David Dinis explica o que é isso da judicialização da política e da politização da Justiça

«O risco é maior, porque junta as duas guerras no PSD numa só. A guerra pessoal, porque criticar o Ministério Público e pôr o foco no segredo de Justiça será visto, no partido, como uma ajuda a Sócrates e Salgado, persona non grata para o mundo social-democrata; a guerra estratégica, porque abre uma auto-estrada a António Costa onde o PS não podia entrar, precisamente por ter José Sócrates em julgamento.

É por isso que um pacto para a Justiça com António Costa é o maior risco que Rui Rio pode correr. Porque é pessoal, porque é estratégico. E porque Rui Rio não o assumiu na campanha interna.»


Da série “Pânico na direita decadente

5 thoughts on “David Dinis explica o que é isso da judicialização da política e da politização da Justiça”

  1. Se o citado é o tal da cara babada e diretor do Público, será pura perda de
    tempo ler o que escreve pois, se é difícil perceber quando se enrola a falar,
    a escrever temos que voltar várias vezes atrás para apanhar o fio à meada!!!

  2. Ai JASUS !
    Quem é que é a “persona non-grata” no mundo social-democrata ? a menos que a construção gramatical o atraiçoe eu diria que ele quer dizer Salgado. Ai Jasus ! ca puta de ingratidão. Mas então ele nao era persona non-grata quando adiantou os milhões ao Cavaco para o eleger presidente, e ao genro do dito cujo para ele comprar o Pavilhão Atlântico ? e mais e mais e mais … mas ca ganda fdputice, ó Dinis !!!!!

  3. O jornalista/comentador/partidário coloca o Sócrates e o Salgado, no mesmo plano, como inimigos do PSD. Não é de todo assim. Salgado e Ricciardi são ambos PSD/CDS, mas de claques diferentes, que se detestam. Pelo menos é o que parece.

    Mas lá vai confessando que o PSD tem apoiado uma justiça fora da lei e que o combate político do PSD passará sempre por definir a agenda da justiça, pelo menos nos casos mais mediáticos.

    Uma coisa é certa: gente perigosa, apoiada por gente poderosa, governou este país nos últimos 4 anos. Pelo que a eleição de Rui Rio será sempre uma lufada de ar fresco na política portuguesa.

  4. «Se o citado é o tal da cara babada», …?

    Valupi, nada como descobrir que no Aspirina B por cada pontapé que se dá numa pedra apanha-se um fascista mascarado de não sei o quê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.