Lembram-se do Assange? Pois prefere Trump a Clinton

Ele próprio o afirmou numa entrevista ao canal inglês ITV antes da Convenção do Partido Democrático americano e próximo da publicação pela Wikileaks de e-mails pirateados da Comissão Democrática Nacional, que indicam que funcionários do partido apoiaram a título privado a nomeação presidencial de Hillary Clinton. (notícia no New York Times)

At one point, Mr. Peston said: “Plainly, what you are saying, what you are publishing, hurts Hillary Clinton. Would you prefer Trump to be president?

Mr. Assange replied that what Mr. Trump would do as president was “completely unpredictable.” By contrast, he thought it was predictable that Mrs. Clinton would wield power in two ways he found problematic.

First, citing his “personal perspective,” Mr. Assange accused Mrs. Clinton of having been among those pushing to indict him after WikiLeaks disseminated a quarter of a million diplomatic cables during her tenure as secretary of state.

“We do see her as a bit of a problem for freedom of the press more generally,” Mr. Assange said.

Freedom of the press“, diz ele. Sabendo que poderia dividir os democratas, acirrar os ânimos dos apoiantes de Bernie Sanders e favorecer assim, indiretamente, o candidato republicano, Assange usa da sua liberdade de imprensa, eventualmente garantida pelos russos, que parece preferirem também Trump, para vingar um ódio pessoal. De notar ainda como ser “totalmente imprevisível” (qualidade atribuída a Trump) é, para Assange, uma boa coisa. É caso para acreditar que está à espera de boas surpresas vindas do inenarrável candidato republicano.

 

Os jornalistas dos Panama Papers emudeceram para não levantarem ondas prejudiciais aos seus amigos; este publica fugas conseguidas sabe-se lá por quem para intervir politicamente em nome de uma vingança pessoal. São todos extraordinariamente isentos. Sim, é verdade que o New York Times, que também não tem que gostar do Trump e não gosta, sabe que o que publica tem uma intenção e também um efeito. A notícia é, porém, objetiva e pertinente. Dir-me-ão que o “leak” do Assange também era pertinente (embora quase ineficaz), porque ele preferia o Sanders (que não é má pessoa, só demasiado sonhador e utópico e com menos hipóteses de vencer a nomeação). Mas a verdade é que não era o Sanders que iria ganhar a nomeação e muito menos derrotar o Trump, caso tivesse sido nomeado. A questão é, pois, a seguinte: o Assange quer o Trump como presidente dos Estados Unidos? A sério?? Até o nosso PCP já conseguiu descortinar algumas diferenças entre os nossos dirigentes locais, quanto mais este pateta quando está em causa o governo da maior potência militar do planeta.

15 thoughts on “Lembram-se do Assange? Pois prefere Trump a Clinton”

  1. e quem tem governado a “maior potência do mundo” tem sido israel…. vá se lá saber se não é por isso , por não ser fã dos ” eleitos “, que o trump tem tantos apoios estravagantes.

  2. dass… lições de yo yo no infantário do aspirina.
    o assange luta pela sobrevivência e o trumpetas pode ser a tábua de salvação.

  3. Sobre o belo trabalho de hilary só me vem à memória aquela criança líbia, no meio do maior pandemónio de “libertadores democratas” disparando velhas espingardas, chinelos no meio dos dedos e ténis desfeitos , mostrando para as câmaras da CNN um cartão sujo escrito à mão:

    “Mama Hilary save us”.

    Parece que o que foi salvo foram os biliões que hoje, se pode perguntar ao cherne barroso onde estão.
    Parece que no seu novo cargo, está em boa posição de nos esclarecer.

    São momentos da chacina líbia em contínuo, que merecem ser revisitados e discutidos com seriedade dado que corremos o risco de ver a mama hilary a tomar conta de nós.
    O tal de trump : ainda não sei quem é.
    A outra já a topo de ginjeira.
    Gosta de assistir a mortes em directo. Lembram-se ? Lembram-se bem?
    O príncipe hussein também lá estava.

  4. só algumas umas coisas sobre essa escumalhas da pior espécie:
    – não dá uma única conferência de imprensa há quase 1 ano;
    – tinha e-mails sobre assuntos de estado marcados como confidenciais da maior potência nuclear do mundo guardados num servidor na cave dentro de sua casa e com proteções de segurança física e informática mínimas;
    – apoiou contra a tendência do seu partido a invasão do iraque em 2003, colando-se a bush que agora se cola a ela e está de costas voltadas o partido republicano que em boa hora se livrou de tão funesta família e respetiva memória. lembro que a invasão do iraque tomada contra resoluções da onu, contra o direito internacional, contra as melhores consciências políticas, contra Trump que era absolutamente contra essa invasão, e no decurso de um processo moroso mas que decorria com certa normalidade com inspetores da onu, os quais disseram sempre até ao fim que nao havia sequer indícios de armamento genocida, já causou milhões de mortos civis e militares árabes, americanos e de tantas outras nacionalidades. Um crime de guerra a que essa merdosa ficará para sempre associada e que agora com a mais reles das hipocrisias nunca é lembrada.
    – a fundação a que preside é um antro de lavagem de dinheiro e de tráfico de influências – vd. Clinton Cash – https://www.youtube.com/watch?v=7LYRUOd_QoM
    – fala sem o mínimo respeito e num tom de desbragado confronto acerca da 2.ª maior potência militar e nuclear do mundo, pretendendo continuar a instalar dispositivos nas respetivas zonas fronteiriças destinadas a anular a capacidade nuclear dessa potência. A completa besta quadrada acha – ou melhor, diz que acha, posto que as suas reais intenções são evidentemente bastante soturnas – que isto contribui para a segurança e paz no mundo.

    É esta a merda que é servida às gentes progressistas, sinceramente democratas, liberais nos costumes, realmente civilizadas e respeitadoras dos direitos humanos. E estas gentes escolhem Hillary não apenas por ser o contraponto de um demónio, mas porque realmente acreditam nesta escumalha. Esta última parte é que me custa. Mas hoje vi um programa na tv com gomes ferreira e outros três jornalistas, uma delas uma baluarte da comunicação social progressista e bem pensante, que falavam da delação banalmente como um meio legítimo de investigação criminal como qualquer outro e vim depois a saber que a proposta vinha até de um magistrado do ministério público. Como se isto fosse perfeitamente normal e até um tema interessante de discussão. Agora percebo que tipo de escumalha é esta que prefere hillary a trump e da delação passará à tortura como quem de uma imperial passa a um copo de tinto.

  5. É o que o ignatz diz, o Assange quer limpar o pelo, e o trompetista deve ter prometido uma amnistia. A oligarquia russa usa o trompetista para arranjar vistos gold nos estates. Diz que é esse o negócio.

  6. Estarei a ler comentários no aspirina b ?
    Que tal o endorsement de sadam e cadafy ?
    Depois de putin o inimigo eleito para o momento chega a coreia do norte (o irão já passou…money, money,..).
    Só falta levantar da tumba os dois grandes assassinados em directo sem bolinha vermelha no ecran.
    Falta também o mp português e seus homens de brilho e inteligência bem visíveis quando em directo na tv, investigarem, prenderem e ajudarem mama hilary num tipo de trabalhinho que tão bem sabem fazer.

    Isto é que está uma pouca vergonha!
    Ou será brincadeira e já não consigo atingir por a considerar perigosa e confusa?

  7. Caro Ignatz: se o yoc e outros gajos do Aspirina B te incomodam não respondas.

    Vira-lhes o cu e manda-os foder.

  8. Como o Francisco Assis você já não acredita no socialismo.

    Você acha que é “demasiado sonhador e utópico”.

  9. O endorsment do Saddam foi o gajo das mãos pequeninas que fez, vê lá se enontras esse vídeo ó palerma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.