Crónica para um menino que também perdi

222160.jpg

Escrevo-te, André, esta crónica triste descendo a Avenida Fontes Pereira de Melo, no mesmo lugar onde há vinte e quatro anos chorei as lágrimas mais quentes e mais grossas pela morte do teu irmão Paulo. É esta estranha e repetida geografia citadina que me leva hoje a recusar as lágrimas e pensar em ti não no passado mas no presente.

Tenho em casa, algures perdida numa gaveta, mas não perdida na minha memória, uma fotografia que tirámos na eira da casa da tua avó. É uma fotografia a preto e branco como, afinal, são todas as fotografias porque na verdade o nosso mundo não é a cores mas sim a preto e branco. Como aquela fotografia em que estamos todos felizes depois de um almoço de festa, cozinhado naquele fogão que é um monumento culinário e naquela cozinha que é um santuário da gastronomia. Mais do que felizes, estamos juntos, todos juntos à volta da festa de aniversário da tua avó que eu abusivamente resolvi, entretanto, tomar como minha.

Era Abril, o mês de todas as esperanças, depois de tantos anos de notícias censuradas, de músicas proibidas, de filmes cortados, de ruas sossegadas e de prisões cheias. Circulo hoje de mãos nos bolsos, cheio de frio e atónito perante a notícia da tua morte em Paris e a Avenida Fontes Pereira de Melo, onde soube da morte do teu irmão Paulo em 1982, esta avenida, transformou-se, de repente, num quadro cor de cinza onde o teu nome está escrito e não se apaga.

Quero que saibas, André, que continuamos todos naquela fotografia a preto e branco tirada à volta da avó na eira numa tarde de sol em Abril. Vamos continuar todos nessa fotografia porque ao lado da avó somos felizes e não há preço a apagar nem pelos beijos nem pelas lágrimas.

José do Carmo Francisco

8 thoughts on “Crónica para um menino que também perdi”

  1. Dúvida:

    é mesmo “preço a apagar”?

    Eu sei que temos o verbo “apagar” a terminar o parágrafo anterior, mas também por isso a minha curiosidade.

    Quanto ao resto, ao essencial, ainda bem que pude ler. Muito obrigado.

  2. Valupi, o preço a apagar é que era bom, não?

    Gostava de conversar sobre economia um dia contigo, se te der para fazer(es) um post sobre isso. Hoje não, que isto agora é Carnaval e ando com dor-de-corno(s) porque apanhei uma apaixonadela no domingo e está quase a passar mas ainda não passou.

    Sobre a economia o que me intriga é que lhe é dado um estatuto de coisa objectiva, quando é feita pelos homens e pode ser refeita, assim haja acordo intersubjectivo.

    Ficámos cilindrados entre os malefícios da estatização, com todas as perversões do aparelho e da nomenklatura, da corrupção endémica e do favorzinho, por um lado, e a ‘selva’ liberal com alguns destes ingredientes e a competitividadezinha à la prozac.

    Também não tenho alternativa, a não ir propondo uma variedade de equilíbrios eticamente indexada. Mas fico um bocado irritado com esta falta de imaginação.

  3. … não me deves nada Valupi, eu é que te devo, talvez, mas tenho esperança que já estejamos quites. Não gosto nada disso de dívidas, em qualquer dos sentidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.