BPN? A culpa é dos socialistas, diz a gente séria

A 1ª comissão de inquérito parlamentar ao caso BPN, em 2009, reuniu a direita da verdade e a esquerda verdadeira no tiro ao Constâncio, tendo exultado com a grande conclusão que milhares de páginas e centenas de horas permitiram alcançar: o mau da fita, no fundo e para o que importava, era o Banco de Portugal.

Depois disso, alguma arraia-miúda tem ensaiado a paranóia auto-reflexiva de que a nacionalização do BPN foi decidida apenas para ficar a conhecer os segredos de Cavaco.

Agora, Cadilhe avança com mais uma seríssima teoria da conspiração:

Miguel Cadilhe, antigo presidente do BPN até à nacionalização, declarou hoje no Parlamento que, em 2008, “muitas pessoas” lhe referiram existir uma “relação causa-efeito” entre a nacionalização do banco e um processo em curso de denúncia ao Ministério Público de vários atos suspeitos da gestão de Oliveira e Costa. “Mas não foi possível colocar uma pedra, ou calhau, no assunto, porque os processos eram imparáveis”, declarou Cadilhe.

O antigo presidente do BPN recordou que, dias antes da nacionalização, uma equipa de inspectores tributários liderados pelo juiz Carlos Alexandre e pelo procurador Rosário Teixeira fez uma busca às instalações do banco. “Eu e a minha equipa ficamos com a percepção, sem confirmação, de que a investigação já sabia que a nacionalização iria acontecer e que, antes que acontecesse, queria recolher informação no banco”, declarou Cadilhe, após ter sido questionado pelo deputado João Almeida do CDS/PP.

Ora, vamos lá fazer a soma das parcelas: havia roubalheira colossal no BPN, a qual era do conhecimento do Banco de Portugal ou que este se recusava a investigar, por isso as coisas chegaram onde chegaram, e depois, como rebentou a bronca, Oliveira e Costa, Dias Loureiro e/ou Cavaco foram a correr pedir a Teixeira dos Santos e/ou Sócrates para se sacrificarem numa nacionalização que iria prejudicar gravemente a sua governação tanto na dimensão política como na económica, e de cujo estigma não mais se livrariam, apenas para salvar a pele dessa malta amiga do PS.

A gente séria diz isto e nem procura disfarçar a risota. São muitos séculos a virar patos na grelha.

12 thoughts on “BPN? A culpa é dos socialistas, diz a gente séria”

  1. tudo o que tem carlos alexandre e rosario teixeira demora vinte anos a investigar e no fim é arquivado porque as provas desapareceram e se houverem dúvidas já prescreveu. as televisões não falham uma busca chefiada por estas almas e quem refila leva com processos nos queixos que são julgados em tempo record.

  2. «A gente séria diz isto e nem procura disfarçar a risota» A risota maior, é que isto é suficiente como explicação e ninguém contesta isto…nos lugares próprios.

  3. Vi no noticiário os excertos das declarações do todo-esperto cadilhe. O bandido, mais uma vez foi o Constâncio que não viu, não denunciou, logo não supervisionou como era sua obrigação.
    E o senhor cadilhe que era administrador do jardim gonçalves no bcp, esse exemplo modelo de honestidade, e como administrador banqueiro, colega de governo e amigo de grande parte dos patrões do bpn, não sabia de nada? Ao banqueiro cadilhe nunca chegou ao ouvido rumores do que se passava no bpn?
    E porque não denunciou logo no momento a nacionalização, porque não apontou logo na altura a culpa à falta de supervisão?
    Não, na altura primeiro arrecadou a garantia bancária dos nove milhões que exigira como garantia de perda da pensão do bcp: deste modo encaixou a totalidade duma só vez da pensão a receber a dez anos. Depois exigiu do Estado seicentos milhões (ou oitocentos, cito de memória) para viabilizar o bpn. Como o Estado não lhe concedeu tal verba rebelou-se até hoje: provavelmente queria fazer pagamentoos a amigos e eram mais esses milhões que iam à viola.
    São passarões destes que, depois dos acontecimentos todos passados e de todas as interpretações possíveis face ao que se passou depois, falam de galo e forte julgando que convencem alguém com o imenso talento de falsos fingidores.
    cadilhe também foi à pressa tentar raspar o tacho gigante que era o bpn, só não o conseguiu porque teve pela frente um governo de gente séria. Desde então anda ressabiado e atira para todos os lados. Menos, claro, para os culpados.

  4. o ressabiamento do cadilho está no dinheiro que perdeu por ter trocado o bcp pelo bpn, mas disso não fala.

  5. Cadilhe, queria o banco a preço de saldo,e culpa agora o policia,que não tinha documentação que lhe permitisse fazer uma auditoria às verdadeiras contas.Lembro-me de Dias Loureiro ter ido falar com Antonio Marta (quadro superior do BP) e questionar a perseguição do BP ao Bpn,palavras de Antonio Marta.Agora este banqueiro sem banco…vem dizer que não havia perigo de risco sistemico,para nacionalizar o banco.Mariano Rajoy, devia ter feito a cimeira com Cadilhe,para ser aconselhado a não nacionalizar.A direita, como está em todo lado da vida portuguesa,sinto-me dentro de um colete de forças e com falta de ar.Isto vai acabar muito mal (bem digo eu…)

  6. Val,posso falar de Cadilhe 30 vezes desde que seja em contexto diferente.Se quer que eu ande por aqui,com civismo e conviçoes,não volte por favor a vir com a conversa da treta.para dizer que me estou a repetir.Maria Rita

  7. Ignatz,

    O coitadinho não perdeu, pelo contrário ganhou: para tomar conta do bpn exigiu uma garantia bancária do próprio bpn para garantir a sua reforma do bcp de 9.800.000 para receber a 10 anos a 35.000/mês.
    Claro, antes de largar o bpn, porque não lhe deram os 600.000.000 que pedia para “salvar” o banco, levantou a garantia bancária e receu inteiro e de uma assentad a massa toda.
    É por isso que agora é preciso fazer muito alarido e ganir passa-culpas para os inocentes, uma forma de esconder as pulhices próprias.
    Esta malta, bons alunos da escola cavaquista, são uns campeões da desonestidade com ar sério, entretando fizeram-se ricos em três tempos quando para os outros nem que nasçam três vezes vão lá.

  8. obrigado neves, tinha ideia que o teixeira lhe tinha quilhado os planos, mas se é assim retiro o que disse.

  9. A ” esquerda verdadeira” NUNCA transformou o Constâncio em alvo a abater, é chato querer ser revisionista, mas o raio, é que existem as actas da primeira comissão de inquèrito , e o relatório do João Semedo aponta o dedo aos ladrões, mas não deixa calar as criticas á actuação do Banco de Portugal e de Constâncio, aliás não foi só no BPN, a fiscalização do BPP e até do BCP, deixou muito a desejar.

    Para o que Constâncio ganhava e a sua equipa ,no minimo era desejável, que fosssem COMPETENTES.

  10. Voltamos sempre ao mesmo. A bandalhice do BPN, do BPP, do Lehman Brothers, do Bank of Scotland, das Caixas Espanholas, Crédit Lyonnais, dos vários Bancos Alemães, Ingleses, Franceses e por aí fora que foram intervencionados e nacionalizados e onde se vieram a detectar as maiores vigarices e desfalques, também foram culpa do SÓcrates, Constâncio e Teixeira dos Santos? Ou isto terá tudo resultado daquilo que acusam o Krugman, o Roubini e outros, a falta de regulação financeira e controlos inexistentes. Lembram-se do Madoff que vendia títulos de participação em valores inexistentes e vendeu muitos milhões a grandes banqueiros com o O Ulrich ou o Ricciardi SALGADO DO bes. E estas sumidades enfiaram o barrete! Também será culpa do B.Portugal, Sócrates e cª? Esta gente “séria” ou ordinária na melhor qualificação, tem uma grande confiança na ignorância dos portugas que tratam como atrasados mentais!

  11. Sousa Mendes, o grave problema é que a maior parte dos portugas, para além de bestas ignorantes, SÃO MESMO atrasados mentais. Basta ler as caixas de comentários da “blogosfera” e da imprensa “on-line” (sobretudo as não-moderadas), ou atentar na votação do Passos Coelho e do PSD, a 5 de Junho transacto…

    Quanto à gentinha “séria” em geral e ao finório Cadilhe em especial, por mim, estamos conversados para a vida toda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.