Selecção, quo vadis?

A possibilidade de entregaram a Selecção ao Paulo Bento é funesta, o nome de Humberto Coelho é grotesco e a sugestão de Luis Aragonés é causa atendível para defenestrar alguém.

Os únicos nomes que se admitem para substituir Queiroz são estes:

Carlos Carvalhal – Estava a conseguir fazer um bom trabalho após ter descoberto que podia obrigar Adrien e Pereirinha a jogarem futebol, mas depois chegou Costinha e deu cabo da equipa.

Manuel José – É o Rei de África. Um autêntico mister. Seria a sua merecida despedida da carreira.

Quinito – O treinador ideal para equipas em piloto automático.

9 thoughts on “Selecção, quo vadis?”

  1. O Paulo Bento faz correr o risco de Portugal ter uma selecção de jogadores escolhidos pelos treinos e não pelos jogos, como fazia no Sporting. Seria o apogeu do delírio e da alucinação.

  2. Ó faz favor, o Quinito é filho do Quino? Então pode ser porque se é para nos rirmos pelo menos que seja por boas razões…

  3. O rapaz Paulo Bento do risco ao meio e da tranquilidade? E esse Humberto Coelho, por onde tem andado?
    Será que a federação vai às compras à feira do relógio?

  4. Notícia de ùltima Hora: Moody`s considera “encorajador” o despedimento de Queiroz e pondera subir notação de “rating” da Selecção Nacional (para mais pormenores ver http://www.levezaliedson.blogspot.com/ )

    Em relação ao futuro selecionador, continuo a escolher a opção inicial do Val: Paulo Sérgio, pois claro! Isto, evidentenemente, desde que o Bettencourt garanta que não vai contratar o… Queiroz. É que para pior, já basta assim! Saudações leoninas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.