Vinte Linhas 465

Assim não, senhora Ministra Dulce Pássaro

O gabinete da Ministra do Ambiente e do Ordenamento do Território acaba de publicar o seu Despacho nº 5185/2010 que começa por reconhecer uma evidência: «O rio Tejo é o maior rio nacional e um dos mais importantes da Península Ibérica.» Até aqui tudo bem. O Despacho cria um grupo de trabalho para a elaboração de uma proposta de plano estratégico de intervenção de requalificação e valorização do Tejo e nomeia três engenheiros – Pinto Leite, Manuel Lacerda e Ana Lopes. Até aqui tudo bem. Mas onde se borra a pintura é na constituição de uma comissão de acompanhamento: além de diversos técnicos cuja competência não está em causa, nomeiam-se representantes dos seguintes municípios: Abrantes, Alenquer, Almeirim, Alpiarça, Azambuja, Benavente, Cartaxo, Chamusca, Constância, Golegã, Salvaterra de Magos, Santarém, Vila Franca de Xira e Vila Nova da Barquinha. Além destes 14 municípios não percebo qual a razão que levou o gabinete da senhora ministra a ignorar outros que também estão à beira do Tejo e á beira de afluentes importantes (e poluidores) do Tejo: Tomar, Torres Novas, Alcanena, Entroncamento, Vila Velha de Ródão, Mação, Alcochete, Barreiro, Montijo Moita, Almada e outros haverá. Estou a escrever sem recurso a livros. Poderia evitar-se esta confusão deixando os municípios de fora. Ficavam apenas os técnicos do Instituto da Água, do Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade, os técnicos da CCDRA e CCDRLVT além do técnico do NERSANT mas escolher só 14 municípios ligados ao Tejo deixando de fora outros tantos não parece boa política. Anexo capa do primeiro livro que fala dos Avieiros em 1940 com o conto de 1938 – «A Leandra».

10 thoughts on “Vinte Linhas 465”

  1. Mas tu querias que a Ministra nomeasse um grupo de trabalho ou formasse um grupo recreativo? Já agora podias igualmente acrescentar à lista os municípios espanhóis que o Tajo atravessa.

  2. ZECA DIABO Podia, podia mas já não era a mesma coisa… Não vês que eu até escrevi sem recurso a manuais nem a mapas?

  3. Uma crítica a uma ministra socialista?
    Nãoooooooooooooooooooo!!!
    …a não ser que seja próxima de Manuel Alegre.
    A ser assim, fica explicado o fenómeno.

  4. Era o que faltava… então julgas os outros pelo teu quadro mental? Não és capaz de perceber que os outros têm cabeça para pensar??? Não sei nem tenho que saber quem é a senhora; se fosse um homem escrevia o mesmo. Ora bolas!

  5. Hum, vou falar sem ter investigado muito, portanto é provável que saia asneira, mas este grupo de trabalho está ligado ao futuro programa Pólis Tejo. Possivelmente os municípios envolvidos serão os que se candidataram ao referido Pólis? Explicava o facto de alguns estarem incluídos, e outros não.

  6. Para mim é claro – interessa-me o Rio Tejo, não o Programa Polis Rios. Vivi no Montijo de 1957 a 1960, em V.F. Xira de 1960 a 1966 e trabalhei em Santarém de 1997 a 2001. Não estou a ver o Programa a fazer obras só nos concelhos da lista do gabinete da senhora ministra, era o que faltava. O rio é só um…

  7. jcfrancisco, não discordo, mas as obras não poderiam ser feitas à revelia dos municípios envolvidos e sem a colaboração destes, até porque neste tipo de obras há uma contribuição, mesmo minoritária, por parte dos municípios. Por isso é possível que os que estão em falta não tenham demonstrado interesse ou disponibilidade para participar. Mas, repito, é tudo especulação da minha parte.
    Para além disso, não soube até agora de protestos dos que ficaram de fora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.