No planeta Terra, papa já há um e tem um público limitado

 

A propósito de Guterres passar a liderar as Nações Unidas. (Na foto, dirigentes da Boko Haram e respetivas armas)

 

Tal como não existe tal coisa de uma mulher ser melhor do que um homem só por ser mulher (e, por tê-lo afirmado, a ONU está de parabéns), também não existe tal coisa de um português ser melhor do que um búlgaro/chinês/malaio só por ser português (podem pôr no feminino). Ser português não é, infelizmente, garantia de qualidade, como ilustra o caso de Barroso, e, quando a má qualidade e o umbiguismo de cariz financeiro se dão a ver internacionalmente, a vergonha pode ser total. Apesar disso, estou contente pelo facto de o português António Guterres ter sido considerado por avaliadores internacionais, e num processo inédito de transparência (resta saber se se mantém), o mais apto e preparado para liderar a ONU. Foram eles, os representantes dos diversos países, sobretudo os dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança, e após escrutínio também por organizações civis, que o escolheram, não fomos nós, convém lembrar. No entanto nós, e penso que nós todos, com excepção de Mário David, considerámo-lo merecedor do cargo pelo percurso seguido, pelo seu humanismo e pelo seu dom da palavra (importante sem dúvida) e solidarizámo-nos com a sua vontade de exercê-lo. A responsabilidade e os louros pelo que acontecer nos próximos cinco anos ficam assim, de certo modo, partilhados. Espero, muito esperançada, pelos louros.

Guterres nasceu em Portugal, estudou em Portugal, teve mestres portugueses, fala português, gosta possivelmente de sardinhadas e de bacalhau à Zé do Pipo. Nós também. Ele podia ser eu ou tu. Essa sensação, ainda em estado puro, é boa. Confirma-se que não somos um Estado falhado – temos uma sociedade organizada, instituições estabelecidas, boas escolas (Guterres sempre estudou cá), tranquilidade suficiente para produzir académicos e políticos de qualidade. Mas atenção: Guterres não deixa de ser escrutinado a partir do momento em que assume o cargo de secretário-geral das Nações Unidas. Aqui, em Portugal, pelo menos, o escrutínio vai ser permanente e emocionante.

Sabemos que o novo cargo não lhe confere um grande poder. A sua acção será a montante e a jusante dos poderes políticos. Ganhará mais poder de intervenção na medida exacta do prestígio que for ganhando no exercício da função.

Embora sabendo que, ao contrário de Barroso, Guterres vai por bem, espero que não desperdice esta oportunidade de acção limitando-se a mensagens genéricas de paz e concórdia entre os homens como se fora um papa. O planeta Terra não está fácil de gerir. As armas parecem fluir livremente. Há um ponto sobre o qual Guterres tem que conseguir um acordo mundial: secar as fontes de abastecimento de armas a grupos de bestas como os lá de cima, o Daesh, a Al Qaeda, a Al Nusra e mais uns tantos já bem identificados. Estarei a ser utópica, mas esta é a minha missão pessoal para Guterres. Depois, chegámos a um ponto em que mesmo os mais humanistas dos humanistas têm que estar conscientes de que a tolerância tem limites. Não podemos cristãmente “dar a outra face” a assassinos e a australopitecos sociais e deixar assim morrer tudo o que de bom a humanidade já conquistou. Não passando Guterres a ser o dono do mundo – pois não só não tem acesso a um famoso botão como também não possui, por si só, um exército interventor e nem sequer dissuasor e muito menos uma potência atrás de si – compete-lhe gerir equilíbrios de modo a prevenir conflitos graves ou de consequências brutais para populações desprotegidas. A ver vamos. Desejo-lhe sorte e sabedoria.

 

5 thoughts on “No planeta Terra, papa já há um e tem um público limitado”

  1. «Permitam-me uma palavra especialmente dirigida aos portugueses, para exprimir um profundo reconhecimento ao senhor Presidente da República, ao Governo, aos partidos políticos, à Assembleia da República, a tantas e tantas forças sociais, aos diplomatas portugueses, quer aqueles que em Nova Iorque, sob a batuta do embaixador Mendonça e Moura, que nas diversas capitais, quer aqui em Lisboa, conduziram uma campanha extremamente eficaz. A todos eles quero deixar uma palavra de profunda gratidão.» – António Guterres.

    Aqui, agora. http://www.publico.pt/mundo/noticia/o-dia-de-guterres-ao-minuto-juncker-extremamente-satisfeito-1746354

  2. não sei bem se foi o que quiseste dizer, Penélope, se sim fico ainda mais feliz e se não passo a dizê-lo eu: os tristes movimentos messiânicos só existem por conta dos nacionalismos.

  3. Guterres menciona que uma coisa que o marcou muito ao serviço da ONU foi no Congo ter entrevistado uma mulher e sua família vítimas de sofrimentos e morte violentíssimos (não vale a pena descrever aqui).

    Guterres, e a ONU, um ninho de cobras, sabem que os Congos e toda a África foram vítimas das “descolonizações exemplares”, que provocaram genocídios e etnocídios.

    E que a ONU toda a vida foi uma “barata tonta” que assistiu e testemunhou passivamente a todas as barbaridades, pelo mundo, e até justificando-as a mando dos “senhores do mundo”, os grandes.

    Guterres precisa mexer, remexer naquela casa desorientada, e apesar do apoio merecido, irá merecer todos os aplausos do mundo, quando aquilo deixar de ser como que uma “simples Cruz Vermelha”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.