5 thoughts on “Falar verdade aos portugueses – Guia prático”

  1. Quando no principio da decada de 90 o entâo presidente Soares falou em “defice democratico” na Madeira, estava a pôr o dedo numa “ferida aberta” da democracia de Abril. O partido-pai desta maleita madeirense assobiou para o lado ou aplaudiu vibrantemente, almejando, então, o que agora, finalmente, vai conseguindo impor no continente. Entretanto, os partidos à esquerda do PS estavam mais empenhados em atacar a “fraude democrática” que é o PS. Quanto ao PS, as sucessivas direcções foram imitando o PSD-pai, ora elogiando sem pudor, como fez o entâo presidente da AR Jaime Gama, ora encobertando as tropelias do senhor Jardim, tapando buracos atrás de buracos. Pelo menos os que estavam à vista pois, sabe-se agora, havia um túnel secreto por onde se escoaram biliões de escudos e euros.
    Alguém está preso? Arguido? Investigado à séria? Jardim até se ri, ciente de que nesta republica de justiça na sarjeta pode fazê-lo com toda a impunidade. O que importa sâo os “freeportes” ou “faces ocultas” de Sócartes. E até o dinheiro que gasta em Paris a estudar filosofia.
    Se nâo foi uma puta que pariu isto tudo, há-de ter sido uma vaca, velha e fedorenta.

  2. Este fórróbódó político e financeiro da Madeira, é nem mais nem menos que o resumo de toda a nossa vidinha destes anos de liberdade abrilista.

    Sabemos que os partidos Madeirenses da oposição, sabiam tudinho o que se passou, sem precisar de tribunais, porque todos “mamavam”.

    A Madeira serve, devido ao seu tamanho, para fazer um exame de biópsia ao país inteiro.

    Aquelas Câmaras que nem freguesias deviam ser, aquelas repartições que têm tantos funcionários que se um dia fossem todos trabalhar, alguns tinham que ficar à porta, vai ser a maior desgraça para acabar com eles.

    Aqueles túneis e viadutos para passarem lagartixas vão ficar caríssimos para os manter porque as lagartixas não pagam portagem.

    Aqueles brasileiros, guineenses, romenos e argentinos da bola, daqueles clubes todos, pra-cá-e-pra-lá, que enchem aviões subsidiados pelo estado, é ajuda ao turismo?

    Enfim, a única coisa de elogiar na política do AJJ, ninguem a refere:

    Acabou com os “meninos-das-caixinhas”, que levavam os turistas às “meninas-dos-bordados”.

  3. Pois acabaram com os meninos das caixinhas mas primeiro andaram a sacanear o padre Edgar. E não foi ele que os inventou.

  4. é não é , ó cidadão da benedita, acrescenta aí como é que entras nas feiras, vaijas com a «Aldraba» e comes à borliu?! Hein? Debias tar no goberno, pah, ministeriando o «Benha a nós».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.