Onde está a direita?

Que faz com que a direita portuguesa seja um pardieiro de caluniadores, dos mais reles de que há memória? Pacheco, Mascarenhas e Helena Matos, para só referir três casos a merecer estudo, não têm equivalente no PS. No Bloco e no PCP há vários que também reduzem a sua intervenção política à produção ininterrupta de suspeições de natureza criminal ou moral. Daí a santa aliança entre reaças e comunas, ranhosos e imbecis, ressabiados e ressentidos.

Este episódio em que Helena Matos ataca Inês de Medeiros é paradigmático: uma cidadã com poder mediático utiliza o espaço público para denegrir a imagem e o bom nome de uma cidadã com responsabilidades políticas. O que leva a Helena para a perversão do contrato cívico com a comunidade é o regime de impunidade e diluição ética que caracteriza a praxis da falsa direita nacional. Falsa porque não tem sequer capacidade para tomar consciência da gravidade dos seus erros, quanto mais assumir responsabilidades pelo que faz.

Teve muita graça, pois, ver Carlos Abreu Amorim ensaiar uma rápida e displicente ajuda à Helena, só para receber originais boas-vindas ao elenco opinativo do DN.

A hipocrisia asinina da falsa direita portuguesa é uma das principais causas do atraso económico e da degradação das instituições. Vivem para a insídia, são cínicos anafados e broncos.

7 thoughts on “Onde está a direita?”

  1. O que é chocante é que em relação ao Bloco e PC esse tipo de produção constante de suspeitas e desgaste do estado de direito faz parte do Modus Operandi de qualquer partido que almeje o poder totalitário por via revolucionária, daí que pelo menos nessa lógica (retorcida) essa produção faça algum sentido e tenha um significado. Já quanto ao PSD, espanta-me realmente vê-los seguir o mesmo caminho. Mas não consigo deixar de pensar que talvez seja realmente a influência de Pacheco Pereira. Não pode ser coincidência que precisamente quando este chegou ao poder na estrutura do partido é que o PSD começou a utilizar tácticas desestabilizadoras de partidos comunistas, quando se sabe que o Pacheco é precisamente o maior historiador do PC e de movimentos de extrema esquerda em Portugal. De tanto os estudar, é possível que os tenha passado a admirar e a aplicar-lhes as tácticas. Uma variante do síndroma de Estocolmo, talvez?

  2. Eles bem falam em ‘mudar’ mas parece que a direita não sai do mesmo sítio, até há coincidências extraordinárias como a de ontem no Parlamento em que Branco foi substituído por Branquinho…
    E a fotografia que o CAA usou para ilustrar o post em que se prestou a defender a Helena Matos também podia ser coincidência, mas não é. Com estes ataques à Inês de Medeiros é Sócrates que continua a ser o alvo. Esta coisa de Sócrates ter conseguido que pessoas como João Galamba e a Inês de Medeiros larguem o que estão a fazer e resolvam dedicar-se à política, não lhes entra na cabeça. Estas pessoas têm de ter um estratagema qualquer fisgado e têm de ser umas nulidades (ou vendidas como o apoio do Figo, por exemplo). Com toda a certeza não é por acreditarem que Sócrates tem feito um bom trabalho no Governo e que podem contribuir com a sua visão para o melhorar.
    Na falta crónica de ideias de que padece esta direita, só resta uma alternativa, a do costume: caluniar, enxovalhar, denegrir. Esquecem-se é que isto diz muito mais deles do que dos visados, pois.

  3. Vega a influencia do Pacheco neste tipo de campanhas é da direita reaccionária americana.Ele é o master franchiser para Portugal. A historia do PComunista é em muitos aspectos “heróica” nomedamente na luta contra a ditadura que se fazia por meios diferentes e com custos pessoais tremendos, para abreviar.

  4. Que sorte tem o PS, que nada tem que se lhe aponte.
    Todos os seus membros e simpatizantes são pessoas da mais pura
    Já a Direita limita-se a ser “(…) um pardieiro de caluniadores, dos mais reles de que há”.
    Um dia destes fazem um governo com eles mas nessa altura “mudam-se os tempos e mudam-se as vontades”.
    Espero bem que Manuel Alegre ainda seja de Esquerda. É que, e tendo em conta o que já consegui ler aqui, a esta hora já deve estar nos braços dos “(…) reaças e comunas, ranhosos e imbecis, ressabiados e ressentidos”
    Gosto muito de ler quem escreve sobre o que sabe. Não há nada como o saber da experiência feito, não é Valupi.
    É sim. Não seja modesto…

    Mas tudo isto é mentira. Afinal de contas hoje é o 1º de Abril, que neste blog é quase todos os dias.

  5. Bem verdade, o PCP e o BE, geneticamente antidemocráticos, consideram todo o exercício do Poder pelos adversários como manobras ilegítimas das forças inimigas. Por isso, caluniam por sistema e pulsão. Quanto à direita, é o que diz a guida. Exactamente.

    Mas também é lógica a associação com os métodos da direita americana, em muitos aspectos a fonte indiscutível das tácticas usadas pelo PSD de Ferreira Leite.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.