Ainda não és leitor do maradona?

Em vez de perderes tempo a mandar sugestões sobre como reduzir as despesas de funcionamento dos serviços públicos para o PSD, um partido que defende o aumento do IVA, dedica-te mas é ao estudo da memória.

10 thoughts on “Ainda não és leitor do maradona?”

  1. Enquanto por cá, se discute o IVA que incide sobre o leite com chocolate, e outras matérias congéneres de”forte impacto sobre a redução da despesa corrente primária” o governo inglês, que prossegue uma política de austeridade séria, anunciou o despedimento de nada mais nada menos, 490 mil empregados do Estado.
    Imagine-se o que seria nesta espécie de país falido se o Governo de cá anuncia-se o despedimento à escala da FP tuga, de 49 mil empregados do Estado. Seria razão para cair o Carmo e a Trindade !
    A diferença entre países a sério e desenvolvidos e países de faz de conta “governados” por irresponsáveis, incompetentes e negligentes, é que enquanto nos primeiros os responsáveis tomam medidas de fundo, a sério, sem panaceias nem paninhos quentes que vão directas ao “core bussiness” da questão, resolvendo desquilibrios orçamentais estruturais, nos segundos os irresponsáveis políticos persistem na política do faz de conta, com muitos “sound bytes” e propaganda sem sequer beliscar a raiz do problema!
    O que vai acontecer no final ou a meio de 2011, é o reconhecimento que as panaceias adoptadas no actual OGE em discussão não chegaram, os desequilibrios orçamentais persistiram e será necessário adoptar um PECIII ou um PECIV, por não ter havido coragem para combater o que está errado a nível estrutural.
    Enquanto isso o engenheiro relativo e o economista relativamente neo liberal serão parceiros de um novo tango, regado a leite com chocolate…

  2. Ben, a minha pena é que por cá há quem não perceba que os 490 mil desempregados em Inglaterra vão ser a causa de muito desemprego neste “país de irresponsáveis”. O ano passado as pensões deles levaram um corte valente e nós aqui abanámos mas este ano, e depois disto, não sei como vai ser só que veja lá, quando o OE foi apresentado, há menos de uma semana, eu e muitos como eu não fazíamos a mínima ideia que iríamos voltar a levar pancada passado tão pouco tempo.

  3. Tereza,

    pagamos pelos desempregados ingleses, pelos desempregados espanhois, enfim….o sistema é global. Globalmente entalados estamos. às vezes fico surpreendida pela surpresa quanto a isso.

    Calhou-nos este momento na história…parece que é o princípio de algo, ou o fim de outro algo. Cá estamos,calhou-nos este marco. Caraças…

    (enquanto, isto, marcham as corporações e afins a dizer que a culpa é do Sócrates. Com cegueiras destas, quem precisa de ensaios?)

  4. Edie, tens de reconhecer que é muito mais fácil quando se arranja um culpado. Ainda te lembras como era? Havia sempre uns triste que arranjavam culpados para tudo e até para a trovoada a culpa era de uns quaisquer que arrastavam móveis lá em cima. Só não sei se os que na altura apontavam logo o dedinho são os que ainda o fazem agora mas tenho para mim que são hábitos difíceis de largar.

  5. Não percebi, Ben:
    No seu entender se Portugal fosse um país a sério, e o PS fosse um governo responsável, competente e atento, e o PM fosse um engenheiro “concreto” despedia já 49 mil funcionários públicos? É isso?

    p.s.: Já percebemos que você bebe muito leite com chocolate.

  6. Olhe Valupi, se fizer favor já chega de dizer mal do meu partido.
    Se isto continuar, vou ter que fazer birra.

  7. Olhe “Sr. Dr. Pedro Passos Coelho” (devo-o tratar assim, não vão depois dizer que eu, também, entrei na deriva de lhe chapar cachopo!!!)faça birra, muita birra, mas diga, mas não nos dê mais dores de barriga!

  8. Onde diz “chapar”, quero dizer: chamar (embora se lhe chapasse uns açoites, se calhar não eram mal empregues – ao verdadeiro… convém esclarecer…).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.