Lembretes

– A jurisprudência é uma disciplina na dependência da lógica formal, da gramática e da retórica. Quando um tribunal decide, tanto pode expressar uma necessidade lógica ou histórica, como pode instituir uma interpretação possível entre outras, igualmente legítimas a partir do mesmo texto base. Isto acontece em qualquer sistema de Justiça, seja onde e quando for, porque as leis são objectos constituídos exclusivamente pela linguagem natural ― contêm inevitáveis e intrínsecas ambiguidades semânticas e sintácticas, a que se juntam as complexidades hermenêuticas e relativismos axiológicos inerentes aos processos cognitivos e volitivos dos sujeitos decisores (ena, quanta complicação nisto de sermos humanos, falantes e civilizados…). Por não ser uma matemática, a jurisprudência permite aos advogados ganharem a vida explorando as incertezas dos códigos, para o bem como para o mal. Assim, quem apareceu a fingir-se indignado com as decisões do Tribunal Constitucional quanto ao Estatuto dos Açores, exclamando ser grave o número de inconstitucionalidades estabelecidas, ou é ignorante ou demagogo. Provavelmente, demagogo porque ignorante.


– Um destes demagogos ignorantes chama-se Cavaco Silva e é, para nossa infelicidade, o actual Presidente da República. É ele o derrotado neste processo, por razões que ainda ninguém entendeu. Pode até acontecer que o próprio Cavaco também não entenda, descobrindo-se surpreso e confuso com as suas decisões. Mas fica para a História que o Presidente gerou este caso ao não enviar para o TC os artigos que pretendia ver alterados. Já agora, haja alguém na Presidência que lhe explique qual a importância simbólica das bandeiras, um tópico do qual nunca nada disse e onde o TC descobriu aviltantes transgressões.

– Cavaco Silva não é só um demagogo ignorante, é também uma autoridade política cobarde. O seu silêncio face ao que João Jardim diz, faz e ameaça fazer é vexante para todos os portugueses. Vexame agravado quando Cavaco intervém na política nacional para defender interesses do PSD e atacar o Governo em período eleitoral. Se fosse possível existir um cacique socialista que tratasse um Presidente da República e um Primeiro-Ministro como Jardim tem tratado Cavaco e Sócrates, a pressão mediática e política seria insustentável. Também nisto ― e, para começar, nisto ― se vê como PSD e PS são radicalmente diferentes. No PS há uma herança de luta pela liberdade e democracia que tornam fenómenos como os de Jardim impossíveis. O PS terá corruptos, porque tem seres humanos. Mas não tem sobas que humilham o Presidente da República em visita ao território nacional, nem trastes que enxovalham a memória das vítimas dos fascismos.

– O Partido da Verdade comprometeu-se a apresentar o programa em Julho. Depois, adiou para Setembro, não sendo claro se o conheceremos antes do dia 27. Mas não será melhor esperarem por Dezembro? Pode ser que o programa lhes apareça no sapatinho.

– O Partido da Verdade não podia recusar o convite para ter a líder na bebedeira da Lagoa. O Partido da Verdade não podia ter a líder a ser questionada e fotografada na bebedeira da Lagoa. O Partido da Verdade não podia deixar que a Manela chegasse à Madeira. O Partido da Verdade gripou.

– 2009 já só tem 5 meses para dar cabo desta merda toda.

21 thoughts on “Lembretes”

  1. Caro Valupi, as urtigas estão uma lástima com o lixo com que habitualmente as adubas,
    pensava eu que das duas uma: a haver resposta, seria de caixão à cova, ou toma lá para aprenderes, nunca “o pobre tipo não merece a trela”. Só desprezo. É feio.

    Ponto um: esqueço com facilidade. Melhor, não esqueço, fica arrumado no sítio certo. O importante é verificar se vale a pena o juízo que elaborámos.
    Parabéns pelo teu escrito da GRUTA. Quem leu os comentários do Público sabe bem “o belo povo” que tem opinião sobre “como os outros devem ser punidos”, viva a ordem. Mesmo que não te agrade ser avaliado (quem somos nós?), és um génio, e toma lá mais um 18.

    Ponto dois: O mau gosto de um teu colega sobre a Joana foi punido exemplarmente e em nada te deve afectar, é a minha opinião, salvo se alguém quer ser mais papista que o Papa.

    Ponta? Não, ponto três: novamente nota máxima por não teres aderido ao “conclave bloguista / Sócrates”. O mais parecido foi conseguido com a brigada do reumático do antes de Abril “Generais / Marcelo”. Daquela tropa fandanga só reconheci o careca e o mestre-de-cerimónias.

    Ponto quarto: “Portugal, uma sonda espacial”, só é relevante pelos comentários. Alinho
    no cognome da “Velha” . Para mal do nosso país esta senhora é efectivamente velha em tudo. Mesmo sem exame eliminatório a português, não entrava em nenhum curso superior, por muita falta que o dinheiro faça em muita “baiuca” que por aí anda.
    Caçar ricos? Deixa-os entrar na armadilha. Pobre senhora, não sabe o que é um rico, um barco de luxo, um país, para mal dos nossos pecados gente séria não vota em tal tipo de “monstro”, mesmo que só para dar luta.
    O Z é gente séria, já se sabia, Prof. e Univ., é obra. (tal qual o outro do Almeida Santos). O Mário está a meter na veia, cuidado rapaz.

    Última hora, “ 2009 já só tem 5 meses para dar cabo desta merda toda”. Mais uma vez tiro o meu chapéu a V. Ex.ª, coragem e paixão é tudo o que é necessário a este pobre povo, os partidos estão mais que gripados ou em bebedeira. Estão em estado de zumbis, o “que ainda pode ser gamado vai ser gamado”. Paradigma do “Je”.

  2. VENENO, sabedor como és das andanças do mundo e suas gentes, tens de anotar no teu caderninho duas coisinhas:

    – Ao contrário do que a tua imaginação prefere (posto que já o declaraste), não me pagam para escrever no Aspirina B. Isso implica ter mais o que fazer para reunir aquilo com que se compram os melões, fora outras solicitações para as quais convoco a tua compreensão, levando a eventuais períodos de ausência e de falta de diálogo nas caixas de comentários. Mas não leves a mal, até porque poderei estar a fazer uma saúde à tua existência com vinho da melhor cepa durante esse tempo.

    – A tua posição é decadente, filosoficamente falando. Não acreditas em nada nem em ninguém. Por isso, tudo te aparece como perda, ruína, vilania. Eis o problema: todos os dias há pessoas a descobrirem-se apaixonadas pela vida, pela cultura, pela Natureza ou por alguém. E a política, na sua dimensão nobre e ideal, é a arte de vivermos apaixonados pela Cidade, o espaço onde crescemos e nos realizamos em comunidade.

    Conto contigo para despertares esta paixão à tua volta, não para mentires dizendo que ela é impossível. São os tiranetes que nos querem convencer a passarmos pelo tempo sem esperança, coragem e alegria.

  3. Val, sem mais intimidades, não há caderno para ninguém, logo o teu imperativo é falho.
    Há muito boa gente condenada por alguém ter afirmado coisas da imaginação. Não é o caso quando afirmei “se” este era o teu ganha-pão, confirma. Com vinho da melhor cepa brindarei o dobro por ti.
    Decadente, estamos todos a caminho, meu caro. Não é verdade? Depois de Felgueiras ainda não estou recomposto. Aquela mulher é uma bomba política e não só, um exemplo. Nem mais. O Zé ex-Bloco é outro apaixonado pela “vidinha”. A Helena ex-Alegre é a virtude em pessoa, não há cidade sem tal paixão. Nobreza e ideal às pazadas.
    O teu último parágrafo é mais sério, não minto por auto defesa, nunca me lembraria a quem mentia, os “tiranetes” com quem tenho falado ultimamente e as conversas que temos tido? É muito melhor que nem sonhes. Vamos a eles com coragem e alegria mas não tontos. Um abraço do amigo.

  4. Val,

    Eu estive de férias e não me foi possível acompanhar toda a tua produção bloguística, que, de um modo geral, é muito pitoresca. Eu venho aqui, porque há alguma bonomia que não se topa noutras paragens.
    Posto isto, eu que te acompanho nas críticas à laranjada, quero perguntar-te se já escreveste alguma coisa contra o animador do Chão da Lagoa, que quer ilegalizar o PCP lá na ilha dele?

  5. Veneno, não queres que sonhe com os tiranetes com quem tens falado? Agradeço-te o cuidado. Deves conviver com feras demasiado perigosas para o cidadão comum. Aguardo instruções, então, meu General.
    __

    M da Mata, e que coisa achas que se deva escrever? Ou melhor, porque não a escreves e mandas para nós publicarmos?

  6. VAL,

    Eu também tenho um espaço na NET. E lá publico o que me dá na real gana. Nunca com o sectarismo que imprimes aos teus textos.
    Ainda há dias me perguntava por que razão Honório Novo votou ao lado do BE, do PPD e do CDS, sem que tivesse produzido uma declaração de voto contra a roubalheira.
    Vou pensar e provavelmente vou aceitar o etu desafio. Aqui fica um exemplo:

    Sesimbra, 26 de Julho de 2009 – No “Económico” de ontem Carla Galrão assina um texto sob título “Cinco anos depois Sócrates insiste na “modernidade””. A este título impõe-se a pergunta seguinte: e porque não havia Sócrates, cinco anos depois, de falar de modernidade?
    Até parece que a modernidade acontece por obra e graça do Divino e Espírito Santo e que se fica moderno para a eternidade. Eu percebo o ponto, mas jamais negaria a alguém o direito de insistir na modernidade. Esta constrói-se no dia-a-dia, pugnando pelo novo e aceitando-o, sem quaisquer complexos.
    Ou será que quem falou um dia de modernidade fica impedido de reincidir no uso da palavra? Ou esta fica guardada para uma antiga ministra da educação e depois também das finanças, que não poderá ser recordada propriamente por ser uma pessoa moderna e adepta da modernidade?

  7. M da Mata, ainda bem que tens um espaço de expressão. Como nunca o referiste ou exibiste (que me lembre), desconhecia. E vejo como um enorme ganho o facto de não me imitares no sectarismo.

    Esse texto que trazes é um bom exemplo de espírito democrático.

  8. Veneno: não sou de Coimbra, mas uma benção de Deus pode ser que já não sou sectário em domínios metafísicos; a minha obra deixa lá, vai-se fazendo com tijolo aqui e outro acolá, do cimento não sei mas conto plantar uma roseira no fim.

  9. Este caso é mui simples

    Cavaco, na sua estratégia politica pessoal,
    fez dele um caso politico
    ao não ter simplesmente enviado “ab-initio” para o TC,
    se, como pensava, havia algumas dúvidas de constitucionalidade…

    procedendo como procedeu
    fomentou, ateou, gerou
    confrontos desnecessários entre órgãos de soberania
    sobre matérias decididas por unanimidade de todos os partidos
    quer na ARAçores quer na ARepublica

    Era esse o seu fito, “ganhou”
    também porque nos pusémos a jeito…

    É preciso não esquecer que Cavacu não está sózinho

    tem apoio de grupos corporativos importantes
    como p.e., neste caso, os juizes
    aliados de facto com a direita imobilista

    e que, contra Socrates,
    joga tudo no quanto pior, melhor …

    e se a malta dá baldas…

    Abraço Amigo

  10. Val, é bem provável que não estejamos a beber do bom vinho, o nível baixo deve ser das boas “BOHEMIAS” as louras mais baratas do mercado, do meu lado deve ser isso.

    Nas minhas contas andas aí uns bons vinte aninhos atrasado a “conviver” com as feras, que nunca te condecorem com uma Grã-cruz da Liberdade, e aos oitenta anos em plena incapacidade de dar luta aos “Tiranetes” te seja negada uma pensão para morreres com dignidade.
    Acabar com esmolas de um ESTADO que se diz democrático e por quem se deu tanto, em anos de liberdade, e de quem não se lambeu na gamela, desta forma uma pensão de 200 euros é bem digna da magistratura que temos. (ver Palma Inácio)

    Falas bem por lidares com a “coisa” com ligeireza, aceito o General mas com respeito pelos verdadeiros Generais, as instruções já seguiram. Mas como diz o irmão do Brasil o amigo não esta nem aí.
    Mas nunca é excessivo.
    O preço certo, redondo dos 200 euros, deve fazer rebolar mais do que um. Os bufos de outro tempo, julgo saber, no fim andava nos 300 paus. Nenhum foi julgado, só deixaram filhos.
    Hoje, acredita que muito boa gente ia de borla bufar do vizinho. É o valor correlativo da época, mais ou menos 1/3 do salário de um cívico.

  11. aires bustorff, dizes muito bem: Cavaco não está sozinho. Mas, mesmo assim, nada pode contra o povo. Temos de denunciar-lhe as incompetências.
    __

    Veneno, estou contigo nesse grito contra todas as injustiças que nos cercam. Terás é de enviar novas instruções, pois aquelas que me chegaram não dizem respeito a esse combate. Os heróis do passado inspiram, mas não respiram. É com os futuros heróis que temos de contar. Onde estão?

  12. queria dizer uma coisa que também é um lembrete e que é assim:

    o Obama (e equipa) conseguiu fazer o DJ subir quase 3 K sem uma nova guerra, desde o mínimo de 6,5 K em Março deste ano

    vê-se muito bem que a invasão do Iraque em 2003 foi a alavanca para estabilizar o DJ que andava a tremer desvairado desde 2001, e assim funcionou a subir até ao Verão de 2007, quando começou a explodir a bolha subprime,

    quantos milhares de vítimas para alimentar essa subida?

    depois catrapum,

    é verdade que no Outono há novo risco mas até agora foi um bom score de recuperação.

  13. Veneno,
    Não meto na veia o teu veneno nem qualquer outro. É pouco, se é só isso que tens a dizer sobre a minha admiração genuina por Sócrates, homem de acção como poucos. Podia apontar-lhe, assim de repente, uma girândola de pecadilhos, que perdoo pelo que de muito positivo fez por Portugal. É minha convicção. Não precisavas ofender por tê-la manifestado. Numeros rebatem-se com numeros, não é?
    Valupi, vê se descobres porque o pr não mandou para o TC os artigos que julgou inconstitucionais nos estatutos dos Açores.

  14. Valupi: aquela enunciação da jurisprudência ali em cima parece muito bem feita. Só não digo ‘está’ porque não tenho experiência suficiente para me considerar um juiz nessa matéria. Apetecia-me guardar isto mas tenho de deixar de guardar coisas, tenho que confiar que elas vão aparecendo de forem precisas, se mais não fôr na memória.

    tenho aqui uma história curiosa: estive a estudar o livro de um gajo de 2008 que utiliza as funções de onda da mecânica quântica como funções de informação, já que aquilo normalizado pode ser interpretado como probabilidades. É muito engraçado porque se cai naquele domínio em que o sujeito ao observar/medir o valor de informação de um qualquer objecto através daquelas funções, muda o valor, é intrínseco à formulação.

    Ora só me lembrei de Foz Côa, de como uma obervação meticulosa para efeitos do estudo de impacte revelou a densidade das gravuras, agora classificadas como a memória gráfica mais antiga da humanidade descoberta até hoje, e esse valor sobrepôs-se ao da construção da barragem e implicou uma indemnização de 25 milhões de contos salvo erro à EDP. De como um valor imaginário se impôs como reala ponto de ser negociado em confronto com o outro.

    Já Hadamard dizia que o caminho mais curto entre duas verdades reais pode passar por uma imaginária, isto usando números complexos.

  15. bem, só me lembrei de Foz Côa e das sondagens, e foi por causa das sondagens que vim aqui,

    (‘verdades’ ali em cima são raízes de equações)

  16. O problema do «veneno» é que escolheu um nome assaz venenoso e não dá para tomar a sério. Esse é o primeiro. DEpois é habil mas não alcança efeitos. Passa ao lado. Parece-me.

  17. E em Julho também vimos o pr, na Áustria, vender os nossos programas turísticos de sol e praia. Normal em tempos de crise. Mas, sem dúvida, todos aqueles que se indignaram muito ao ver outras figuras de estado andarem a promover sabonetes e ortopédicos nacionais como o magalhães, renováveis e outras tecnologias, tiveram que engolir anzol e tudo.

  18. “O PS terá corruptos, porque tem seres humanos.”
    é pá , reformula lá isto. dá ideia que o ps é de marte e que tem , para além dos seres humanos que são todos uns corruptos , uns marcianos honestos.
    Quanto ao estatuto dos açores…de um parlamento com mais de 50% de juristas , parece que muitos , muitos mesmo , se licenciaram na independente , ah pois parece.

  19. Val, vou fechar esta rodada como faria um General (nome aceite para o futuro) romano após a peleja aos soldados que considerava de pouca valia. Mandava formar a secção por inteiro no parapeito das guardas de uma ponte bem alta e virados para jusante. A cavalo e com uma simples lança tipo campino lá ia empurrando para o vazio os fracos no combate, selecção arbitrária é certo, mas de uma eficácia absoluta, e sem reclamações ou apelo.

    Tenham calma, estou só a pensar o que aconteceu a alguns em plena África, tinha algo bem parecido.

    Jcf, não sabes ler nem escrever, és mau mas imbecil, vai ver montras porque é lá que deves encontrar só o que parece.

    Mário, deves aceitar uma imagem, não há testemunho algum nem ofensa. Mas atenção, é da paixão que nasce a traição e em regra a tragédia, o bom do Cícero avisava que não se deve tomar o desconhecido por conhecido. Não te espalhes e vai com calma.

    Z, meu bravo, desta vez sou eu que vou da ponte a baixo. Não percebi “patavina”, lamento. Mas especulando creio ter visto que tijolos já há, a argamassa para os colar pode ser feita com muitas outras matérias (como muito bem saberás).
    A roseira que tenha cheiro, os picos são da sua natureza, é bom ter presente.

    Val, enfim, aceito essa de construir heróis vivos e que respirem, ao preço a que anda os melões não vai ser fácil, companheiro. Vamos tentar. “São os tiranetes que nos querem convencer a passarmos pelo tempo sem esperança, coragem e alegria”. O que propões que seja feito para os por fora do estado de “nuire” ?

    Boas Férias para todos.

  20. Veneno: boas férias, dá uns espairanços por mim que estou amarrado numas escritas, survival issues, mas lá se vai,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.