Estão cada vez mais actuais as profecias do Moedas

As yields das obrigações do Tesouro a dez anos registaram, ao final da manhã, no mercado secundário, um novo máximo desde o final da crise governamental a 21 de julho. Às 12h30 de 13 de setembro, as yields das OT naquele prazo registavam 7,37%, segundo dados da Investing.com.

Um nível que está mais de um ponto percentual acima das verificadas em 22 de julho, no dia seguinte ao Presidente Cavaco Silva ter comunicado que manteria o governo em funções.

Juros da dídiva para lá da “linha vermelha”

*

O PSD não tem dúvidas de que o rating de Portugal voltará a subir com as medidas tomadas pelo próximo Governo de Portugal. Foi a reacção do dirigente do gabinete de estudos social-democrata ao corte de dois níveis anunciado esta quinta-feira pela agência Fitch, depois de o PEC ter sido chumbado no Parlamento e de o primeiro-ministro se ter demitido.

Carlos Moedas diz, em declarações à Lusa, que os mercados «olham para uma nova equipa de gestão como uma boa notícia», porque «há muito tempo não dão credibilidade ao Governo português».

«Assim que os mercados incorporem a informação de que o PSD vai respeitar as metas do défice, e fará tudo o que for necessário para que se cumpram essas metas até porque foi o PSD que sempre anda atrás do Governo para cortar, essas agências voltarão a dar credibilidade a Portugal», assegura.

«Com as reformas que o PSD vai implementar, eu digo-lhe que ainda vão subir o rating, não sei se nos próximos 6 meses, se nos próximos 12 meses, ainda não se sabe quando haverá um novo Governo», acrescentou.

24 de Março de 2011

__

Verdade, verdadinha. Continuamos todos, mercados e vítimas, sem saber quando haverá um novo Governo. Com muita, muita, muita sorte, nos próximos 6 ou 12 meses aparecia um.

2 thoughts on “Estão cada vez mais actuais as profecias do Moedas”

  1. O moedas não passa de um “grilo falante” com tirocínio na Sachs e, estabelecido
    com um “loja” de habilidades financeiras ou afim!
    Para nosso mal, o ir para além da troika, como fez o des-governo, é uma das “idéias”
    que ele enunciou, cortar em força para impressionar os mercados e rápidamente os
    ratings subirem … o pior foi o colapso da nossa economia não ter sido previsto!!!

  2. «Assim que os mercados incorporem a informação»… Então não é que os cabrões dos mercados nunca mais começam a incorporar?
    Ah, Moedas, Moedas, tu a fazeres figura de palhaço, muito, mas muito, bem pago e nós a fazermos figura de ursos, muito, mas muito fod…. e mal, mas muito mal pagos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.