12 thoughts on “Perguntas simples”

  1. vai·pe
    (origem obscura)
    substantivo masculino
    [Informal] Decisão, acção ou alteração repentina (ex.: deu-me um vaipe e resolvi pintar o cabelo; de vez em quando tem uns vaipes estranhos). = IMPULSO

    “vaipe”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/vaipe [consultado em 04-06-2016].

  2. Ó Val, aplica-se a tanta coisa…
    Pode ser um repente do Passos Coelho.
    Pode ser um número de telefone.
    Pode ser um vaipe afectivo do Marcelo.
    Ou aplicado ao Assis que vaipe lo tacho.

  3. Vaipe – Mais uma mentira de Passos

    Acho q cena é mais comportamental, alteração repentina do que estava estabelecido ou do q se esperava no comportamento de outrem, ou do próprio, originada por circunstâncias que podem ou não ser alheias a sua vontade. A esta luz e no contexto da frase do Grande chefe vermelho Jerónimo interessa analisar não só o recurso à gíria( fala sempre com recurso a giria ou a ditos pop, sedução do receptor) mas também, ao considerar o normal como excepcional no comportamento de Passos, o respeito institucional conservador (conformismo com o status quo). Já não ha revolucionários a sério.
    Oh! Captain, my captain

  4. Toda a gente sabe o que é um vaipe, mas creio que nunca esse termo tinha sido utilizado em política – para mais, ao nível de um Jerónimo a falar do dirigente máximo de um outro partido. Todavia, fica bem, dado o uso populista e estouvado de um vocabulário chunga por parte de Passos.

    Agora, o que é um vaipe? Isto é, donde raio, e quando, é que a palavra nasceu?

  5. A primeira vez que ouvi a palavra foi através de uns amigos que tinham vindo das ex-colónias, neste caso de Mozambique. Nunca soube a origem, se é a corruptela de um anglicismo (muito comum por aquelas terras) ou se, inclusive já apanharam por ca, o que acho pouco provável. Ha quem diga que é um galicismo, não sei.
    O que se pode analisar através desta palavra é o Jerónimo. No caso, a utilizaçao ate me parece benevola, tem que haver inscriçao em politica, um idiota que fez o que Passos fez é um idiota nao o cargo que ocupa. Respeito Institucional qb.
    Para alem disso Jeronimo merece uma analise mais fina do que o olhar viciado proveniente da perspectiva mais estupida de hoje, a jornalistica ou a do preconceito ideologico. Apesar do júbilo do Congresso do PS pelos 6 meses de Governo, este não existiria sem o PC. O passo não deve ter sido fácil mas ele deu-o.

  6. ah… afinal sabias o que é, mas desconheces a origem da palavra. existem várias opiniões, mas acho que o jorge jesus aludia ao trauma do passos com o irreversibilidade do vaice-presidente e abreviou para vaipe. as elites de pirescôxe usam o termo depreciativòapocopado para “vai-a-pé” em vez de mandar um gajo à merda. portantes sobra para todos os gostos. não tens de quê.

  7. olha eu acho que, como gíria juvenil, há-de ter começado pelo ouvido. a malta em vez de vibe percebia vipe e assim ficou. bem visto, um vipe é uma vibe que vive rápido. :-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.