15 thoughts on “Exactissimamente”

  1. Pois eu com a autora do post para onde remetes também aprendi imenso sobre o que é o Estado de Direito: os ministros e os cidadãos têm exactamente os mesmos direitos.
    Assim, se eu para a minha empresa admito o filho de um amigo, em vez da pessoa mais competente, então o relvas também pode admitir para um ministério o filho do amigo. Se eu posso fazer greve no meu local de trabalho, então o pm também, se lhe apetecer. Se eu posso chamar gatuno ao pm numa manifestação, então o pm também pode chamar gatuno ao sócrates na Assembleia da república. Se eu posso dar a minha televisão a um guineense, então o relvas também pode dar a nossa televisão aos angolanos. Brilhante, os direitos dos ministros são os dos cidadãos.
    Mas não é assim, pelo menos em Estado democrático não é assim. A Constituição aos ministros deu o poder, aos cidadãos deu os direitos contra os ministros. Se um ministro usou o poder para comprar uma licenciatura, se usou o poder para chantagear uma jornalista, se manobra para oferecer a televisão pública aos amigo angolanos, os cidadãos têm o direito de protestar, de o boicotar, de o forçar a demitir-se. E ao fim dos quatro anos, se ele não se tiver demitido entretanto, de lhe tirar o poder nas eleições. É a democracia, estúpido.

  2. Val, tanto não ando que, se não levares a mal, até te posso dar uma lição sobre o tema. Pro bono.
    Em 1958, na Alemanha, um realizador nazi fez um filme que estava a ser exibido nas salas de cinema. Um grupo de cidadãos organizou um boicote (não deixar exibir, não deixar falar, inibir a liberdade de expressão, estás a ver?). O cidadão organizador do boicote foi condenado em primeira instância, recorreu para o Tribunal Constitucional e o tribunal, imagina, deu-lhe razão, reconheceu-lhe o direito a apelar ao boicote. Para muita gente esta é ainda hoje a decisão mais importante do Tribunal Constitucional alemão e para muitos outros foi esta decisão que fez o Estado de Direito alemão tal como ele é hoje.
    Como disse, não precisas de pagar nada, é o que quiseres dar, fica ao teu critério.

  3. Relvas silenciou jornalistas da Antena 1. FEZ CENSURA.

    Relva destituiu a Administração da RTP, que discordava das suas jogadas. Coartou a Liberdade de expressão.

    Relvas silenciou uma jornalista do Publico. CENSURA.

    Poucos se preocuparam com os desmandos do Ministro Relvas

    Se um grupo de estudantes NA SUA FACULDADE, exprimem o seu desagrado pela presença de Relvas , são acusados de Fascistas, de porem em causa a Democracia.

    No Próximo dia 2 de Março, Relvas , este Governo e todos os seus apoiantes ( até os mais encapotados) vão ter a resposta.

  4. Prontos, Valupi, eu já percebi: há protestos que são democráticos e protestos que não respeitam a democracia. Chamar gatuno a um governante, sem provas e transito em julgado, é contra a lei e a democracia? Considerar da mesma forma aquele protesto no ISCTE e a privação de liberdade de expressão numa democracia é, claramente, um exagero. E um abuso.

  5. os alunos do iscte tem todo o direito de protestar desde que não protestem ou o façam em local adequado onde não incomodem terceiros e devidamente autorizados pelo governo civil. no tempo do marcel o tamém havia liberdade de expressão desde que não se falasse da guerra colonial e outros assumptos que incomodassem o regime ou o censor de serviço.

  6. Val

    Ainda à volta dos protestos. Esta conversa mostra a desorientação total das tropas janizaras de Socrates. O chefe decidiu fazer-se à vida, entao o pessoal ficou perdido.
    O querido lider juntou-se ao grande capital do quero posso e mando, ao lobby farmaceutico. Não estou a criticar, acho que fez muito bem em querer ganhar a vida.

  7. Artigo 21.º da Constituição da República Portuguesa
    Direito de resistência

    Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias e de repelir pela força qualquer agressão, quando não seja possível recorrer à autoridade pública.

  8. No meio de toda esta grande trapalhada, tenho aprendido imenso.

    O ISCTE não é de todos, mas apenas dos alunos, e eu não sei porque carga d´água pago impostos para o ensino público.

    Uma vez que há um governante (ou dois, três e até mais) que faz censura, dá-me automática e legalmente a capacidade de censurar também.

    Insultar é bom e faz bem à saúde, desde que não sejam feitos insultos aos cidadãos democráticos, com papel passado por certas organizações onde o voto de mão no ar é habitual.

    No meio disto tudo ainda há o Sócrates, que, pelos vistos agora também trabalha, e por isso é um gajo a abater.

    Há gajos que votam como bestas, depois, quando a vida não lhes corre de feição, tornam-se virgens ofendidas (mesmo que vão para a cama com tudo o que mexe e remexe) e querem resolver o problema ao tabefe.

    Viva a democracia!

  9. Eu não vos percebo. Sinceramente. A crítica popular subiu de tom?! Era previsível. Só vocês é que andavam para aqui a dizer que o povo era tanso e não tinha tomates. Eu avisei-vos, aqui, desde há algum tempo. E vocês não acreditaram e, pelos vistos, continuam a não acreditar. A história do nosso país está cheia de episódios de inusitada violência, mil vezes piores que o que se passou no ISCTE. Eu já aqui disse que se o PS não estivesse à altura deste momento histórico, correria o risco de se ver ultrapassado pelos acontecimentos. Por isso chega de esperarem por um D. Sebastião. Usem as tropas que têm, caramba!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.