Segredos mal guardados das presidenciais

Cavaco deixou assustados os seus mais fiéis apoiantes.

Passos deixou assustada a sua oposição interna.

Portas entregou o ouro ao bandido.

Louçã partiu um dos pés de barro.

O PCP continuará a tentar ser Presidente da República.

Nobre não resistiria mentalmente a mais uma semana de campanha.

Coelho começou o ataque ao poder no arquipélago pela conquista dos selvagens.

Sócrates foi o único vencedor.

10 thoughts on “Segredos mal guardados das presidenciais”

  1. Primo: todos os segredos que apontas são (para variar, né) maravilhosamente bem esgalhados. Mas há dois em particular que são, como dizer, do caralho:

    – a do Nobre. Concordo com o Tuby: nem sequer mais uma semana. Aliás, o Nobre mudou fisicamente de uma forma drástica: está um trapo. E o olhar dele, então, apagou-se por completo.

    – a do PCP. Para além de ser verdade, é genuinamente assustador.

  2. Claro que há sempre alguém que ganha, mas o país perde. No tempo que corre, cheio de dificuldades, o país bem precisava de um Presidente forte, capaz, mobilizador, que visse além do Bugio. Prescindir dessa força catalisadora em troca de um hipotético sossego, é (foi) uma opção muito pobrezinha. Estes pontos de não retorno são construídos, ou não?

  3. Dá que pensar… no caso do Nobre, se umas semanas de política o deixaram neste estado, o que faria cinco anos? Apesar de tudo, o Cavaco, quando se irrita, o que acontece cada vez mais, também fica com um certo ar tresloucado. Mas esse ponto é comum a tantos outros homens santos.

  4. Um amigo meu diz que o mau resultado de Defensor Moura tem a ver com o seu ódio à Festa Brava. Por isso ficou em último. É capaz de ter algo de verdadeiro. Talvez por isso não foi a Santarém. Ou foi e eu não dei por ele?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.