8 thoughts on “Exactissimamente”

  1. O arbusto, já se percebeu quem são, e não são, tão poucos assim. teimam e resistem, assim como uma praga. – Encontram-se sempre perto de quiosques, ou afins.
    A mão, essa, está circunscrita. Dá-se bem em zonas de onde outrora partiam embarcações para “Mundo Fora”, em Aventuras tão Grandes, como na razão inversa é pequena a sua … visão!
    A mão no bolso, o que vê?

  2. Como chegou tão alto este algarvio?

    Quem era algarvio era Gago Coutinho, mas não foi tão alto.

    Há fenómenos inexplicáveis, o que se terá passado para tanto sucesso eleitoral?

  3. Olinda, Muito bem, para quem não compreende latim, o melhor é “fazer um boneco”
    – O da reserva fracional bancária, também seria útil, embora não tão oportuno, a menos que tivesse transmissão nos Canais Alemães.
    Es hatte , schön zu sein. Ah, Ah!

  4. Cavaco pretende fazer do pragmatismo o antídoto da ideologia
    que, considera o pior que pode acontecer na tomada de decisões
    políticas … o que, não passa de atrofia do conhecimento pois, para
    ele ideologia= Marxismo dado que nunca leu o livro, proscrito pelo
    regime fascista de Salazar, “O Capital” em virtude, de conviver bem
    com essa situação!
    A explicação para as suas maiorias, está na “máquina” do PPD/PSD,
    baseada no mais puro caciquismo, não esquecer o Cavaquistão e,
    por outro lado o apoio da Igreja, sem esquecer os oligarcas que bene-
    ficiou com as privatizações e, se tornaram donos da comunicação
    social, quase endeusaram um político medíocre porque o dinheiro
    vindo da Europa deu para muitos enriquecerem … basta ver a génese
    da SLN com interesses em tudo o que era subsídiado e financiado
    com fundos destinados à modernização do País!

  5. J. Madeira quase explica tudo, mas falta o quase.

    Falta sempre alguma explicação para o puzle ser completo.

    Muitos tentam explicar o fenómeno Cavaco, mas há sempre algo que fica a meio caminho.

  6. Rarara ( em linguagem cibernautica brasileira, significa, risada ).

    Citando :

    Disse Cavaco: “observando a zona euro, verificamos que a governação ideológica pode durar algum tempo, faz os seus estragos na economia, deixa faturas por pagar, mas acaba sempre por deixar faturas por pagar”. Mais acrescentou que “a ideologia económica só resiste como modelo de vida de comentadores, de analistas políticos, de articulistas que fazem o deleite de alguns ouvintes, de alguns leitores, em tempo de lazer”.

    Vejam bem a ironia, e a triste figura em que incorre o comentador, o califa Al-Xelique .
    É que sucede, que o argumentário, é abrangente, e, como tal, aplica-se a qualquer ideologia .
    Ora que é a politica de direita, a de austeridade e de prossecução de metas estabelecidas em tratados, se não uma forma de ideologia ?
    E que frutos deu, senão facturas por pagar e metas por atingir ?
    Ora, não reconheceu – e se congratulou até, – a fiel amiga e companheira de partido, mais magrinha que a mais esquelética austeridade, comentadora habitual no TVI 24 horas, que as metas não são para cumprir, pura e simplesmente porque são ficções tratadistas, irrealizáveis e como tal, insusceptiveis de cumprimento ?

    Então o magrelo está a espera de quê ?

    E ainda por cima, critica comentadores, arvorando-se ele próprio, em comentador …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.