Na veia

O Jugular celebrou dois anos de vida a 17 de Outubro. E vale a pena pôr em risco a tensão arterial da Palmira, exclamando — Bendita a hora em que saíram do 5 Dias! Por um lado, ganhou-se um blogue de referência nas áreas da cidadania e da esquerda democrática, paradigmático das vantagens intelectuais e políticas desta forma de comunicação. Por outro, levou à deriva do 5 Dias para o radicalismo agit-prop e a exaltação fundamentalista da esquerda imbecil; o que acaba por ser bem mais divertido – e instrutivo – do que o projecto originário baseado em caganças elitistas.

E ainda uma outra nota, de carácter genérico: as redes sociais são como um transporte público, cada um sentado no seu lugar perto dos seus amigos, mas um blogue é como uma casa, com mais ou menos janelas, mais ou menos portas abertas. Não é preciso explicar a diferença.

22 thoughts on “Na veia”

  1. concordo e gosto muito da diferenza emtre as redes sociais e o blogue. Concordo o blogue é mais uma casa.
    saudações.

  2. o teu nível de exigência é muito baixo. nota-se em tudo : cantas loas a blogs medíocres ( eu gosto mesmo de blogs e esse que te encanta , a mim me enjoa . o do maradona ? dá-me vómitos de tão mal disposto e mal fodido : get a life !) , a governos medíocres. e nem percebo porque. porque medíocre acho que não és.

  3. Os blogs são como uma praça de cidade pequena: onde todos se podem encontrar e onde todos se podem evitar. Há os gregários militantes que se agrupam sempre com os mesmos para terem sempre as mesmas conversas e acabam por afastar registos diferentes; há os gregários soltos que gostam de estar perto dos seus, mas deambulam regularmente pela praça e, não raramente param para falar com outros; há os institucionais que se agrupam em torno de interesses importantes da vida corrente (puxa-lhes, muito para o lado agonista); há os que tratando de assuntos da vida corrente são mais desalinhados e vão falando sem grupo certo, mas com ideias definidas; há os errantes e sonhadores que conversam com toda a gente, e em que o fio condutor serão afinidades mais de natureza ética e estética. E há, como em todas as praças, os loucos, fundamentais para a manutenção da sanidade mental dos restantes.

    Saiu assim, ao correr da pena. Devem faltar muitas categorias, mais tarde, quem sabe, continuo.

    Os blogues de que mais gosto são os imprevisíveis e não catalogáveis! eh eh eh

    :)))))

  4. por outro, levou à deriva do 5 Dias para o radicalismo agit-prop e a exaltação fundamentalista da esquerda imbecil; o que acaba por ser bem mais divertido – e instrutivo – do que o projecto originário baseado em caganças elitistas.

    Totalmente de acordo. O 5Dias é um caso sério de serviço cultural, e um dos meus grandes prazeres, ao aceitarem passar os seus dias a reinterpretar, diga-se de modo brilhante, esta cena. Aguardo com expectativa a adaptação para o teatro, talvez com o José Pedro Gomes.

  5. Olha, olha, os sabujos e lambe botas ficaram com o pelo eriçado.

    Oh criaturasinhas, quem não quer ser lobo não lhe veste a pele.

  6. ediezinho, deves estar com os esfincteres anais todos rebentados, só sai merda.

    Tenta dar-lhe um uso mais adequado, que isso passa. Palavra de médico.

  7. Bonito comentário Mdsol. Falta dizer que há os apaziguadores, que trazem energia positiva, calma e beleza ao discurso. Como, de resto, se retira do seu blogue.

    Hei-de passar por lá, agora me vou au lit.

    Cumprimentos

  8. Define lá uso adequado dos esfíncteres, Dr. Erriq.
    (é que me parece que não és bom clínico nesse domínio, e se me responderes, até te digo porquê :)))

  9. Ediezinho, no teu caso o esfíncter anal parece que deixou só de servir para conter a merda, pelo vistos no teu no teu é usado para outros fins!

  10. Dr.Erriq, essa tua estranheza pelo facto de “só sair merda” do meu rabo explica-se muito facilmente por não estares habituado a que isso te aconteça (mas não podes julgar todos pelo teu caso, não é?). Ora pensa bem, pois se usas a boca como esfíncter e o cérebro como intestino….

  11. Edizinho, tens começar a ler qualquer coisa que tê dê alguma instrução:

    – tens saber o sentido figurado das frases;
    – falta a explicação da minha fraca qualificação como clínico.

    De facto não estou nada habituado a usar o esfíncter anal para nada que não se conter as fezes, já no teu caso a lesão só pode provir do uso indevido do referido músculo.

  12. Como era de prever não apanhaste patavina, não é erriq? (não sabia que se podiam formar médicos com QI abaixo de 50).

    Eu é que continuo à espera que me digas o que é que costumas indicar aos teus pacientes como uso indevido dos esfíncteres…:))

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.