Os heliastas

Ao ver Marques Mendes reclamar uma “investigação independente”, após as televisivas explicações de Sócrates, tive pena da figura. Ali estava eu dentro de uma daquelas situações viscosas em que sentimos vergonha por causa do desamparo alheio. Empatia obscena que nos expõe a nós próprios. Dói-nos sabermo-nos carne tão crua, iluminada pelo reflexo da miséria do outro. Marques Mendes prestou-se a mais um acto na sua tragédia de homem ridículo, apenas porque não consegue fugir da armadilha em que se transformou o seu destino político.

Mas não só ele. Toda a oposição, onde se incluem os publicistas, chafurda na irresponsabilidade, na imbecilidade. Pergunto: alguém conhece proposta qualquer, que possa citar de cor e em que acredite, relativa às dimensões da política governativa, que seja alternativa às do Governo, e que tenha a autoria dos que exploram o caso da licenciatura de Sócrates? Por que razão não consigo eu encontrar, em mim, uma única ideia oriunda do PSD que me convença da vantagem em ter Marques Mendes como 1º Ministro? Por que razão quase não se encontra na opinião política uma reflexão política, antes se perpetuando esse coro como um viveiro de arrivistas?

Está na altura de julgarmos os heliastas.

17 thoughts on “Os heliastas”

  1. Neste paraíso de favores, toda a verdade é pouca. Muito pouca. E vivam, os poucos, que nunca se resignam, com a pouca verdade e a pouca vergonha.

    (Marques Mendes não incluído)

  2. Mao,

    Se tirares as virgulas que puzeste aí a mais, e não são poucas, ficarás com menos pouca fartura. Não é assim, seu um pouco xacaninha?

    Comandante Valupi,

    Seu cripto-socialista inveterado!

  3. (ao meu querido amigo Mau, ma nom troppo)

    Neste paraíso de favores
    Toda a verdade é pouca
    Muito pouca
    E vivam
    Os poucos
    Que nunca se resignam
    Com a pouca verdade e a pouca vergonha.

  4. Ruidoso aplauso à posta de Valupi.
    É de exigir que o chefe da oposição não confunda a vida dos portugueses com um arraial minhoto.
    O homem só quer impor-se dentro do partido, mas que tem o país a ver com isso?

  5. marques mendes teve ao menos o mérito de inspirar essa imagem, Dói-nos sabermo-nos carne tão crua, iluminada pelo reflexo da miséria do outro. ideias? mas alguém quer ideias? agora a política trata da mera avaliação de personagens.

  6. Valupi, julgar quem!?

    Mao: boa!
    Mau: mau mas não trôpego!

    Mas para quê “o sempre e eterno canudo”? O Marques Mentes precisa de canudo mas com lente… para ver melhor ao longe, muito ao longe…
    Marques Mendes ou Marques Mentes? Não percebi… palavra!

    Eu acho que devíamos propor uma investigação dependente à investigação independente.
    De caminho, aéreo, três novos relatórios para a melhor localização do novo aeroporto: um para a oposição ficar contente, outro para os descontentes confirmarem o seu eterno descontentamento e ou outro para ver se nos despachamos e não perdemos o avião!

  7. Marques Mendes está a ficar cada vez mais diminuto… O homemnzinho já não tem mais nada a perder. Rezem por ele!…

  8. Não perdemos o avião

    Suponho que o teu Latim esteja ferrugento ou mesmo morto…
    Não vou a lado nenhum, faço aqui muita falta!

  9. Luís Oliveira,

    Estou vivo (ainda) mas não sei por quanto tempo se continuar a ler certas barbaridades não visadas pela censura anti-bocejo. Não necessàriamente neste post, felizmente ainda não infectado por excursões a Marrocos e aventuras do Principe Valente.

    E, camândrio!, também não tens aparecido por aqui, pelo menos envergando essa fatiota oficial. Spring cleaning lá em casa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.