13 thoughts on “Boas malhas de um exímio malhador”

  1. Referes-te a isto, a.r.?

    __

    João Dias, larga o vinho.
    __

    edie, és e serás. O teu cargo é vitalício. E cá está a prova do acerto na gestão: trouxeste um super-clássico numa super-versão.

  2. Edie, lembraste-me uma que também é boa para o arrepio e justifica a “tese” de que “morrem cedo aqueles que os deuses amam”:

    http://www.youtube.com/watch?v=C-GFqhCq2HA&feature=related

    http://www.youtube.com/watch?v=dmpoFcaJA3M&feature=related

    A versão a seguir tem uma curiosidade: no meio da variadíssima salada de imagens que “ilustra” a música podes ver o Mário Soares a arengar às massas, na efervescência pós-25 de Abril:

    http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&NR=1&v=PecJh0_mCNg

  3. Val,

    nem mais. Muito obrigado. Creio que ficara como um marco da senilidade televisiva,

    ideias mais do que imbecis, pura destilação pré fascista.

    Salva-se o Vitorino e a apresentadora.

    Moral, “racionamento sem exclusão” em saúde, depois de uma pirueta semântica um

    brilharete digno da indigência nacional.

    PS. segue um texto para tua apreciação via e-mail.

    abraço

  4. (shh, Val, não digas essas coisas de cargos vitalícios e coiso, que ainda dizem que somos irmãos maçónicos e não me apetece ter de andar de estrela, perdão, de compasso, na lapela :)

  5. Pobre anónimo, já vi que não fazes a mínima ideia de quem foi, o que foi, o que cantava, porque cantava e para quem cantava a Janis Joplin. A paz seja contigo, mas acredita que com ela não estava, nem tal coisa lhe interessava.

  6. Não tenho problema nenhum em repetir-me. Aqui vai:

    “ODE” A UM COMENTADOR ANÓNIMO
    Vai-te foder, anónimo merdoso e poltrão,
    furúnculo pestilento em hemorróida de macaco,
    escarro tuberculoso enxertado em cagalhão!
    Acaso temos culpa do desgosto que te consome quando te olhas ao espelho?
    Com que direito nos obrigas, afogados pela crise,
    a gastar o dinheirinho em “Baygon Animais Rastejantes” para lidar com a tua laia?
    Que culpa temos nós que para escrófulas da tua raça, parvalhão,
    só restasse a licenciatura em vomitório de terceira classe?
    De que puta de ETAR fugiste, meu cabrão?
    Que o Milagre do Autoclismo se abata sobre ti, coliforme repugnante,
    e Nossa Senhora da Santíssima Reciclagem te dissolva no seu seio, dejecto infame!

    Quanto a deus-vosso-senhor, e para que possas avaliar a excelsa qualidade das sherlokices te terceira que te fritam os dois neurónios, sai citação do divino marquês, que subscrevo na íntegra:

    “Assim pudesses tu, ser quimérico e vão, cujo nome bastou para fazer correr mais sangue à superfície do globo do que qualquer guerra política, voltar para o Vazio onde te foi, infelizmente, buscar a louca esperança dos homens e o seu ridículo temor. Não surgiste senão para suplício do género humano. Quantos crimes não se teriam evitado sobre a terra, se se tivesse degolado o primeiro imbecil que se lembrou de falar de ti!”

    Não teria sido má ideia terem-te feito o mesmo, anónimo fedorento.

  7. oh escalrracho! poupa nos poemas d’amor e comenta as imbecilidades de que te acuso ou serás assim tão lerdo que não percebes andar a fazer ping-pong com as bolas dos outros? prá próxima cita o original, que isso parece remix da buraca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.