Contamos contigo, Octávio

A vontade de fazer um debate na televisão pública, a 3 semanas das legislativas, usando como lançamento uma calúnia imunda contra o PS e contra o sistema de Justiça não é má à partida. À partida parece apenas oportunismo indecente, pretendendo-se entrar no circo onde se explora sensacionalisticamente o tema Sócrates, mas ainda assim poderá dar origem a um acrescento de salubridade no espaço público. Para tal, o senhor Rangel deve participar, nem que seja à força, e depois desenvolver o que apenas deixou como aperitivo, provocação. O que falta é o naco substantivo onde ele se apoia para justificar o alarme público que lança para cima dos cidadãos: a suspeita, proclamada por um dos mais importantes políticos portugueses, de que há magistrados que se deixaram, ou deixam, corromper por políticos, e que os políticos corruptores são do PS.

Na ausência de Rangel, Passos Coelho, que concordou com ele na ocasião, também serve. Se nenhum dos dois puder, vamos ter de nos contentar com o Octávio Ribeiro. Mas então que não se deixe sair o homem do estúdio enquanto não provar pelo menos uma das caudalosas calúnias que irá bolçar em palco.

13 thoughts on “Contamos contigo, Octávio”

  1. E quem é que lá vai fazer o contraditório ?

    O PS mexe-se ou …

    … vai deixar a Fátima Campos Ferreira ir à Rua Abade Faria nº 33 provocar o próprio Sócrates …?

    … ou o próprio Sócrates em casa não vai precisar de mais nenhuma provocação e vai telefonar para o programa em directo e arrasar o Regime ? (e não será esse mesmo o objectivo desta provocação ?)

  2. Mostraram o original e não consta nada sobre o Rangel ou preso44. Um mito urbano espalhado, com alguma intenção que não se entende.
    Um programa , premiado internacionalmente, causa tanto alvoroço na canalha, é de perguntar que rabos de palha é que acham que podem chamuscar no debate? consciência pesada?
    ou serão os resultados efectivos, do trabalho da justiça que enerva? mesmo assim parece mal que se incomodem com os resultados palpáveis do trabalho da judiciaria e DCIAP!!! ou será que desconfiam que quem colocou as provas e pedia fotocopias eram os da Justiça?

  3. Sr Cristóvao, tudo o que se pede à justiça é respeito pelos procedimentos legais e clareza na informação aos portugueses, que têm o direito de saber se o homem que elegeram duas vezes para PM é inocente ou culpado. Em vez disso, a justiça permitiu que o processo viesse parar criminosamente às mãos dos caluniadores. Como o MP não encontrou os criminosos violadores do segredo de justiça, temos o direito de julgar criminosos aqueles que conduzem o processo Marquês. E já todos sabemos que não há dúvidas que o segredo foi violado antes de entrarem em cena os advogados do arguido Sócrates e, portando, quando estava apenas nas mãos dos acusadores.
    Se lhe resta algum pingo de decência, senhor Cristóvão, cale-se, antes de eu começar a considerá-lo defensor de criminosos. Nesse caso, o senhor seria bem pior que um vulgar canalha.

  4. Por falar em canalhice, ouvi hoje o PM Passos Coelho, no jornal das 13 da TVI, repetir contra o PS o ditado que um magistrado da Relação de Lisboa usou contra Sócrates: “Quem cabritos tem e cabras não tem de algum lado lhe vem”. Espero que Sócrates responda à canalhada de Passos Coelho, quando começa a ficar mais que evidente por que motivo ele foi preso em ano eleitoral e, ao fim de nove meses não conseguem apresentar um único ilicito que justifique a prisão, porque, afinal, a justificação é exclusivamente política.

  5. Só faltava mais esta tentativa de linchamdento publico, depois de anos de calúnia organizada, para demonstrar o baixo caracter da Coligação e daqueles que, na comunicação social, a servem para defenderem os seus próprios interesses. No caso, a manutenção do monopólio do segredo de justiça para os tabloides (Correio da Manha, Sol, jornal i, Observador) e, também, os tachos na RTP e no governo. Devem pensar que somos todos parvos ou cegos.

  6. “Caso BPN: Sentença do Banco Insular depositada mais de 10 meses depois de proferida

    16:17 Lusa
    NO COMMENTS

    http://economico.sapo.pt/noticias/caso-bpn-sentenca-do-banco-insular-depositada-mais-de-10-meses-depois-de-proferida_228760.html

    O atraso no depósito da sentença levou o Conselho Superior da Magistratura (CSM) a instaurar um processo disciplinar à juíza Helena Nogueira.
    …. Só com o depósito da sentença, a defesa dos arguidos pode recorrer da decisão para o Tribunal da Relação de Lisboa, tendo o processo que estar concluído até Junho de 2016, sob o risco de prescrever

  7. Título de hoje do CM: “Em quatro anos saíram do País 485 mil portugueses. Só no ano passado emigraram 135 mil.”

    Afinal o Octávio às vezes também é amigo do Porquinho Preto…

  8. Segredo de justiça, segredo de justiça e segredo de justiça, e segredo de justiça. E assim, estes gajos discutem o caso, remetendo para o segredo de justiça, um crime MAIOR, IMPORTANTÍSSIMO, que tem de ser resolvido e imputado a quem DETESTAM.

    E depois chega o IGNARALHO, debitando aos seus pintinhos, para não ligarem ao Cristóvão!!! Claro, claro…outro cegueta, já que ele não tem a cabeça formatada em pregos XUXAS sem cabecinha…que cambada.

    Segredo de justiça, e mais segredo de justiça, e estão afazer mal ao 44, e o touni não vai visitar o 44, e o touni é um mole, o touni devia ira visitar o 44, que sim, que este é que é um homem como «deve de ser»…hum, sim, pás, vocês pronunciam-se assim «como deve de ser»… que conversa da treta, com o BROCHELÊNCIA do IGNARALHO encabeçando a coisa, batisando tudo e todos, com gracinhas RICAS e ASSEADAS que agradam ao fuscas galucho, que qualifica as gracinhas do araujo como reles e porcas….ena pá. O que se aprende aqui. Proponham aos ratos isto: SEGREDO DE JUSTIÇA, primeiro tipo penal da lei penal portuguesa, carreguem-lhe na moldura sancionatória, pás….
    pois é, nada disto faz sentido, mas a vossa conversa puxa a isso, caramba.

  9. Fsoares diz assim,

    «Só com o depósito da sentença, a defesa dos arguidos pode recorrer da decisão para o Tribunal da Relação de Lisboa, tendo o processo que estar concluído até Junho de 2016, sob o risco de prescrever»

    A sério?
    Portanto, a sentença nem foi lida nem notificada a ninguém?! Que marota de juíz, ai que marota…

    Ora se o arguido pôde, tempestivamente exercer os seus direitos e recorrer da sentença, após a sua leitura, temos que o não depósito é uma mera irregularidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.