Público adopta modelo do dr. Relvas

Das várias inovações no campo da comunicação social que a existência do dr. Relvas como ministro trouxe para a sociedade, desde a sua peculiar relação com a liberdade de imprensa e a privacidade dos jornalistas até à sua permanência no Governo estar agora indexada ao grande negócio da venda da RTP, uma das mais curiosas e mais rápidas decisões foi a censura de Estado sobre o património de intervenções públicas do anterior Executivo. Faça-se o teste: ir aqui e carregar em MENSAGEM DE NATAL DO PRIMEIRO-MINISTRO NA ÍNTEGRA. Depois aferir o resultado e tirar algumas conclusões (mas só se for caso disso, não é obrigatório).

Assim como o dr. Relvas tratou de boicotar o acesso de milhares e milhares de páginas às fontes para as quais tinham ligação, assim o Público acaba de imitar o feito e varreu milhões de links que ligavam milhões de pessoas. Como isto foi feito a propósito do lançamento da nova versão do seu website (já agora, uma desilusão), e como esse lançamento foi embrulhado em profecias de gurus que nos avisaram para radicais mudanças no que é hoje a Internet, é provável que no futuro a Internet abdique por inteiro do hipertexto e da interactividade e se concentre no trabalho de refundação do mundo como se não houvesse amanhã nem, em especial, ontem.

3 thoughts on “Público adopta modelo do dr. Relvas”

  1. uma actualização relativamente à problemática que levantas – ‘RT @Publico: Agradecemos todo o feedback que possam dar. A questão dos links antigos também está a ser resolvida. Os short url devem funcionar.’

  2. Também não percebo a ideia de mudar o que está bem. Mudar por mudar? Mas para quê? Tivessem poupado esse dinheiro para pagar o ordenado ao António Marujo que era das poucas razões porque valia a pena comprar o jornal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.