Proverbial

A necessidade de pôr as contas públicas em ordem impede o Governo de assumir a possibilidade de baixar os impostos até 2016, o que implica não reduzir a carga fiscal para famílias e empresas durante esta legislatura. Quem o admite é o Executivo, no Documento de Estratégia Orçamental para o período 2012 a 2016.

Fonte

__

Os partidos que juraram ser melhor a troika do que o PEC IV, que juraram ter a situação económica toda estudada de trás para diante pelas suas brilhantes cachimónias, que juraram ir acabar com os sacrifícios impostos pelos xuxas, que juraram só cortar gorduras e deixar músculos formosos e nervos intactos, que juraram ser a crise dos mercados um problema apenas moral a ser resolvido logo que se trocasse os gatunos rosa pela gente séria do laranjal, que juraram não ser preciso aumentar impostos ou cortar salários assim que fossem Governo, são os mesmos que mais mentem aos portugueses, e com pleno à-vontade e gozo, desde que há memória de mentirosos a mentirem em S. Bento.

Tinha de ser assim? Tinha, os provérbios nunca se enganam.

One thought on “Proverbial”

  1. Diz a besta: “os Subsídios de Férias e de Natal regressam [já] em… 2 018”!!!!

    Faltou informar, em primeira mão, que o Aeroporto de Lisboa estará construído em 2 025, o TGV em 2 030 e, finalmente, que Portugal voltará aos “mercados financeiros” em 2 035 e a ter crescimento económico em… 2 040!!

    Já para não falar na situação técnica de PLENO EMPREGO, que será já atingida em 2 050! As contas do mago Gaspar não falham…

    E depois disso, já se sabe: o Povo bruto esquece a lição e volta a pôr o Sócrates no Governo, lá para 2 060, e ele vem e estraga tudo outra vez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.