4 thoughts on “Exactissimamente”

  1. O TC não tem poderes para activismos politicos. Nem o Conselho da Revolução — que sempre teve vontade de agir politicamente, mas cujos poderes eram semelhantes aos do TC — o conseguiu, de facto, fazer.

    De qualquer forma, mesmo que todas as acusações de activismo político dos tribunais tivessem fundamento, a culpa desta situação continuava a ser do primeiro-ministro. Foi ele, com o seu neoliberalismo desbragado, que perdeu o respeito dos portugueses. Quem foi que andou por aí a dizer que se estava a lixar para as eleições? Passos Coelho divertiu-se, em público, com o experimentalismo neoliberal de Vítor Gaspar; que, como bem observámos, resultou em incumprimento grosseiro das suas próprias promessas eleitorais. Agora, desrespeitado e desprezado por 73% do eleitorado, ele lamenta-se e canta o fado do condenado, à porta do Palácio Ratton.

    Como pode Passos Coelho lamentar-se? O partido laranja diz que, no TC, nem os próprios juízes que nomeou respeitam o primeiro-ministro (que bela noção de separação de poderes!). Diz que os juízes sabotam o governo, em decisões políticas que decorrem do seu mandato (digo eu, embuste) eleitoral. É que, caso no partido laranja ainda não tenham reparado, o seu indefectível eleitorado — de onde deriva qualquer réstia de respeito que o actual primeiro-ministro ainda possa merecer — está reduzido a 27%…

    E é apenas por Passos Coelho se ser tornado num “lame duck”, que não consegue mais (des)governar Portugal…

  2. joaopft,
    é por isso que vai aproveitar a boleia para dizer que não é por incompetência dele, mas apesar de querer poupar os portugueses a mais impostos, que não tem outra saída que:
    a) declarar-se incapaz de governação nestas condições impostas pelo TC e pedir eleições antecipadas ao padrinho;ou
    b) declarar que por própria recomendação do TC (o que é verdade, está no acódão) o melhor é ir para a via tributária e depois de verificar que económica e socialmente tal não é viável, apresentar demissão e pedir eleições antecipadas ao padrinho.

    Enquanto isto, o seguro trata de destruir os últimos alicerces da oposição. Desfecho à vista.Desarmada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.