É bem verdade, ainda ninguém percebeu o que se passou com o Freeport

A oposição desapareceu. O PS não existe, nem sei o que é aquilo. O líder não tem carisma, não sabe o que há-de fazer, está condicionado pelo acordo com a troika. E sucede a um delinquente político chamado Sócrates, o pior exemplo que jamais, na História de Portugal, foi dado ao país: ir para Paris tirar um curso de “sciences po”, depois daquela malograda licenciatura – à qual não dou a menor importância, pois há muitos excelentes políticos que não são licenciados. O engenheiro Sócrates foi o pior que a política pode produzir. Depois de tantos processos em que mentiu, aldrabou, não depôs, ninguém percebeu o que se passou com o Freeport, os portugueses perguntam-se onde foi ele buscar dinheiro para estar em Paris. Quem é que lhe paga as despesas e o curso?

Maria Filomena Mónica

__

Filomena Mónica representa o que há de mais típico na oligarquia portuguesa, a qual se alimenta da sarjeta que é o Correio da Manhã, o qual serve os interesses do PSD e CDS. É um círculo vicioso e viciante. O à-vontade com que trata como criminoso um ex-primeiro-ministo, ex-secretário-geral do PS e cidadão na posse dos seus direitos, sem sequer se dar ao trabalho de justificar seja o que for, mostra à saciedade o sentimento de impunidade que a habita.

Portugal é um país de analfabetos e de analfabrutos, o resultado de séculos com esta oligarquia no poder e seus exactos simétricos na esquerda sectária nas últimas 4 décadas. E não foi um acaso termos lido tantos direitolas a maldizer o 25 de Abril neste ano, permitindo-se escrever distorções grotescas e dementes a respeito do que acontecia antes e veio a acontecer depois da queda do anterior regime. Este tipo de ignorância não é só atrevido, é também sórdido e rapace.

Sócrates provocou a ira descontrolada das oligarquias, à direita e à esquerda. Quem tiver neurónios, que pense.

23 thoughts on “É bem verdade, ainda ninguém percebeu o que se passou com o Freeport”

  1. Conversa de taxista embrulhada em cagança pseudo-anglo-saxónica.
    Acho que ninguém lhe dá muito crédito.
    É ideal para animar os serões do Crespo.

  2. Deve entreter-se ao serão com o António Barreto nestas conversas altamente intelectuais!
    Uma verdadeira dor-de-alma esta gente de tão miseráveis sentimentos!

  3. Esta “socióloga de trazer por casa”, dá-se ao luxo de questionar ,em tom acusatório , de onde provem o dinheiro de Sócrates para estudar em Paris ,falando em nome dos Portugueses? Eu, que sou Portuguesa, não me lembro de a ter mandatado para nada , por não lhe reconhecer qualquer competência para me representar e, portanto ,não lhe admito que tome tamanha liberdade. Apetece-me mandá-la à “Merkel”.

  4. Esta mulher, que vive ou viveu com um homem que do Pcp, e PS acaba a carreira politica nos braços do pingo doce,mas sem antes destruir a reforma agraria,não está velha por causa da idade ou rugas,mas pela a fraqueza de carater que a torna numa delinq.da palavra.Paz à sua Alma… NOTA: 6 anos de governo,mais os anos no governo de Guterres,dá para estar varios anos em Paris. Não precisa de se vender á direita.Quanto ao Freeport,puxe um bocadinho pelos frageis neuronios e constatará que ele não é arguido.Alguns juizes gostariam de o ver sentado no banco dos reus,oportunidade que não desperdiciariam se pudessem…dado o ódio que alguns destes agentes da justiça destilam contra José Sócrates.

  5. “Está cheia de sorte! Agora tenho uma máquina. Entre”. Sigo-a até à cozinha. Dirige-se à máquina, observa a cápsula, compara-a com a ranhura do aparelho. “Isto é fácil mas ontem pus a cápsula ao contrário. Como a alavanca não fechava, fui buscar um martelo…”
    sábado 10-01-2011

  6. Só numa coisa essa pessoa tem razão; já perguntava o José Rodrigues Miguéis a propósito de licenciaturas: «Porque é que um labrego que sai das unhas negras da Escola há-de ser necessariamente um superior?»

  7. Essa senhora (?) dava uma mediana actriz do filme “O charme discreto da burguesia”, porque é na prática uma fulana que sempre andou “metida” na “alta sociedade”, mas tem a mania que é muito popular. É daquele tipo de gente que é muito “directa”, quando os outros estão longe e não lhe respondem à letra. Mas ainda bem, que o melhor é deixá-la a falar sozinha.
    Também o que esperar de uma fulana que foi mulher de um maníaco como o Vasco Pulido Valente, para já não falar do “vendido” Barreto?

  8. “Desde há cinco anos que eu janto um croissant acompanhado a vodca, enquanto ouço as suas escolhas dominicais… sou uma espectadora fanática”.

    filó sobre o prof. marcelo

  9. Seu escrever que ouvi, ou li num concorrente do correio da manha, que o dinheiro que a Filomena Mónica gasta, foi ganho a “trabalhar” no Intendente, estou a ser tão filho da puta quanto ela?

  10. Neste país feito uma sarjeta, uma figura como esta senhora pode impunemente ofender e caluniar, que não existe um juiz, um só, para julgar e punir, desde que o ofendido seja o ex-PM Sócrates. E a pulhice nauseabunda sabe disso. Usa e abusa como esta Filomena. Nem se dá conta, a figura reles, que está a expor a fossa em que chafurda e nela afoga qualquer sentimento de humanidade e nobreza.

  11. “a oposição desapareceu”. Concordo, mas depois ela diz que a oposição desapareceu, não porque esteja parada perante o assassinato do país a rédeas soltas, mas porque não se debruça (mais?????) sobre o facínora Sócrates (que lhe escapou que já não é alvo legítimo da oposição)… E assassina-se uma árvore para que este estupor escreva?

    absolutmena,
    deduz-se pelas palavras da própria, que o respectivo cérebro está subnutrido. Assim já faz sentido.

  12. Olha quem fala!!!! Talvez que fosse agora oportuno essa srª. explicar como conseguiu
    pagar os seus prolongados estudos em Londres (foram muitos anos em colégios caros),
    sendo certo, atendendo à sua auto-biografia, que os pais não tinham grande posses.
    Já agora, aproveitando o andamento, também seria interessante conhecer-se com que meios o seu amancebado, António Barreto, suportou os custos de muitos anos em Genebra a passear os livros debaixo do braço.
    Um e outro acabam por ser gente com sorte pois o merceeiro holandês gosta dos seus bitaites e paga-lhes principescamente para fazerem campanha para as suas lojas.

  13. O que está a dar nos círculos mais reacionários cá do burgo é lançar lama sobre o Sócrates. É o passatempo favorito de toda a casta de invejosos, gente mal formada e sem qualquer formação cívica. Infelizmente não vejo ninguêm que acabe com esta vergonha que enlameia as pessoas visadas e as instituições da República. Como é possível que um pasquim se dedique a perseguir pessoas, deturpe os factos e manipule a informação e nada lhe aconteça? Como é possível isso?

    A criatura que destila ódio sobre o Sócrates não merece qualquer tipo de consideração. Falando depressa e grosso, não presta, vale zero. Não passa de uma burguesa pseudo intelectual. Tem a mania que possue uma educação anglo saxónica, seja lá o que isso for. Para esta espécie de gente é uma mais valia. Vá-se lá saber porquê. Também consta que escrevinhou alguns livros.O que esta criatura gosta mesmo é de beber vodka e comer croissants enquanto vê na tv o vendedor da banha da cobra, o imperdível Marcelo.
    Conclusão: não passa de uma criatura triste. Segundo os mentideros que tratam desses assuntos, vive portas dentro com o António Barreto. O povo diz: assim só se estraga uma casa.

  14. Atenção, há que não falar mal da D. Mena Móquina sem saber se foi ela que falou ou se foi o vodka que lhe ia no bucho.

  15. A verdadeira Lili Caneças da Sociologia.

    Esta Filomerda Mocas é a prova viva da seborreia mental que persiste ainda em Portugal nos meios ditos “cultos” de uma Burguesia insuflada, ignorante, autista e arrogante, que enxameia os corredores e bastidores do Poder e da qual esta víbora anorgásmica é um dos máximos expoentes no feminino, a par de uns quantos bandarilheiros como o Valente, o Marcelo, o Barreto, o Espada, o Villaverde Cabral, o Ant.º Lobo Antunes e o erudicto Graça Moura, entre outros moços de forcado avulsos e cujo nome nunca será sonante.

    Para grande desgosto de toda esta tropa manhosa, a sua plateia atual são os vendendores da REMAX, as tiazorras de Cascais, os taxistas da Província e as viúvas dos guardas republicanos que ainda palmilhavam os campos do Baixo Alentejo a cavalo.

    É toda uma geração e uma classe pseudo-intelectual falhada que se revê na Filomerda Mocas e na genérica impotência em acompanhar a marcha dos tempos e compreender a evolução do Mundo e, sobretudo, da nossa Sociedade, que tentam compensar na patológica e patética insistência em culpabilizar “o Sócrates” – mas quem é esse “badameco” para querer saber o que nós “sabemos”, ou quiçá até mais ainda do que nós? -, o PS, o seu eleitorado e, de um modo geral, TODAS AS PESSOAS DECENTES, CULTAS, INTELIGENTES, MODESTAS E MISERICORDIOSAS deste País que, a esta mesma geração falhada, mais não têm para dedicar do que total desmascaramento, profundo desprezo, cristã piedade e a mais absoluta indiferença.

    Que até já é muito mais do que ela merece, face ao tanto que ficou a dever a todos quantos, muito injustamente, não tiveram as “nozes” que as suas bocarras desdentadas um dia julgaram poder mastigar…

  16. E faltaram ainda figurões e figuronas como a Rita Ferro, o Medina Carreira, a Inês Pedrosa, o Maria Carrilho e toda uma imensa galeria de papagaios, incapazes, falhados e inúteis, que passaram toda a sua vida pendurados nas algibeiras do Estado Social, cujo tutano chuparam desalmadamente e cujos ossos ainda querem agora roer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.