Não foi por falta de avisos que os portugueses escolheram a degradação e a ruína

Ao dizer que se recusava a governar com o FMI, José Sócrates lembrou que com ajuda externa o país teria de «suportar programas que põem em causa o Estado Social».

O primeiro-ministro disse não estar disponível para governar com a ajuda do Fundo Monetário Internacional e reiterou a ideia de que Portugal não precisa de ajuda externa.

No Porto, na apresentação da moção de recandidatura como secretário-geral do PS, José Sócrates disse que esta era das características que o distinguia do líder do PSD, Pedro Passos Coelho, que já se mostrou disponível para governar com o FMI.

«Não é a primeira vez que o diz. Se a memória não me falha, é pelo menos a segunda vez que o diz. Aqui está todo um programa político. Pois, quero dizer-vos da minha parte, que não estou disponível para governar com o FMI», sublinhou.

Para Sócrates, «a agenda do FMI e da ajuda externa levaria o país a suportar programas que põem em causa não só o Estado Social, mas também o que é a qualidade de vida de muitos portugueses».

«Sei o que significa pedir ajuda externa. Vejo isso todos os meses e em todos os conselhos europeus. Sei a situação em que está a Grécia e a Irlanda. Não desejo isso para o meu país. É dever de todas as lideranças políticas empenharem-se para que isso não venha a acontecer em Portugal», frisou.

Sócrates perguntou-se ainda porque será o «único a ter consciência do que seriam as consequências da abertura de uma crise política».

Fonte

6 thoughts on “Não foi por falta de avisos que os portugueses escolheram a degradação e a ruína”

  1. Descubra as diferenças e ganhe sacos de plástico do Banco Alimentar autografados por Isabel Choné:

    “Eu nunca fiz qualquer referência a essa matéria e posso mesmo dizer que isso não tem qualquer sentido.”
    (Passos Coelho, 2-12-2012, a propósito do pagamento de propinas no ensino secundário)

    “Eu já ouvi o primeiro-ministro [José Sócrates] dizer, infelizmente, que o PSD quer acabar com muitas coisas e também com o 13.º mês, mas nós nunca falámos disso e isso é um disparate.”
    (Passos Coelho, 1-4-2011)

  2. há homens que têm, para certas coisas, olho periférico de mulher – parabéns, Sócrates.
    há homens especiais que têm, em quase tudo, olho periférico de mulher – parabéns, Val.

  3. “Não foi por falta de avisos”

    Pois não, já o Guterres avisou com “pântano” e agora teve a humildade de confessar a incapacidade da sua governação, para resolver.

    Todos, mas todos os ex-governantes vivos devem ajoelhar e pedir perdão ao país.

    E todos os banqueiros e sindicalistas devem ser julgados e castigados, porque esses não têm cara para confessar as barbaridades.

    Estes jovens do Sócrates e Passos não passam de dois “anjinhos com asas”

    Estamos encalacrados e o povo perdeu voz, pior que na ditadura de Salazar.

    Os jornalistas e comentadores e pseudo-manifestantes calam o povo.

  4. socrates dizia e bem que não queria governar com o fmi,já o” rapazola” sem o fmi não governava,porque não tinha bodes expiatorios para cobrir a sua agenda politica, que passa sem sombra de duvidas, por um regresso ao passado sem pide, nos primeiros seis meses de experiencia.

  5. Se Socrates, na altura, tivesse batido com a porta e se remetesse ao silêncio, já agora estaria de volta mesmo e apesar da propagnda porca da jornaleirice indigena. Mas, não será tarde…
    O futuro anda rápido!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.