Prefere ser cúmplice de racistas, xenófobos e salazaristas

«O candidato à liderança do PSD Luís Montenegro promete não descaracterizar o partido ou ultrapassar “linhas nucleares” em relação ao Chega, mas avisa que não será “cúmplice da perpetuação do PS no poder”.

Na proposta de estratégia global entregue esta quinta-feira na sede nacional, intitulada “Acreditar”, o antigo líder parlamentar do PSD refere-se expressamente ao partido Chega no capítulo dedicado ao posicionamento político do PSD.

“Nesse trabalho, de ampliação da nossa base eleitoral, nunca ultrapassaremos as linhas nucleares dos nossos valores e princípios. Mas não contem connosco para distrair o PSD com discussões estéreis a propósito de um imaginário e extemporâneo diálogo com partidos como o Chega. Fazê-lo é fazer um frete ao PS”, afirmou, na única passagem da moção de 66 páginas em que se refere expressamente ao partido liderado por André Ventura.»


Montenegro sobre Chega: “Não vou ser cúmplice da perpetuação do PS no poder”

41 thoughts on “Prefere ser cúmplice de racistas, xenófobos e salazaristas”

  1. olha que cabrão, critica mas não rejeita e faz mais e pior: critica e não rejeita para colher vantagem perante o governo que não é o mainstream que ele quer. ó cabrão, eu logo ouvi que tens voz de pulha encartado e de oportunista roto. azeiteiro.

  2. eu traduzo , pelo menos foi o que percebi : esse senhor , se for preciso , fará acordos com o chega ( desde que não exija a expulsão de ciganos ou a ressurreição do salazar , suponho que são os tais limites ) para formar governo , inaugurando uma nova era da carroça à direita , imitando a geringonça à esquerda com o execrável e perigosos berloque de esquerda e o pcp , partidos nazis e putinistas , do ps ….portanto , qual é que é mesmo o problema ?

  3. espera…
    “cúmplice de racistas xenófobos e salazaristas” COMO O MÁRIO MACHADO?????????

  4. A aliança com o CHEGA é inevitável para impedir que Putin invada Lisboa
    Só não vê quem não quer. Chorem putinistas.

  5. https://observador.pt/2022/05/10/bom-petisco-procura-rasto-de-lata-de-atum-que-tera-sido-encontrada-em-racao-de-combate-do-exercito-russo/

    Bora exigir imediatamente uma comissão parlamentar de inquérito para descobrir o/a/os/as putinista/s responsáveis pelo excelente contributo luso para a componente proteica da dieta moscovita. E uma queixa imediata ao Ministério Público. E um abaixo-assinado a exigir o Rosário Teixeira à cabeça da investigação. E outro a exigir o Carlos Alexandre a fazer a instrução. Porque está na cara, meus e minhas, que um russo com tal alimentação de excelência fica em muito melhores condições físicas e anímicas para matar ucranianos, pelo que o caso configura o crime de cumplicidade para o cometimento de homicídio, genocídio, crime de guerra, tortura, etc. e tal. Não é Carnaval, é mesmo para levar a mal!

    Cona da foda-se, estes idiotas perderam completamente a noção do ridículo, querem transformar-nos na chacota da galáxia! Puta que os pariu!

  6. “Bora exigir imediatamente uma comissão parlamentar de inquérito para descobrir o/a/os/as putinista…”

    sempre atrasado e ultrapassado pelos acontecimentos, o comuna antónio filipe já tinha escrito essa piada ontém e entretanto meteu a viola no saco para acabar com a música.

    https://twitter.com/AntonioFilipe/status/1524687775634804738

    aconselho-te a leitura, encontras lá bués de ideias giras para martelares nos teus fardos de palha.

  7. um problema grave é isto , não consigo perceber como estas parcelas todas somadas deram este resultado….

    liberalização mercado energético +concorrência+preços mais baixos + venda da edp+ investimento no “milagre verde”+ carros eléctricos = energia tornou-se um luxo+cidadãos andam ao sabor da vontade de lucro das empresas de energia

  8. “… não consigo perceber como estas parcelas todas somadas deram este resultado….”

    vai dar uma volta ao cabo da moca, pode ser que encontres o mula russa e ele dá-te o linque rt com a explicação.

  9. E a merda do pide porcalhatz pensa que eu não tenho mais nada para fazer senão fiscalizar os comunas que ele já fiscaliza, porque é essa a função dos pides, além de me fiscalizar a mim e a todos os que lhe perturbam a digestão dos donos.

  10. eu não fiscalizo nada, tampouco ando a plagiar notícias de merda plantadas por comunas para desviar atenções do fundamental: invasão de um estado soberano com vista à sua anexação e genocídio dos patriotas que se oponham.
    inútil de merda repete à exaustão comentários e opiniões alheios depois de reciclados na putinadora doméstica adquirida na feira das relíquias soviópticas do enclave do seixal.

  11. e os amigos turcos que dizem não permitir a entrada da suécia e da finlandia na nato? é putinistas por todo o lado, pá

  12. se alguém quiser ver com os seus próprios olhos o que são os tais valores ocidentais de tolerância e respeito que a NATO tão gentilemente defende basta pôr os olhinhos no video do funeral da jornalista da al-jazeera assassinada pelo exército israelita.
    não é para estômagos sensíveis, aviso já

  13. o Eu mesmo não anda por aí ? queria -lhe contar que houve um aumento de 20% nos óbitos em Abril deste ano face a Abril de 2021 , sendo que desses 20% (5% morreram de covid , os outros 15 % não nos dizem ) …. e tão vacinados que estavam os mortos , credo , não se percebe , realmente.

  14. Pide merdoso, um dia destes não vais conseguir esconder-te a tempo na retrete pública do instituto público onde publicamente te privatizam a pública peida e acabas a fiscalizar os ossos da tua própria tromba, a ver se sobrou algum inteiro, mas olha que não, mariconço, olha que não. E se acaso estou a plagiar algum comuna que já te fez a mesma promessa, lá terei de decidir com ele, cara ou coroa, quem será o primeiro a cumpri-la.

  15. ahhh, saudades de quando os peritos russos eram credíveis e o putin um amigo do sócrates.
    bons tempos!

  16. peritos russos credíveis e o pudin amigo de sócrates, deve dar ao domingo naquele pugrama da paulette na tvi. manda nudes que a malta acredita.

  17. O ovo da serpente continua a ser chocado, com amor e carinho, à sombra dos sacrossantos valores democráticos ocidentais, aqui em Letónia style.
    ________________________________

    MP suggests turning Soviet war memorial into prison
    Published: 13 May 2022 | 11:40 GMT

    Latvian lawmaker says that people laying flowers at a World War II memorial in Riga should be deported to Russia

    Veteran Latvian lawmaker and nationalist politician Alexander Kirstein has said that people laying flowers at a World War II memorial in Riga, in defiance of city authorities, should be incarcerated at the site and then expelled to Russia. His proposal, made on Twitter on Wednesday, targets locals who oppose their government’s stance on Russia.
    The monument to Soviet soldiers who liberated Riga from Nazi occupation, serves as a focal point for yearly acts of protest in Latvia. Nationalists consider the memorial a legacy of the subjugation of their nation to Moscow, while people who cherish Latvia’s Soviet past flock to it every May 9 to commemorate the war victims with flowers.
    This year the standoff was particularly intense, as city officials erected a fence around the monument, draped in the colors of national flags of Latvia and Ukraine, both as a security measure and a gesture of protest against the Russian attack on its neighbor. They then used a bulldozer to dispose of the flowers on May 10, angering those who’d left them and prompting some to come back with more tributes.
    Kirstein, a veteran lawmaker who also briefly represented the country at the European Parliament after Latvia’s accession in 2004, suggested that the encircling fence could serve a more practical purpose.
    “Everyone bringing flowers should have been allowed in, but the exits had to be closed. Next, install guard watchtowers and toilets, deliver porridge, and only allow out those, for whom the Russian embassy buys a one-way ticket to Moscow!” he tweeted.
    Latvia formed part of various European powers, including Russia, before making a bid for sovereignty amid the collapse of the Russian Empire in the early 20th century. This was cut short by World War II, which ended with Latvia and fellow Baltic states, Lithuania and Estonia, becoming part of the USSR.
    Its current government considers that historic period a time of Russian occupation, despite the fact that the Soviet Union was a multi-national construct, whose two longest serving leaders were Georgian and Ukrainian. It now honors those who pursued independence from Moscow, including some who collaborated with the Nazis in to achieve their goals.
    A large chunk of Latvia’s population are descendants of ethnic Russians, many of whom disagree with this perception of the past and use events like the Victory Day commemoration to protest against it.
    Russian foreign ministry spokesperson Maria Zakharova lashed out at Kirstein, suggesting his remark was not funny whatsoever. “This is the very same Nazism that supposedly does not exist” in Latvia, she said. The Russian official added that the lawmaker’s words should be of interest to Latvian courts and to international organizations tackling hate speech.
    The MP’s comment came just as the Latvian parliament was gearing up to vote for a bill that would give the Riga government a legal justification to demolish the controversial monument.
    Lawmakers overwhelmingly supported the move on Thursday, though some opposition MPs suggested that it was a political stunt meant to drum up public support for nationalist parties ahead of a general election in October.

    MP suggests turning Soviet war memorial into prison https://www.rt.com/russia/555422-latvian-mp-prison-camp/

  18. e continuam, ótriralaré, ótrilará, a pastar na caravana, os merdas putinistas que preferem ser cúmplices de racistas, xenófobos e salazaristas. ide apanhar sabonetes com o cu – assim depois as bufas, pelo menos, fazem bolinhas menos fedorentas. !ai! que riso

  19. reiniciem-se, humanóides, pode ser que um dia possam vir a ser simplesmente humanos com reacções emocionais positivas perante os que sentem a dor da invasão. humanóides de aço de cócoras com sabonetes. !ai! que imagem tão justa e risível

  20. se a ignorância é felicidade a olinda deve ser mesmo a pessoa mais alegre do mundo.
    pena ser tão racista

  21. olinda, de braço dado com o mário machado:

    ” os merdas putinistas que preferem ser cúmplices de racistas, xenófobos e salazaristas”

  22. sai mais um fardo de palha da tal televisão russa que a comunada, pensante com a própria cabeça, não dispensa para se manter actualizada sobre as constantes mudanças de opinião do pudin.
    metias só o linque e poupavas no espaço, o resultado era o mesmo porque ninguém lê essa merda.

  23. o idiota de turno queria que um primeiro ministro português tivesse ido a moscovo insultar o chefe de estado russo.
    essa é de 2007, mas se procurares no correio da manhã, antes de cristo 181-139, talves encontres qualquer coisa no governo do viriato, mesmo assim dúvido.

  24. hahahahhahahaha afinal em 2007 o putin não era ditador nem autoritário nem fascista nem queria invadir lisboa! ufa, que alivio.
    e realmente se eu falei do socrates, a noticia devia ser de 2021, porque o socrates é super relevante agora na politica portuguesa não é? pelo menos em posts aqui na chafarica, parece.
    e também parece que a unica coisa que o socrates podia fazer era ou defender boa vontade para com os russos ou insultá-los. não havia mais alternativas, nem sequer a aristotélica!
    hehehehehhehehehe foda-se, quem é esta gente!?!!?!!

  25. “Estamos na era dos anões. A única boa notícia é que chegámos até aqui inteiros porque havia outra era – a dos grandes estadistas que tinham tanto imaginação como coragem”, dizia o putinista americano Thomas L. Friedman em 1998, em entrevista George Kennan. Estávamos então e continuamos a estar. Anões e ceguinhos. E vão enterrar-nos a todos.

    https://aviagemdosargonautas.net/2022/05/13/a-guerra-na-ucrania-alguns-antecedentes-relacoes-externas-agora-uma-palavra-do-senhor-x-por-thomas-l-friedman/

    Thomas L. Friedman entrevista George Kennan
    The New York Times, 2 de Maio de 1998

    Extractos:

    “O que me incomoda é o quão superficial e mal informado foi todo o debate no Senado”, acrescentou Kennan, que esteve presente na criação da NATO e cujo artigo anónimo de 1947 na revista Foreign Affairs, assinado “X”, definiu a política de contenção da guerra fria da América durante 40 anos. “Fiquei particularmente incomodado com as referências à Rússia como um país desejoso de atacar a Europa Ocidental. Será que as pessoas não compreendem? As nossas diferenças na Guerra Fria foram com o regime comunista soviético. E agora estamos a virar as costas ao próprio povo que montou a maior revolução sem derramamento de sangue da história para eliminar esse regime soviético.
    “E a democracia da Rússia está tão avançada, se não mais, como qualquer destes países com que acabámos de nos comprometer a defender da Rússia”, disse o Sr. Kennan, que entrou para o Departamento de Estado em 1926 e foi embaixador dos EUA em Moscovo em 1952. “Isto mostra uma tão fraca compreensão da história russa e da história soviética”. Claro que vai haver uma má reacção da Rússia, e então [os partidários da expansão da NATO] dirão que sempre vos dissemos que os russos são assim – mas isso está simplesmente errado”.
    (…)
    Mas há uma coisa que os historiadores do futuro certamente comentarão, e que é a absoluta pobreza de imaginação que caracterizou a política externa dos EUA do final da década de 1990. Notarão que um dos acontecimentos seminais deste século teve lugar entre 1989 e 1992 — o colapso do Império Soviético, que tinha a capacidade, intenções imperiais e ideologia de ameaçar verdadeiramente todo o mundo livre. Graças à determinação ocidental e à coragem dos democratas russos, esse império soviético desmoronou-se sem um tiro, dando origem a uma Rússia democrática, libertando as antigas repúblicas soviéticas e levando a acordos sem precedentes de controlo de armas com os EUA.
    E qual foi a resposta dos Estados Unidos? Foi expandir a aliança da guerra fria da NATO contra a Rússia e aproximá-la das fronteiras da Rússia.
    Sim, diga aos seus filhos, e aos filhos dos seus filhos, que viveu na era de Bill Clinton e William Cohen, na era de Madeleine Albright e Sandy Berger, na era de Trent Lott e Joe Lieberman, e que também esteve presente na criação da ordem pós guerra fria, quando estes Titãs da política externa juntaram as suas cabeças e pariram… um rato.

    Estamos na era dos anões. A única boa notícia é que chegámos até aqui inteiros porque havia outra era – a dos grandes estadistas que tinham tanto imaginação como coragem.
    ___________

    O autor: Thomas L. Friedman [1953-] é um comentarista político e escritor estado-unidense. Ganhou três vezes o Prémio Pulitzer e é colunista semanal do The New York Times. Tem escrito muito sobre assuntos externos, comércio mundial, Médio Oriente, globalização e questões do meio ambiente.

  26. “Lieber Karl,
    Warum sind Sie gegen den Kapitalismus? Und warum schämen sie sich, westlich zu sein? Mit dieser einstellung isst du nicht mehr auf meine kosten. In Russland wird ein großer anhänger von Ihnen, unserer doktrin namens Putin regieren, der dem kapitalismus ein ende bereiten wird. Die portugiesischen kommunisten werden seine großen liebhaber sein. Putin! Putin! Putin!”
    F. Engels – Correspondência entre Marx e Engels – Editora Cagalhão

  27. E porque é que a Turquia havia de abdicar da sua soberania e da sua segurança interna para a Finlandia e a Suécia, albergues de terroristas, poderem entrar na NATO?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.