Entenda-se a Casa Pia

Muito antes de ter rebentado o escândalo, o que se passava na Casa Pia era do conhecimento de todos. Por todos, entenda-se: as autoridades. Pelas autoridades, entenda-se: alguns indivíduos que frequentavam certos meios. Por certos meios, entenda-se: locais onde há pessoas.

Entenda-se: até ao princípio dos anos 80, havia prostituição juvenil masculina nos Restauradores, na rua, de dia – fora todos os outros circuitos, conhecidos de todos.

Entenda-se.

17 thoughts on “Entenda-se a Casa Pia”

  1. Como diz, e bem o Val, toda a gente sabia o que se passava na Casa Pia, mas como isto é o país do faz de conta, toda a gente fazia de conta que nada se passava.
    Assim não tinham chatices! Não era com eles nem com os filhos deles! Só o pobre do Mestre Américo preocupado com os rapazes denunciou a situação e, veja-se, levou com um processo disciplinar!!! Se nada se passava, o que ele queria se não enxovalhar o “bom-nome” da instituição! Ora meta-se lá na sua vida!!!
    É óbvio que todos os dirigentes que passaram pela Casa Pia ao longo dos anos – sabiam do que se passava. Ou tinham obrigação de saber!!!
    Mas faziam de conta que estava tudo bem e, quando alguém com consciência, como o Mestre Américo, denunciava, processo para cima e o caso estava resolvido, com poucas chatices.
    Entre estes dirigentes conta-se a Dr. Catalina Pestana que surge amiúde nas televisões com ar de santa jurando que nada sabia antes do escândalo.
    Eu, nela, acredito! Não me perguntem é porquê!
    Era assim na Casa Pia, como é assim nas finanças, nas Câmaras, nas polícias etc. e tal. Toda a gente sabe do que se passa, mas o melhor é estar calado se não chovem processos disciplinares. A bem da nação e, claro, da podridão instalada

  2. Acabo de ouvir o advogado do Joel, também ex-casapiano, dizer que o caso do Joel foi denunciado em Setembro de 2001 e só passado um ano é que saltou para as páginas dos jornais pela mão de Felicia Cabrita. A mesma que «esgalhou» bem o Freeport e a Face Oculta mas nunca se deu conta do BPN…
    E, coisa curiosa, vejam como esses processos duram, duram, duram! É pura coincidência.

  3. Val, será que queres dizer que há atenuantes? É evidente que o contexto era outro nos anos 80 (mas esses crimes prescreveram!). O diabo é que o mundo evolui e ainda bem e os crimes de que estão acusados são bem mais recentes. Se há quem se lixe agora que não se lixasse então … azar. Olha os padres.
    Lê-se nos jornais que a prostituição com miudinhos/as continua (plausivelmente não da Casa Pia), agora mais dissimulada, já não nos Restauradores, de dia, mas antes com esquemas de entradas secretas em hotéis, etc.
    Eu diria que o que há aqui a “entender” é tb outra coisa: aquela instituição era do Estado e tinha miúdos à sua guarda. Aparentemente funcionava como pomar de frutos tenrinhos. Com colheita institucionalizada.
    Coisa muito diferente são famílias degradadas que incentivam, elas próprias, os seus filhos a arranjarem dinheiro de qualquer maneira abrangente.

  4. Ana Brel, o meu lembrete é no sentido referido pelo Sousa Mendes, no primeiro comentário: para além das responsabilidades individuais, há também uma culpa colectiva, da comunidade como um todo. É ainda a herança salazarista, a sociedade medrosa e pervertida.

    Mas muito mudou, óbvio, e a existência do processo judicial, por si só, é uma ruptura decisiva na cultura nacional de sórdidas cumplicidades e cobardias.

  5. Valupi,

    Conte lá, mas conte bem, o que é isso de imputar responsabilidade à Comunidade «como um todo»?

    Explique, ainda, a que autoridades em concreto se refere, já que o seu conceito, com todas as ressalvas de entendimento que o mesmo sugere, me parece muito estrito.

    Aguardo.

  6. Alto lá: a casa pia não é, nunca foi, uma instituição do estado. A casa pia é a maneira medieval que o estado tem para se borrifar com os seus deveres. O estado paga directa e indirectamente à casa pia, para não ter de se ocupar com os orfãos.
    A casa pia é uma instituição de solidariedade social, do seio da icar, não do estado.
    É como as empresas privadas de segurança. O estado paga-lhes para que façam o trabalho que o estado e os seus agentes não querem fazer.

  7. O Toute aber merece uma resposta, lá isso merece, com um acrescento explicativo do desafiado sobre a “herança”, de costas largas, salazarista. Dispensam-se divagações sobre a farisaica origem de certas coisas. Isso fica para a sobremesa, se as panças não ficarem bem cheias. Espero que esta insistência do Toute Aber não seja premiada com a “tal mudez” a que estamos acostumados. Seria mesmo uma pena, o facto.

  8. GiróFlé, o melhor será que tu respondas por mim à toute a ber. Como tu és um sabichão sem rival, e ela adora-te, ficam os dois a ganhar. Com certeza, terás a resposta na pontinha dos dedos. Força nisso, companheiro.

  9. Algures entre 1976 e 1978, no programa “Contraponto” da Antena 1 da Radiodifusão Portuguesa, (com grande audiência na época) realizado por José Manuel Nunes, foi denunciada a situação vivida na Casa Pia, através de testemunhos de alunos e monitores.
    Foram citados documentos, dados exemplos do que acontecia e sugeridas soluções.
    Resultado? Protestos dos responsáveis pela Casa, face às “atoardas” produzidas, desmentidos..e indiferença quase generalizada, com excepção de alguns ouvintes mais empenhados..
    E a comunidade, a tal “toda” a que, julgo, se refere o Val, estava farta de saber, nesses anos, que os miúdos da Casa andavam à noite no Jardim do Império, no engate.
    Foi o tempo também dos chamados “arrebentas”, que, para além dos serviços practicados, roubavam os “clientes” à mistura com grandes sovas.
    Ou seja, esta cena da Casa Pia tem mais de 30 anos, pelo menos, de divulgação pública..

  10. Ó Valupi,

    Responderia com agrado ao Toute Aber se tivéssemos (tu e eu) a mesma opinião sobre este cu-rioso processo. É óbvio que não, porque enquanto eu, e o pagode, tenho umas hipotéticas dúzias de arguidos bem imaginados na tola mas não identificados (a pedofilia organizada não vive duma mera meia dúzia de clientes) a tua visão panorânica de grande negociador de crises nacionais que envolvem a moral manda a comunidade (ou as pessoas que frequentam locais, para simplificar) para os cornos do touro da responsabilidade, moral ou não pouco interessa.. Daí a tu, eu e o Toute Aber (e mais três ou quatro milhões) irmos bater com os costados na penitenciária da culpa colectiva é um passo.

    De facto, eu até estava a pensar que era sorte a mais ver estes pedófilos todos na grelha por uns quantos anos. E o bonito é que AINDA continuo a pensar; basta-me atentar em três coisas interessantes, para começar: a) Os crimes prescrevem daqui a oito anos e b) três dos arguidos pelos menos já têm planeado recorrer da sentença com o argumento de que o Juiz Teixeira não era “o juiz natural”, e a consequência de que o processo poderá ser completamente anulado e c) e há, pois claro, processos, ou re-processos, que se arrastam por oito anos e mais. Azar nosso, e muito dinheirinho em indemnizações para os “inocentes”.

    O Povo é quem mais ordenha, sempre.

  11. Então Giroflé,

    Diz-me lá a que mudez te referes e já agora qual é o que me parecer ser o pomo da discórdia. Digo-te já que só me pronuncio sobre factos. Pelo manda aí o que te indispôe e que resposta mereço. Ataca aí.

    Quanto a ti Ó Valupi, vai pegar um tourozinho, depois de curares a ressaca. E diz-me lá porque é que achas que eu sou mulher, ó caramelo. A pergunta foi para ti, é para ti e mantém-se.

  12. Oh Giroflé, não sei se te percebi, Homem, agora que reli o teu comentário.

    Ó Valupi do catano, pá, apanhas-me no final do dia com um cansaço tremendo, tás a ver, seu cara de enjoo. Porque é que tu pedes ao GIROFLÈ para ele responder por ti? pas de tomates, é? Tás louquinho da life pra saberes se sou um ou uma, não é? Pois olha, vai-te coçando, que nunca saberás!!! Toma aí para teu contento!

    Responde lá ao que eu te perguntei, pois a curiosidade de uma resposta tua às minhas questões, está a aumentar de dia para dia.

    Onde é que é a porra do texto onde o João Pedro Costa me lança um desafio, parece que ele é perito em transformar os outros em co-autores das suas opiniões. Teoria da causalidade, onde é que eu ouvi já esta merda, ó Valupi?! Não encontro o caraças do post!!!!

    Porra, não me ponham a falar bem!

    Mas DIZ_ME LÀ O QUE ENTENDES POR COMUNIDADE? E QUE AUTORIDADES SÃO ESSAS QUE FALAS? VAMOS LÁ DISCUTIR ISSO. dEVES SER DAQUELES QUE ACHA QUE A IGNORANCIA DA LEI NÃO APROVEITA A NINGUÉM, E QUE A CITAÇÃO EDITAL PARA VENDA DE IMÓVEIS PENHORADOS CHEGA AO CONHECIMENTO DO EXECUTADO.

    PUBLICA ESTA MERDA, OUVISTE?

  13. Toute a Ber,

    A “mudez” não tem nada a ver contigo, muchacho. Arrefece. Onde é que eu falei em “pomo da discórdia”? Cool it. Não estou indisposto, Je suis OK. Não há porque atacar. Relacha. Boa noite. Dorme bem.

  14. Giroflé,

    Eu reli o teu comentário, e mandei de seguida um outro, mas esse el cabron do Valupi não publicou.
    Thanks for the answer. Have a good night sleep.

  15. VALUPI,

    Tás a ver se me indispoes com o maior comentador de todos os blogues, que dá pelo nome de GIROFLÉ?????????????????

    Porque não publicaste o que escrevi, seu alho cachapernudo? E não me respondes porquê????????????????

    Se te apanho vou-te aos colarinhos, seu pad face.

  16. GiróFlé, parece-me que já tens o processo concluído, resta-te dar voz de prisão aos malandros. Não percas tempo, trata disso com a tua inigualável perspicácia.
    __

    toute a ber, deves pensar que estás num blogue da Santa Casa da Misericórdia. Tens de dar mais atenção às tabuletas.

  17. Valupi,

    Se pensasse que estava num blogue da Santa Casa da Mesirecórdia, ter-te-ia como destinatário de uma terapia adequada: a caridade. Ainda assiim, aí vai a minha generosidade pelo que tens de comum com o Cavaco: fazes um esforço para teres bom senso.

    A tabuleta da tua banca diz que a mesma é inflamatória, e tu andas inflamado. Cuidado com a gangrena.

    Continuo à espera da tua resposta. Diz-me lá o que entendes por COMUNIDADE e Autoridades. Gostava de te ensinar umas coisas! No charge for the counselling.

    De qualquer maneira, o GIROFLÈ já te deu uma resposta. É só seguires o fio à meada. Se fores espertinho, chegas lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.