8 thoughts on “És obsessivo ao ponto de ficares obcecado?”

  1. sou sim, e também sou obcecado ao ponto de continuar obsessivo: vamos lá limpar a dívida externa de Portugal ó burroso, que eu tenho de tratar de aliviar o futuro dos meus concidadãos, para bazar descansado,

    agora levas com a cauda de andorinha, light ma non troppo, mas a seguir levas com a pirâmide se fôr preciso,

  2. Obrigada, Therese e Valupi. É bom recordarem-nos que temos poder sobre o nosso pensamento e que a nossa cabeça nos pode obedecer tal e qual como o braço esquerdo ou o pé direito. E é estimulante saber que podemos exercitar a não-obsessão, não ignorando a existência de uma obsessão, mas sim pondo-a no seu lugar e dando-lhe com palavras um corpo que a impeça de permanecer um fantasma.

  3. Muito util!!!!

    Tenho mais umas dicas para acrescentar:

    a. Complement the ability to obsess.

    It may seem odd but this ability that can make your life miserable at times is probably what accounts for some of your successes. So sit down and write a list of things you think you couldn’t have done unless your obsessive personality was helping you out. then when you have a bad moment with it think: but this also allowed me to do x, y, z, etc.

    b. Put it in a time line (you probably need to be over 25 to do this properly… but you can practice even if you haven’t reached the maturity necessary)

    You are obsessing about something and the more you think about it the more crucial it seems. But if you imagine yourself three years from then the obsession (though it continues to be one) seems not so serious and dramatic. Plus it allows you to see what are the things that you consider really important. 99% garanteed!

  4. Z, para limpar a dívida externa tem primeiro de aparecer petróleo na costa portuguesa.
    __

    j de joão, é como dizes: temos poder sobre o nosso pensamento. E sempre mais do que aquele com que o julgamos – porque temos até o poder de deixar de julgar.

    Qual foi é truque, ou truques, que preferes?
    __

    dina, esses conselhos são muito bons. Mostram como até aquilo que nos perturba faz parte de algo maior, nós próprios, entrando no nosso destino para que sejamos, lá está, nós próprios, únicos. Excelentes truques!

  5. já tem Valupi, o lagosta e o lagostim só que ainda estão escondidos – é que o negócio da dívida também rende a muitos

  6. eu ando a tratar disto para vocês pá, ninguém liga a nada, até aplaudem os algozes se fôr preciso, enquanto acham muito bem que os compatriotas se f*dam: suicídio de preferência para a culpa morrer em casa…

    mas depois bazo e passo a bola às formigas, que eu sou cigarra e gosto é de cantar a vida,

    e viva o cão chileno anónimo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.