22 thoughts on “Perguntas simples”

  1. A Pergunta que importa neste momento é mais simples ainda:

    Será que devemos votar num Primeiro Ministro, num Governo e num Partido (o PS) que proclamou alto que tinha resolvido o problema do deficit?

    E hoje, depois da folia de 2009, sabe-se que para 2010, em vez dos 6,9 temos um deficit de 8,6, depois de um orçamento de rigor e 3 PECs cujos primeiros efeitos estão a aparecer agora …

    Portanto, a pergunta fulcral não é mais sobre o passado mas sim sobre o futuro. Será que este PS merece conduzir os destinos do país?

    A resposta racional só pode ser não…

  2. (A essa nunca ouvi responder, à esquerda como à direita, de forma convicta. Acho que é um feeling semelhante ao dos sócios do Sporting nessa matéria das alternativas…)

  3. # Teresa

    A alternativa pode não ser melhor, mas pior é difícil…

    Para além de que agora, com o FMI e a UE já virtualmente instalados, não há muito a perder…

    Portanto Teresa, eu sei que a esperança é um bem de luxo ultimamente, são 13 anos com o PS e com estes resultados brilhantes, mas coragem!

  4. Acusar o PS? Mas de quê? Ora deixa lá ver: 700.000 desempregados? De ter posto o país na bancarrota? De ter martelado as contas públicas? De ter agravado as desigualdades sociais ( O índice de Gini de Portugal é superior ao do Egipto e próximo do da Jordânia e do Iemen, comparando com países que estão na moda)? De ter dado de mão beijada aos grandes grupos económicos muitas dezenas de milhares de milhões só nas ppp? De ter alterado para pior todos os subsídios sociais? De ter mantido a economia com taxas de crescimento baixíssimas? De ter demagogicamente diabolizado os funcionários públicos, profs e juízes sem ter resolvido nenhum dos problemas crónicos destes sectores? De ter permitido a praga dos falsos recibos verdes? De ter espalhado bóis como uma mancha de óleo na água? De ter o Val como capacho de serviço 24/24 horas?

  5. Difícil?? Meu caro(a) para pior é sempre fácil… Difícil é fazer melhor. Nunca ouviu o ditado: ‘Atrás de mim virá quem de mim bom fará?’. Quem se deve estar a rir hoje é o Santana Lopes…

  6. O problema é mais preocupante que isso. Como pode o PSD ser governo quando apresenta um punhado lugar comuns como se de um programa de governo se tratasse? Vamos bem vamos!

    Se calhar não propõem mais nada para não se contradizerem 15 minutos depois.

    Já deve muitos a pensar “Who’s framed by rabbit”?

  7. Jaime Santos, o Santana Lopes…. ???????

    a minha alma está parva…

    Ó mp, não te estas a esquecer de nada?????

    O Benfica este ano nao vai ser campeao, bardamerda o socrates…

  8. Bem visto, se calhar tem a ver com os sucessivos lideres do PSD pós-Cavaco. Deixa-me fazer uma análise profunda:

    Fernando Nogueira – Fail!

    Marcelo Rebelo de Sousa – Fail!

    Durão Barroso – Win! GTFO!

    Santana Lopes – wtf? Pwned. Fail!

    Marques Mendes – Fail!

    Luis Filipe Menezes – LOL! Fail!

    Manuela Ferreira Leite – Fail!

    Passos Coelho – STFU! Fail?

    Não. O curriculum não é, realmente, famoso.

  9. Pois. Podem tirar Cavaco da liderança, mas não podem tirar a liderança a Cavaco. É a maldição da múmia, quem vai para aquele lugar sagrado não fica lá muito tempo.

  10. Caro mp, apesar de ter enumerado apenas uma pequena parcela das misérias semeadas em tão pouco tempo por este clube de mitómanos e vigaristas que é o governo português, gostei sobretudo do argumento:

    “De ter espalhado bóis como uma mancha de óleo na água”

    Será que se estava a referir aqui há malta do aspirina da bajulação ou àquele ministro Pinho dos Corninhos?

    É um prazer ler os seus posts. São muito educativos aqui para a ovelhada do rebanho socrático. Obrigado

  11. Vamos então ser rigorosos: o PS governou sózinho em 12 anos (não 13) dos últimos 15 (não 16) e o PSD governou sózinho em 10 anos e acompanhado em 3 dos últimos 25. Não sei o que terá maior influência no estado em que nos encontramos.

    Mas estes gráficos incontestados (http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=386210) talvez ajudem a esclarecer as dúvidas, pelo menos para quem quer conhecer mesmo a realidade e não os mitos da propaganda.

  12. O que interessa que Cavaco Silva (e o PSD) seja “mais graduado” em culpas do que aquele(s) a quem acusa(m), até à mais abjecta náusea, de ser(em) o(s) culpado(s), é isto o que não lhe “interessa”? Por mim, à-vontade. Cada qual pode servir-se daquilo que mais gostar de comer…

  13. Pelo contrário, a mim o que me interessa mesmo é se o próximo Governo pode ser melhor, igual, ou pior do que o actual. Tendo como referência máxima de qualidade aquele que governou naquele períodozinho final do gráfico, entre 2005 e 2008. Isso é mesmo o que me interessa. A propósito: e se o PS ganhar as Eleições, com maioria absoluta ou quase, acha que o Cavaco deve demitir-se? Hã?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.