For Rodrigo Moita de Deus, with love

Não há melhor altura para revisitar este debate do que esta. Porque é lindo. É assustador. E é triste. É lindo, assustador e pungentemente triste conferir a honestidade, frontalidade e responsabilidade de cada um destes homens sabendo nós agora o que sabemos de ambos. Bastam os primeiros 5, ou os primeiros 10, ou os primeiros 15, ou os primeiros 20 minutos. E por aí fora até ao último segundo.

13 thoughts on “For Rodrigo Moita de Deus, with love”

  1. Este vídeo é um documento histórico que deveria obrigatoriamente fazer parte do programa escolar de formação cívica de todos os cidadãos portugueses.

  2. Venceu, nas eleições, a irresponsabilidade de Passos. E agora estamos bem entroikados. Temo que nos estejamos a aproximar, a Passos largos, do ponto de irreversibilidade no processo de demolição do Estado Social. Como sabemos, descontando a revolta dos anos de 1380, o povo alheia-se do destino da “polis”, aguardando que as elites dominantes ou uma golpada militar dê um abanão em qualquer sentido. Depois, limita-se a seguir os vencedores. O povo seguiu Salazar, seguiu os “militares de Abril” e agora segue a direita ultra-liberal.
    É o fado, é o fado…

  3. Como já comentei aqui num outro post, Sócrates cometeu um erro histórico ao ter assinado o memorando da Troika. Como se percebe neste debate, que tenho revisitado algumas vezes nos últimos meses, Sócrates tinha a perceção de que iria perder estas eleições e tinha absoluta consciência da desgraça em que o país cairia com a aplicação do memorando pelo fdp que tinha pela sua frente. Sócrates sabia que a direita usaria o memorando como pretexto para ferir de morte e esfrangalhar o país. E, ainda assim, Sócrates não conseguiu ser imune às pressões e às traições que o forçaram a assinar o memorando. Certo é que por tudo isto e mesmo sabendo que Sócrates tinha uma ideia e um projeto muito melhor para o país não posso ter por ele uma elevada consideração, afinal foi ele que assinou o memorando SABENDO que estava a condenar e a entregar o país à escumalha que atualmente o governa. Se se tivesse mantido inabalavelmente fiel aos seus princípios, a história tinha sido muito diferente,

  4. Foi um debate entre o Pedro Esparvalhão e o PM de então.
    Curioso foi o resultado de uma sondagem que dava Passos como vencedor deste debate.
    Ou somos mesmo uma cambada de imbecis ou devem ter apanhado os mesmos inquiridos que se envolveram numa sondagem que correu como um cronista da Sábado contou:
    “Uma sondagem Eurobarómetro de Setembro de 2010:
    59% dos portugueses concordam ou tendem a concordar que as agências de rating tiveram papel significativo na crise; 63% concordam muito ou tendem a concordar que uma agência europeia iria contrabalançar o poder das existentes.
    E agora segurem-se:
    à pergunta “se já ouviu falar das agências de rating”, 48% nunca ouviram e 32% ouviram mas não sabem o que são. Ou seja 80% não sabia do que estava a falar quando responderam às primeiras perguntas.”
    Pois.

  5. Ao ver este vídeo que neste post se apresenta, além de um NOJO VIRULENTO QUE ME ASSALTA, AO VER E OUVIR O ALDRABÃOZÃO E AUTÓMATO, ÁS ORDENS DOS CAPITALISTAS DO PLANETA, SEM QUALQUER SENTIMENTO DE SOLIDARIEDADE PARA COM O POVO QUE AGORA GOVERNA E OPRIME (povo tuga como foste capaz de ir na sua conversa mentirosa e oportunista?) só me apetece tecer elogios ao HOMEM que fez o possível por evitar o sofrimento que o povo está a sofrer e em vias de se agravar neste ano, apesar de o regime politico-económico-financeiro ser o mesmo na altura!
    Repito, não me revejo neste regime, vivemos numa partitocracia governada por criminosos da finança: banqueiros e financeiros, corporativistas, donos do planeta, donos dos políticos mais reaccionários, corruptos e egoístas http://senhoresdomundo.blogspot.pt/
    Tem de haver uma reviravolta politico-económica, mas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.