27 thoughts on “É mesmo só rir”

  1. Caro Val:
    Não é a direita que é estúpida, dois terços da malta é o César das Neves escarrado e cuspido!!! Quarenta anos de ditadura, desde 1917 com Fátima por padroeira, Cerejeira a mandar nas beatas, povo humilde e iliterado como é que se conseguia gerar génios aos pinotes? São as tardes da Júlia, as arruadas às portas dos tribunais, os lecas das Jotas que nunca fizeram nada na porca da vida que chegam longe!!! Este é o retrato do país, não é da direita. O Seguro, o morcão da esquerda, é papel químico do outro, que já nem sei o nome. Aliás, como é que se aguenta e, povo dixit, um merdas da economia, como 1º ministro e prisidente? Um tipo que nem falar sabe? Só aqui, pois claro!!!!

  2. Vejo este pobre diabo muita vez aqui entre as duas igrejas – Loreto e Encarnação. Então se não se pode brincar com coisas sérias porquê olhar a sério para as brincadeiras? Só é enganado quem quer e este a mim não me engana.

  3. Não é só a direita que é estúpida, infelizmente. A esquerda, também. Ou os Lellos e os Ricardo Rodrigues, são porventura diferentes? É a ignorância, filha da herança fascista, que continua a pairar por aqui…Vai levar gerações e não desaparecerá tão cedo. Na realidade, nunca desaparecerá, até porque a esquerda não tem o privilégio da esperteza.

  4. Valupito,

    Tanto para ti como os marmanjolas que comentam aí em cima o problema continua – a direita é sempre estúpida a opinar. Nada de grave ou surpreendente para quem como eu está acostumado a ler os comentários da esquerda estúpida. De facto o Jon Leibowitz – e aqui temos mais uma vez demonstradas as habilidades utilizadas pelos Kamenevs e Zinovievs que não gostavam muito dos nomes que lhes tinham dado na idade de berço – tem um irmão chamado Larry, um dos mais poderosos comilões da Wall Street e a reforçar isso no campo das amizades convenientes tem muito boas relações com o ministro do Cacau americano, que o consulta muito a sério, e palpito que não seja para despejar sobre o representante do Obama no Treasury ridículo e graça a balde, assim no estilo menos rico e cdertamente mais mal pago do Valupi, quando lhe falta os argumentos.

    Até a a imprensa mainstream americana já manjou a artimanha do bufão televisivo e pondera sobre o mistério dum homem que usa o pretenso palhacismo tão do agrado das massas neuronicamente deficientes.

    Já agora, peço-te por amor de Deus e da Nossa Senhora de Fátima que aconselhes os senhores de esquerda que aqui te batem palmas a não largarem os empregos certos que ainda têm porque como comentadores com juizo o futuro não é nada animador. E coitado do Neves, se ele se sentasse a uma mesa contigo para esclarecer este assunto teríamos mais uma edição do espectáculo Agostinho da Silva versus Jornalista Gomes: muita conversa que não leva a lado nenhum nem tira o sono, paleio de andar às voltinhas, às voltinhas, como se dizia antigamente.

  5. O abominável das Neves, que se acha génio, mas visivelmente não se considera perigoso, finge pensar que o Jon Stewart e o Gato Fedorento são mesmo só pra rir, sem mais contéudo ou efeito social, daí serem alegadamente perigosos. As premissas são falsas, a conclusão é falsa e imbecil.

    Este papa-hóstias faz-me irresistivelmente lembrar aquele monge cego do Nome da Rosa que pegou fogo à biblioteca da abadia para destruir o manuscrito do Livro do Riso de Aristóteles, obra julgada perdida e que proclamava a natureza saudável e cognitiva do riso. O monge cego achava, como o Neves acha, que aqueles que riem perdem o medo e que quem perde o medo não precisa de religião. Por isso foi matando os seus confrades para os impedir de lerem o livro e, no final, destruiu a biblioteca, imolando-se a si próprio no fogo.

    Tirem os fósforos ao César das Neves, ele é mesmo perigoso!

  6. V. KALIMATANOS, meu maluquinho, então ainda não percebeste que terás de ser tu – tu e só tu, com essa divinal perspicácia que esbanjas em caixas de comentários de blogues mercenários – a salvar o Mundo dos judeus? Mãos à obra que eles andam por todo o lado. Tens é de dar o salto, e não me refiro a esse outro da janela, falo mesmo do salto para a ribalta. Um programa televisivo contigo a explicar às massas o que realmente se passa seria um inevitável sucesso. E, quem sabe, talvez o próprio Jon Stewart ficasse assustado com a concorrência.

  7. É perigoso, é mas não por causa dos fósforos. Assim, visto a centímetros como eu o vejo muita vez, tem um ar pachola que nem vos digo. São os piores…

  8. O homem não vive nas neves mas sim nas nuvens.

    Como prof. é um “verborrento” de lugares comuns.

    Tem uma frustração ao seu nível e insanável pelo tempo, adorava ser o Marcelo.

    O seu Deus ainda não reparou nele, terrivelmente injusto.

  9. “……O suposto segundo volume da obra de Aristóteles pregava a natureza boa e cognitiva do riso, fato que era inaceitável para a igreja na Idade Média que ligava o riso ao diabo, e a obra sobre a comédia dizia ser o riso e a sátira remédios milagrosos e que a representação exagerada dos defeitos, vícios e fraquezas purificava as paixões, como acontece num processo de catarse….” , a propósito do “nome da rosa” de Umberto Eco…

    .

  10. Dito de outra maneira – ele é o Chicago boy da Palma de Baixo, muito perto de uma igreja onde a figura principal é o «santo» Balaguer e o altar com o sacrário das partículas consagradas está escondido numa zona lateral. Tem tudo a ver.

  11. Valupito,

    Vejo, e acho que vejo bem, recorreste novamente à armadura do “mercenário” (palavrita tua, já nem digo nada do “miserável” e outras ironias de rosca universal). O teu problema está na Heráldica, que, tal como se apresenta no teu escudo – imagino eu depois de te andar a ler este tempo todo – mostra dois ratitos com os rabos muito encolhidos entre as pernas. Mas resultou durante alguns segundos, porque quando li a tua resposta fiquei cheio de pavor perantre a basófia desafiadora do micróbio indestrutível com a peida bem defendida.

    O que eu te apresentei sobre o caracter pessoal e político desse modelo televisiso que há muito decidiste pendurar num gancho do armário dos teus amores encheria de indignação qualquer gajito honesto de esquerda que ainda não sabe muito bem como é que veio parar a este mundo das ideias. Mas não a ti, não senhor. Calaste-te, e já o esperava, porque o único certificado que tens de ser de Esquerda, mesmo dessa que precisamos de lupa para a distinguirmos, são os teus ataques a fulanos que assumes serem de Direita. De facto, eles são metade da carapaça que te cobre. No dia em que as pessoas bem intencionadas notarem isso ficarás em cuecas, e se o elástico estiver largo tens que fugir para a Holanda.

  12. V. KALIMATANOS, és areia a mais para a minha camioneta, meu maluquinho. As verdades que trazes dos abismos são insuportáveis para as almas simples que aqui passam. Varres esta planície com o teu bafo apocalíptico e não deixas pedra sobre pedra. Mas um dia – um dia, acredita! – o povo virá em romaria deitar-se a teus pés. Serás ungido com óleos preciosos e todos os reis da Terra se declararão teus vassalos. Tu és um terrível, ominoso, ciclope destas caixas de comentários… Huuuuuuuuuuuuuuu!

  13. … a César o que é de César… Não se pode surripiar ao escriva de tão galhofeiro texto, os méritos de comediante que ele próprio ali deixou plasmado (não é, de resto, a primeira vez, que me rio, e muito, com os dislates de tal figurão).
    Transplantado para o humor do programa (que, infelizmente, não conheço, mas que pela própria caneta do galhofeiro, percebi a essência) dir-se-ia que com atitude destas o Sr.Professor Doutor (e todos os títulos que queira – é só pedir) imita, na perfeição o Goebls, quando dizia que “quando ouço falar em Cultura, puxo da pistola…”.
    A ele e a um tal V.Kalimatanos, que Deus lhes valha…

  14. O abominável César das Neves, que fala de feijões para falar de moedas, passou-se, e não há quem o possa resgatar da sua alucinante verborreia. Eu diria mais (parafraseando os Dupont e Dupont), o evangelista César das Neves é uma cópia foleira do Professor Girassol.

  15. Atenção! A qualquer momento o Valupetas fará um comunicado da máxima importância no blogue Aspirina B. Pensa-se que a razão para tal comunicado tem que ver com questões «éticas» e com a violação das regras de «comunicação» deste blogue.
    O que podemos desde já adiantar é que o Valupetas disse a um dos seus assessores para os «assuntos judaicos» que – e passo a citá-lo – «usar elementos do nazismo para fazer insultos políticos é algo que não tolero». Aguarda-se, portanto, e em defesa do professor de «Filosofia judeo-cristã» César das Neves, a reacção de val-u-petas…

  16. Caro Val. É errado dizer que temos a direita mais estúpida do Sistema Solar, tal como seria errado e manifestamente insuficiente qualificá-la como a mais estúpida da Galáxia ou mesmo do universo conhecido! Para te aprochegares da verdade científica é melhor pensares em termos de mecânica quântica. Poderás assim atribuir ao nosso embrião de Tea Party o galardão de direita mais estúpida de todos os universos possíveis!

  17. “Não se brinca com coisas sérias” porque o riso desmistifica. E o misticismo é um dos pilares da tirania.

    Sem dúvida que essa frase terá sido inventada por algum zeloso pároco de aldeia no tempo da “velha”.

  18. ainda não consegui para de rir… não sei pela anormalidade do artigo do individuo (ou será que é artigo do individuo anormal?!) se pela “imagem” da «direita mais estúpida do Sistema Solar»…
    AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH

  19. Mas há uma frase que lhe reconheço alguma razão apenas e só se tivermos em consideração aquilo que foi a campanha eleitoral do PSD e estes primeiros meses de governo de PPC & MRelvas, Lda:
    «Assistimos hoje a uma crescente interpenetração de ficção e realismo»

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.