O João Miguel não odeia, ama

«Esta mistura despudorada de futebol, jornalismo e política só serve para uma coisa: agravar uma cultura de ódio que envenena há décadas este país.»

Caluniador profissional pago pelo Público

A pulhice resulta quase sempre em quase todas as situações onde o pulha procura obter um ganho ou manter uma posição vantajosa. Porquê? Porque a pulhice consiste em usar o instinto gregário de terceiros, e seus inerentes vieses cognitivos, com vista a recolher proveitos individuais ou tribais.

Como neste caso deste famosíssimo caluniador. Ele não nasceu assim, com fulgurante consciência infantil e adolescente de poder ser a calúnia uma carreira milionária. Mas as circunstâncias abriram-lhe esse caminho, em 2009, o qual de imediato lhe pareceu a sorte grande. De lá para cá, o que a citação ilustra corresponde ao seu modus operandi. Faz o mal e a caramunha, como qualquer hipócrita típico.

Não sabemos o que entende por “cultura de ódio”, nem sequer a que correspondem as “décadas” aludidas (20 anos? 90?), mas dá para perceber que o autor não se considera parte da maleita que denuncia. Ou seja, quem usa poderosos veículos de comunicação social para andar há anos a fazer campanha pela prisão sem provas nem julgamento de certos cidadãos não está a “odiar”. Quem usa poderosos veículos de comunicação social para perseguir difamando certos cidadãos que a Justiça portuguesa não condenou não está a “odiar”. Quem usa poderosos veículos de comunicação social para alimentar as pulsões populistas contra os governantes e a classe política em geral, incluindo as instituições pilares da República, não está a “odiar”. Que estará a fazer, então?

Vou apostar os 10 euros que tenho no bolso nesta resposta: está a amar. Ele ama ser esta versão de si mesmo. Ama ter quem lhe pague pelos serviços prestados.

4 thoughts on “O João Miguel não odeia, ama”

  1. a cultura do ódio iniciou-se , penso , com o beato louça , e tem continuadores em todos os quadrantes. por exemplo , todos os posts deste blog a falar da direita exalam ódio. nunca comentam os projectos que poderão ter , comentam sempre as pessoas em tom depreciativa e odiável
    espelho meu , espelho meu , quem odeia mais que eu?

    ( eu tenho 2 ódios/ascos de estimação , e não os escondo , e o asco baseia-se em factos , em comportamentos execráveis com consequências graves para a sociedade e , no caso de um deles , para a humanidade inteira)

  2. mais um maluquinho, entre tantos, que se vê com inteligência extensa como a ponte 25 de abril. e depois ainda se acha engraçado enquanto mina com calúnias a vida de alguém. por mim, o público só havia de pagar a quem alimenta o ipslon – o resto era tudo pro bono. porque o amor custa muito e vale muito, não sai assim da boca nem dos dedos para fora. mas eu acho que este maluquinho vem sempre ler o aspirina. vem inspirar-se na riqueza das ideias, descobrir palavras e expressões, copiar raciocínios para depois os inverter.

  3. JMT é persona non grata neste blog, algo que não surpreende, quem não pensa de acordo com o pensamento único não presta
    José Marques

  4. José Marques, se for mudar a água ao pensamento variado do JMT – e ficar como mudador de águas oficial – ficarei eternamente grata: evita trazer-me o fedor a água choca como se o bacalhau estivesse, e está, podre. até parece que não lava as pudendas há um mês. !ai! que riso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.