Abre-me essa pestana

Primeiro, lê este. Demora 2 minutos, menos se não sabes inglês. Depois vai fazer um chá, passeia, fuma um cigarrito, dá comida ao gato, perde-te a olhar para quem passa. E volta para ler este.

É que temos de acabar com a tanga do dualismo razão-emoção. As emoções são racionais, mecânicas. E a razão tem sentimentos que o próprio coração desconhece.

3 thoughts on “Abre-me essa pestana”

  1. Valupi, “é que temos de acabar com a tanga do dualismo razão-emoção”. Por alma de quem?
    “As emoções são racionais,mecânicas”. Desde quando?
    As tuas pilhas andam a ser carregadas com a voltagem errada, são mais altas que as indicadas, logo, a coisa ferve, os elementos deformam o “equipamento”.
    Ou és irónico?
    A coisa é mais simples, ou querem papar um jantar em boa companhia, ou querem
    as duas coisas. Quem ainda não sabe que o que diz conta pouco, deve de preferência, tentar na próxima, ouvir e ficar calado. A escolha esta feita, mas nunca por si.
    Quem “dá cartas” não somos nós, ou não? Esclarece SFF.

  2. Um dos problemas dos dualismos é a solidificação dos pólos de tal modo que nos tornamos escravos deles sem nos apercebermos.

    Gosto do elemento de procura (de auto-procura e de procura dos outros) que a reflexão sobre as emoções promove. E sobretudo porque as palvras, ainda que bons utensilios, às vezes nos embrulham nas emoções numa cegueira estranha organizada em discursos.

    Salva-nos o modo como a arte nos permite explorar dentro de nós próprios reinventando os nomes e os sentires emocionais, relevando padrões, manifestando o lugar das surpresas. Mas mesmo aqui é preciso continuar a treinar!

  3. ramalho, pela alma de cada um. E a alma tem leis, daí as emoções serem mecânicas, obedecendo a lógicas tirânicas. Por isso as mesmas emoções se repetem perante os mesmos estímulos. Para algumas pessoas, a mecânica das emoções anula a liberdade até ao fim dos seus dias.

    Onde me perdes é na temática dos jantares e das cartas. De que falas? Fala-nos lá disso.
    __

    dina, não posso concordar mais. E, dizem, esse treino não tem fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.