Os loucos tomaram conta do asilo

Questionado se as críticas que têm sido feitas não poderão vir a ser prejudiciais ao PSD, o empresário refutou qualquer efeito negativo, classificando-as mesmo como “excelentes”.

“As críticas vêm sobretudo de pessoas que ficaram preocupadas, aborrecidas, tristes, pelo facto do doutor Fernando Nobre aparecer nas listas do PSD, o que significa que teve um efeito político imediato em todas as áreas da esquerda”, afirmou o antigo ministro, que é bastante próximo do líder social-democrata, Pedro Passos Coelho.

Desta forma, acrescentou, “as críticas feitas são proporcionais à importância” da presença de Fernando Nobre nas listas do PSD, ou seja, “são positivas”.

Ângelo Correia

12 thoughts on “Os loucos tomaram conta do asilo”

  1. Sim, abelhinha. Portanto, os que votaram nele, apesar de tristes e aborrecidos, vão votar no PSD, onde ele agora está.
    Whatever.

  2. E a malta do PS devia-se calar agora bem caladinha. Afinal, uma das máximas em politica é: se o teu oponente se prepara para dar um tiro na cabeça, não te metas entre ele e a pistola.

  3. O angelinho, da inssurreiçao dos pregos quado foi ministro da administraçao interna (in illo tempore) sonha agora com milagres. O homem n enxerga que a criatura é pior que o criador. Um está feito para o outro. Logo duas coisas iguais a uma terceira são iguais entre si. É tudo da mesma massa. Medíocre, mole como a lesma, e sem ideias.

  4. “…que significa que teve um efeito político imediato em todas as áreas da esquerda”

    Claro, são de esquerda, o “boxeur” Morais Sarmento, o Proença de Carvalho, que disse: “Disseram-me que Fernando Nobre seria cabeça de lista do PSD por Lisboa (ainda por cima onde eu voto). Pensei que estavam a brincar. Pelos vistos, não estavam. Nem sei bem o que dizer. Só me ocorre uma coisa: endoideceram ou estamos a falar de uma estratégia muito à frente (estilo Jorge Jesus)? Se calhar sou eu que não percebo nada disto. Deve ser isso… Só pode!
    Depois não venham dizer que os Portugueses se deixam enganar por Sócrates ou lamentarem-se pelo ressuscitar de dois dígitos do CDS.
    Francisco Proença de Carvalho “,
    o Luiz Filipe Leitão,
    o Pedro Marques Lopes, que entre outras coisas disse: “…Sonhei que o PSD tinha anunciado Fernando Nobre como cabeça de lista por Lisboa e que o combatente impiedoso contra os políticos, o homem que excluía em definitivo um cargo de nomeação político-partidária (apesar de se rever nos ideais do Bloco de Esquerda), o lutador contra os que querem um Estado mais pequeno, seria o candidato dos social-democratas a Presidente da AR. Malditos pesadelos.”
    entre muitos outros, todos de “esquerda”…

  5. Só já há dinheiro para 3 ou 4 semanas diz o ministro das finanças.

    Mas é mentira porque já há muitos anos que não temos dinheiro nosso!

    Vamos é exigir que sejam julgados e postos na rua os responsáveis.

  6. Ó Vega9000 a tua observação, na sua simplicidade, é duma tão grande pertinência que … só me apetece pedir-te que apareças mais vezes!

  7. Quanto ao Sportinguista Ateu, também lhe peço que continue a aparecer mas por razões opostas às que acima referi. É que a pobreza de espírito, em doses certas, também serve para desopilar!

  8. Dito por uma amiga que dedicou 14 anos de vida, em regime de voluntariado, ao lado do Dr. Fernando Nobre: “Mesmo respeitando o absurdo da candidatura dele à Presidencia da Républica, conseguiu reunir em torno de si, os amigos e colaboradores que durantes anos a fio admiram (e continuam a admirar) o seu trabalho idóneo e altruista na AMI. E quando nos convenceu que a sua candidatura serviria para agitar os portugueses, da sua letargia comodista, de que só nos partidos politicos existia espaço para uma participação activa de cidadania sem complexos de doutrinas ou estratégias politicas calculistas. Fomos todos atrás de um sonho, que ao inicío tinha aspecto utópico e romãntico, mas com o tempo e galopantemente, tornou-se num libertar de sensações genuinas, e a entrega dos seus amigos e admiradores, foi total e sincera.

    Os resultados foram arrebatadores, e todos sentiram-se responsaveis pelo que se acreditou que se tinha alcançado, não a 3ª via, mas sim uma via de verdade e de exigência pela responsabilidade que aos cargos publicos se exigem. Se nos lembrarmos do seu ultimo discurso, parecia que tudo estava encaminhado para que de facto existisse uma reserva e esperança na forma comos os portugueses viam a politica e os politicos. Tudo graças ao Dr. Fernando Nobre, que nem precisou de montar um hospital de campanha, para conseguir tal façanha. Os tempos eram de confiança e de esperança.

    Ainda hoje, amigos comuns conversam atónitos sobre o porquê de tal viragem de atitude que só merece uma única apreciação, traição.

    Parafraseando Jaime Balmes, quando diz que “Basta o esquecimento de uma única circunstância para nos levar ao erro”, temos de dizer que o Dr. Fernando Nobre, não foi honesto na sua decisão quando se esqueceu das expectatativas que criou a um numero elevado de portugueses, que acreditaram que ainda era possivel exercer-se a cidadania no mundo dos politicos. Essa foi a circunstancia que levou ao erro do Ex- candidato a PR, a gula pelo poder fácil e pior que isso, aceitou sem pestenajar uma responsabilidade que ele combateu durante meses a fio, com amigos ao seu lado. Mais um que se perdeu no deslumbramento dos holofotes e passereles que a politica ainda oferece. Que fique por lá muito pouco tempo, esperemos”.

  9. (baixinho, para ninguém ouvir)

    é, edie, parece que sim. A discussão continua animada entre a malta da direita, que é onde deve estar. Já ouviste que agora ou o elegem presidente ou renuncia? Ah, isto vai ser lindo…

    E imaginas o que será quando for para a rua fazer campanha? Faz assim, abre esta imagem, e imagina-o a dizer Vote em mim para presidente da Assembleia! E nestes tipos aqui atrás para me porem lá!

    ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.