2 thoughts on “Exactissimamente”

  1. Impedir o juiz Neto de Moura de julgar casos de violência doméstica é um erro. Juiz que ajuíza daquele modo tem a bússola avariada. E se bússola avariada do norte sabe mesmo é nada, por definição nada sabe também sobre sul, leste e oeste, nordeste e noroeste, sudeste e sudoeste e qualquer variação em ré menor de que a rosa-dos-ventos se lembre.

    Bússola avariada é bússola democrática, não acerta uma, a não ser por acaso, como o relógio avariado que, malgré lui, consegue estar certo duas vezes por dia. E se bússola avariada não pode bussolar, juiz que por ela se orienta não pode ajuizar, pois não tem o juízo no lugar. Juiz com juízo avariado, que não conhecendo o norte nada pode, por definição, saber sobre sul, leste, oeste, nordeste, noroeste, sudeste ou sudoeste, não pode ser juiz em coisíssima nenhuma que decida sobre o destino do cidadão comum que tenha o azar de lhe cair nas mãos.

    O juiz Neto de Moura vai ficar impedido (até ver?) de julgar casos de violência doméstica, ao que parece. Quanto a mim, o juiz Neto de Moura devia ser impedido de julgar fosse que caso fosse, devia, pura e simplesmente, ser erradicado da magistratura. Já nos bastam as alterações climáticas, não precisamos, de modo nenhum, de perturbações magnéticas que venham baralhar os pólos do planeta, ou arriscamo-nos a partir em excursão à Patagónia e acordar no Árctico, à deriva sobre um bloco de gelo, um urso polar a mirar-nos pelo canto do olho e a segredar à ursa: “Chegou o almoço.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.