No que dá não estudar os Cátaros

cataros.jpg

Quando se quer evitar que um grupo de ignorantes ponha em causa o futuro da Europa ou quando se espera que, finalmente, Pinto da Costa assista a uma manifestação da existência de Deus, nunca se deve escolher uma sexta-feira 13 para tomar decisões.

29 thoughts on “No que dá não estudar os Cátaros”

  1. Não. Para apoiar o Tratado de Lisboa é preciso ter um qualquer conhecimento do que ele implica. Para o recusar, qualquer imbecilidade pode ser invocada. E foi o que aconteceu na Irlanda.

  2. Este quadro é mais pròximo,segundo os meus càlculos,nem é Caravàgio nem Miguél Angelo. Manet nâo é o seu estilo Goya tambem nâo talvês Picasso OK jà encontrei,a policia politica a metêr os prosfes na catedral em fàtima devante o Pintainho da Costa, o flick à direita é o Luciano.

  3. é com argumentos imbecis como esse que os que não têm vergonha de se declarar ignorantes votam “não” e com toda a razão

    é que a maioria dos que apoiam a ratificação são tão ignorantes como os outros, mas têm uma fé cega nos redactores do tratado

    no fundo, o que se referendou foi a confiança que os cidadãos têm nas lideranças europeias para definir o futuro da europa, e o resultado está à vista

    a Europa chantagista e autoritária foi hoje chumbada na Irlanda e estou em crer que aos europeus (realmente) democratas terá sido feita justiça

  4. Carlos, não entendi o teu argumento. Vejo que votarias Não, mas exactamente porquê? O que é que está no tratado que tu não gostas? E para votar Não, não seria melhor saber por que é que se vota Não? Ou a ignorância de que tu falas com orgulho (e esta é nova para mim) tem qualquer sabedoria intríneca e virtualidade democrática que me escapa? Não te importas de explicar melhor a coisa?

  5. Caro Valupi,

    Gostei da pintura, mas não sei a que propósito é que vem essa dos Cátaros. Mais um perfil interessante da tua escultura política. Tenho aqui um embrulho com algumas das alegadas “imbecilidades” (também serve para o Pedro que veio em teu auxílio) que teriam convencido os irlandeses a votarem NÃO. Aproveita o que achares interessante para a continuação da tua conversa, e o resto podes deitar fora que tenho aqui outra cópia.

    “These are details of the Treaty contents:

    – reactivation of the death penalty. If police forces chiefs decide that a demonstration is part of a “civil disorder” these forces are allowed to use fire weapons against demonstrations

    – all national police forces are allowed to take action in all European countries.

    – workers doing jobs in other EU countries will receive average wages of their country of origin. Meanwhile the corporate battle for even lower payment has begun already, all over Europe.

    – constitutions of former independent republics will be suspended or outvoted by the EU Supreme Court, the “European Court”.
    In fact, EU law will be above all, only alterable by the EU commission which actually is a circle of executive branches.

    – only the assembly of heads of executive branches of 25 EU countries have the right to change this de-facto European “constitution” any time they like – by simple majority. Parliaments, congresses, and national constitution courthouses won´t be in charge of the process, won´t even be asked.

    – all forces in all EU countries will have the “duty” of rearmament – as best as they can, payed by peoples taxes”.

    E não te esqueças duma coisa. Referendos são coisas lindas do ponto de vista democrático. Será por isso que o actual presidente da França confessou publicamente que se eles fossem usados em todos paises a ratificação do Tratado de Lisboa nem sequer chegaria aos quartos de final?

  6. É isso, Pedro. Delírios sem pingo de racionalidade também votam.
    __

    SUBSTANTIA, fazes muito bem em perguntar. Pois foi numa sexta-feira 13, Outubro de 1307, que se fez a grande perseguição aos cátaros. Daí a superstição.

    Quanto à Irlanda, e se acreditas no que acabaste de escarrapachar, aconselho-te a deixar passar a carrispana.
    __

    Comendador, porreiríssimo, pá. Agora é só conseguir chutar a Irlanda para o canto, e ’tá feito.

  7. Substantia Nigra, isso é o texto do tratado? Com o “reactivation of the death penalty” o “payed by peoples taxes” e tudo? Eu tenho até a certeza que há lá pelo meio uma cláusula jurídica sobre o “bunch of moroons” “bastards” e “motherfuckers” que elaboraram a coisa. Muita razão tiveram os irlandeses para recusarem tal coisa. Fónix! God bless! Viva Saint Patrick, os Pogues, os Boston Celtics e a Guiness preta!

  8. olhe, quando não se vota, como eu, e nós por cá, é que não se conhece mesmo. Que estranho Valupi preferires um bacoco e ignorante unanimismo a uma saudável excepção celta. O Tratado de Lisboa não está por ora morto, apenas suspenso, mas se o Substantia tem razão naquelas coisas que escreve bem hajam os Celtas. Seja como fôr eu já tinha delegado o meu voto neles, já que por cá não me deixavam votar. 6ª feira 13 dá-me sorte, parece, estive a galgar as fundações de um forte e caralhos me fodam se não são romanas, mas pelo menos não caí

  9. Nâo queria là chegar,mas segundo os profs em politica estranjeira todos os deputàdos estàvam d’acordo.
    O mêdo veio dos catòlicos e en geral que os tribunais passàsem a ser regidos na uniâo Europeia.
    Mas segndo eles devido ao numero de votantes,a probalidade d’um novo referendum é muito posivel.Mesmo que a Irlanda éra um pais pòbre quando entrou na Uniâo Europeia.Vâo deixar os esperitos se calmarem e ,entâo se verà no momento éla deixa de ser menbro o que vai lhe cortàr muitas regalias.
    Nâo vàle a pêna irem buscàr monstros onde eles nâo existem

  10. Vê lá tu, Valupi, que eu andava convencido que a “perseguição” aos Cátaros
    tinha-se estendido por vastos ,largos, extensos e aborrecedores anos. Mas como falas na “grande”, penso que tenhas dividido isso em fases, estando essa especificamente relacionada com o arranco final na última etapa. Piadinha para os católicos irlandeses, presumo.

    Boa reacção, Pedro. Assim não preciso tomar o calmante das l9.15.

  11. z, eu prefiro a inteligência. O Tratado está há meses e meses à disposição de quem o quiser consultar. Quando lês e ouves os que o recusam, só sai merda atrás de merda. E delírios, muitos.
    __

    SUBSTANTIA, tens razão. Mas gostaste de saber donde vem o azar da sexta-feira 13, não gostaste? Gostaste, pois.

  12. Pedro

    Relê melhor o que eu escrevi, eu não glorifico a ignorância, eu apenas afirmo que é um acto de coragem admitir a ignorância. Isto porque regra geral o eleitor é em relação à política o que é em relação ao futebol: um treinador de bancada, um expert em todas as áreas.

    O que acontece é que perante a ignorância total, o apologistas do tratado o melhor que dizem é que ele é fundamental, que é urgente, e que rejeitá-lo é ser contra a Europa.

    Para mim isto é treta, está longe de ser demonstrado e só me convence mais pelo “Não”.
    Não li o texto, nem consta que tenha havido qualquer esforço dos governantes para que a população se inteirasse dele, mas o eco que vem dos intelectuais não é animador pois pelos vistos não é fácil conhecer todas as implicações do calhamaço.
    Mais: dá a sensação que a todo o custo evitaram o esclarecimento do texto e que se apressavam para o ratificar longe do voto popular pois que manifestamente não confiavam que o tratado fosse assim tão consensual.
    É esta a “virtualidade democrática” que te escapa?

    Eu não confio em quem ditou a coisa, não assino de olhos fechados nem sob ameaça, como foi a retórica do “Sim” contra a Irlanda. Eu olho para a maioria da dirigência europeia com um certo nojo, seja pelas políticas económicas antissociais que têm feito avançar, seja pelo discurso bélico e hipócrita no que toca a política externa.

    Dito de outra maneira, estou feliz pela lambada que hoje levaram dos poucos europeus que puderam (felizmente) referendar a pílula de Lisboa.

  13. Depois de muitos anos que o sonho da Europa reunida, foi estudàda por iminentes,juristas, philòsofos ,politicos de grande envergura,creio que depois o século 17, Churchil que tanto descutiu,um pais que tanto sofreu no passàdo nâo pensàram seguramente!!Uma outra chance nâo sâo os primeiros.800 milhôes mais que 40 paises, que fôrça a unidade que se faria escutàr nâo é tempo para desencoragementos.

  14. Valupi, cá por mim sê tão inteligente quanto queiras. Isto ainda não acabou e a excepção irlandesa por referendo introduz a discussão, e relevará os pontos críticos, é a democracia em acção, portanto é bem mais saudável que uma aprovação de bastidores que é o que estava a fazer-se, em nome de nós todos,

    http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1332227

    Não sei se eles lá têm referendo vinculativo ou não, consoante a abstenção, como nós cá. Carlos Magno, coroado imperador em 800 d. C. é que é chamado rex pater europae, por um poeta anónimo do tempo.

  15. Carlos,

    Boa posição. Não fiques com pena de não teres lido o texto dessa obra de burocratas e intriguistas de Bruxelas. Claro que a maior parte dos partidinhos da esquerda e da direita gosta dessa fruta por motivos óbvios. Esquecem no entanto que noventa e tantos por cento da população da Comunidade Europeia não pertencem a nenhum partido e,por isso, ou há referendo ou não há democracia. Simples.

    A trafulhice que presidiu à preparação do “Tratado” é táo evidente que nem há necessidade de inimigos para o deitarem abaixo. Bastam as opiniões dos seus preparadores.

    Valupi,

    Peguei na carraspana e aos tombos lá fui encontrar mais isto que podes ler amanhã de manhã, quando estiveres a enfiar os corn flakes com leite de cabra orgânico:

    “Open Europe has tried to produce a comprehensive treaty for discussion. It says in their version:

    “The official version of the new constitutional treaty {the treaty of Lisbon} is almost unreadable for non-specialists, as it takes the form of a series of amendments to the existing treaties without reproducing the existing text that it would alter.”

    – ‘Public opinion will be led to adopt, without knowing it, the proposals that we dare not present to them directly … All the earlier proposals will be in the new text, but will be hidden and disguised in some way.’ V.Giscard D’Estaing, Le Monde, 14 June 2007, S Telegraph, 1 July.

    – The former Irish Prime Minister, (Taoiseach) Garret Fitzgerald wrote: Virtual incomprehensibility has thus replaced simplicity as the key approach to EU reform. (Irish Times, 30 June 2007)

    – Former Italian Prime Minster Giuliano Amato is quoted as saying and on video: ‘They decided that the document should be unreadable. If it is unreadable, it is not constitutional, that is the sort of perception…’

    – The Belgian Foreign Minister, Karel de Gucht, one of the ministers responsible for the Lisbon Treaty, is quoted as saying: ‘The aim of the Constitutional Treaty was to be more readable. … The aim of this treaty is to be unreadable. … The aim of the Constitution aimed to be clear, whereas this treaty had to be unclear. It is a success.’ (Flanders info, 23 June 2007).

    Calhordus,

    Estás a confundir tudo, mas gosto de te ler.

    Z,

    Pelo menos nesta discussão ainda não caíste à água com um bordo repentino. Parabéns.

  16. A vitòria do Sarco em França e quase todas as promésas com que os politicos nos habituaram.Tivéram seguramente uma reacçâo no vòto,mas fiquei mais inquiéto com o desequilibro da França sobre a direita com um tipo ambiguo como o Sarco que me fêz pensàr de seguida aos Reagan e ao fim do sindicalismo nos Stats.
    A madame Deutsh tambem nâo é uma que tem uma bôa reputaçâo no movimento sindicalista.
    E Bush é o top da miséria nos Stats.Sò nos falta esperàr,que nâo hàja um outro 68 que agòra seria extremamente diferente,esperamos o que vai sair talvêz tenham se apercebido.

  17. Os eurocépticos são uma pain in the ass. Os irlandeses são pior do que isso, são uma hemorróida católica. A União Europeia é um território livre. Se não gostam, saiam e não chateiem (depois de se terem aproveitado dos fundos europeus). Três milhões de batateiros beatos não podem pôr em causa a vontade de trezentos milhões de europeus. Antes os turcos, que até já sabem jogar futebol.

  18. Deixa lá os poetas dos irlandeses…
    O que te consome é o azar do pintinho lá continuar de pedra e cal… Não há cátaro p´ra ele, carago!

  19. Nik,

    O que é que o teu pai fazia no tempo do Salazar? Aposto que andava ao papel e ao trapo, ou então era sargento da Guarda Republicana. So pode, para estares tão contente com a tua querida Comunidade Europeia. E não é a vontade de 500 milhões, seu excelente burro! 98 por cento das pessoas não estão filiadas em partidos e foram estes que criaram a “comunidade”. Para um gajo como tu que diz não estar filiado em nenhum, é mais que obra, é desafio à inteligência. Conheço um bom psiquiatra e leva barato…

    E desliga a cassete anti-católica. Há mais marias e manéis na tua terra. Vá, vai lá comprar as bogas para o almoço antes que o mercado feche.

  20. Substantia: um(a) idiota reconhece-se pelas suas idiotices e as tuas soam aqui muito a familiar. Bogas comea-as tu, em molho de hóstias, se posso sugerir. De nada.

    Só um milhão e tal de batateiros beatos é que votaram. A Igreja Católica fez a diferença, pois aconselhou o não. A hemorróida católica no cu da União não passa disso. Faz obstrução, chateia, causa dor, mas, no sítio onde está, nem é preciso mandá-la à merda.

  21. vai ser interessante ver a Espanha e a Suécia, pelo menos, vão agudizar o debate. Entretanto a própria Irlanda vai ter que dizer algo sobre o impasse. E finalmente vai-se perceber melhor algumas coisas do tratado, se calhar devia ter só duas páginas

  22. A hemorróida católica, quando vota, é sempre a mesma cagada. Divórcio (muito difícil, ainda hoje, na Irlanda), aborto, Europa, etc. Atrasos de vida…

  23. Nik,

    Só gajos com cabeças enormes como tu persistem em ataques desvairados aos católicos para explicarem as suas falidas filosofias políticas. Não basta relaxares a cloaca e aliviares-te, meu caro. Merda, constipações e hemorroidas é conversa de fala-barato com a mona repleta de substâncias inorgânicas.

    Começa a beber um mínimo de três litros de água por dia para fazeres frente a essa quase irrecuperável condição. Familiariza-te com vinagre de maçã (não de mação, cuidado, o sexo é importante) e estuda as possibilidades do alcalificante bicarbonato de sódio. Não precisas agradecer.

  24. Substância, tenho a declarar-te que sou católico de for-mação, com muita honra e proveito, mas não mação, que é uma espécie de cristão gnóstico, ou católico virado do avesso e de aventalinho. Não entra na tua pequenina substância negra, pois não? Mas há disto, frater. Free thinking sem loja, entendes? Tenta entender, que porfiarás. Quanto à água, se for fria, podes lavar a hemorróida com ela. Alivia.

  25. Pois, só para ke saibam, a sexta feira 13 não tem própriamente a ver com os pobres dos cátaros, mas sim com o dia em ke Filipe IV de França, O Belo mandou prender todos os Templários e extinguiu a Ordem, acusando-os de hereges.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.