisse, a polícia já veio confirmar que os netos do alberto martins andam na arroio.

    «…Na manhã de 17 de Abril de 1969, em frente ao Edifício das Matemáticas, milhares de estudantes mostravam palavras de ordem “Ensino para todos”, “Estudantes no Governo da Universidade”, “Exigimos diálogo”.
    No interior do Edifício, Alberto Martins, Presidente da DG/AAC pede a palavra ao Presidente da República, Américo Tomás “Sua Ex.ª, Senhor Presidente da República, dá-me licença que use da palavra nesta cerimónia em nome dos estudantes da Universidade de Coimbra?” A palavra foi-lhe negada e a cerimónia terminada abruptamente…»

  12. « Ao contrário pessoas que usam calças mas deviam usar saias», de um tal Manuel Pacheco.

    São as calças que dão, portanto, a virilidade aos gajos dos tomates? As saias por sua vez são a ilustração da inferioridade desse ser que «se calhar» só serve para abrir as pernas para o lado – a mulher! É isso que devo retirar de tão estranha afirmação?

    Pode esclarecer-me se faz favor? Se eu tiver razão nas minhas ilações, só posso, assim, chamar paneleiros aos escoceses, e a outros que gostam de usar calções – uma espécie de saias mas fechadas ao meio. As mães, essas, coitadas, têm que passar a usar só calças, para que se lhes reconheça força. Não conta, é claro, o momento em que nos estão a parir, que aí estão com a patareca à mostra.

    Diga-me, então, que estou enganado, se faz favor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.