14 thoughts on “Conflitos de que ninguém fala”

  1. não te esqueças que passámos todos a piu-pius depois do meteorito ou lá que foi

    muito mais inteligente, a gravidade é um mimo para o skate no ar

  2. Morcegos gigantes, portanto. Nada que me tire o sono! Agora, admitir que outras espécies mais inteligentes daqui a uns milhões de anos nos vão imaginar em grandes superfícies… isso sim, seremos vistos como animais resistentes a ambientes agrestes.

    Bom ano!

  3. lá Valupi que as coisas não devem ser tão simples quanto parecem.

    Eu por exemplo estive a pensar e se calhar as categorias de avaliação na FP não deviam incluir a de excelente, deviam ser só: insuficiente, suficiente, bom, muito bom.

    Por que o excelente é um ápice, não deve ser uma categoria estável de classificação, ninguém consegue ser excelente continuadamente e cria efeitos perversos. Na prática tendem a ser premiados com excelente os burocratas de serviço, ao serviço das políticas do ministério, o mais das vezes os algozes do sistema e isso desvirtua tudo o resto, criando um clima persecutório péssimo, sobretudo se o que se visa é um empenhamento para a criatividade e inovação.

    Enfim, o debate prossegue.

  4. Do conflito dos dinossauros com o Homem, claro que este foi o vencedor.
    Foi uma chance muito bem aproveitada.
    Agora pergunto, por quanto mais tempo?

  5. olha! olha!, a “Jurassic Foundation” do judeu Spielberg
    estes gajos não deixam escapar rato, quanto mais homem (sem pagar o dízimo à FED)
    mas quem disfarça a sério estas coisas é o “king of the jews”, o Billy Cristal – no Kodak Theater – e o Michael “DinoSsáurio” Crichton tem a ver com a cena criacionista:
    http://www.jewtastic.com/posts/44234
    nada como hollywood para instruir a malta
    (e ainda por cima pagam bilhete)

  6. mas eram contemporâneos e eram todos arcossaurus

    ora a passarada veio toda de lá, portanto embora os pterossauros não tivessem penas duvido muito que a natureza não fosse aproveitar a estrutura volante já existente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.