Estas pobres crónicas

Como pode um diretor de uma estação de rádio prestigiada ser tão limitado e nada questionar?

Paulo Baldaia é ultimamente o cronista de serviço ao governo. Seja essa postura consciente e convicta ou, pelo contrário, forçada e condicionada, ela transmite do homem uma imagem pobrezinha e serviçal, o que não deixa de se estranhar num quadro de independência de, pelo menos, as estações privadas de comunicação social (com destaque para a TSF). Não se tem paciência para o ler regularmente no DN, mas, de vez em quando, espreita-se o que anda a dizer, à espera de que, pelo menos, um olho tenha conseguido abrir. Nada. A hipnose continua. Hoje, a propósito da sustentabilidade da segurança social, lá está ele no seu posto, de olhos bem fechados, a fazer continência à franqueza e honestidade de Maria Luís ao dizer que a única maneira de equilibrar as contas será cortar nas pensões de reforma atuais.

Nada do que aqui está dito constitui uma novidade e, com análises muito mais sustentadas, os partidos do arco da governação conhecem bem a dimensão do problema. Por isso, ouvir a ministra das Finanças falar verdade só nos devia surpreender pela positiva. Infelizmente, sem surpresa nenhuma, percebemos rapidamente que em campanha eleitoral vale tudo, menos falar verdade. PSD e CDS, com medo de perder votos, apressaram-se a corrigir Maria Luís Albuquerque e o PS aproveitou para pescar de arrasto entre os actuais pensionistas, jurando que não lhes corta nem um tostão. Sabemos todos que não há almoços grátis e o que não pagam uns terá de ser pago pelos outros. Para que não se fale de guerra de gerações, a solução não pode ser a de ilibar os actuais pensionistas de contribuir para a sustentabilidade do sistema. Todos têm de contribuir solidariamente. É preciso mexer nas pensões em pagamento, nas que já estão em formação e nas que virão a ser formadas com os que agora entram no mercado de trabalho. É a verdade de que fala a ministra, o resto é uma grande mentira que os partidos querem transformar em votos.”

Há que lembrar a Paulo Baldaia que uma coisa é «falar verdade» – parece ser um facto que os cofres da segurança social não estão cheios como os outros a que Maria Luís se referiu há pouco tempo – , outra coisa é a resolução desse problema. António Costa também é capaz, ó Baldaia, de dizer – e diz – que a sustentabilidade da segurança social está bastante ameaçada (parece que houve uma crise, vê lá tu!, e que as contribuições diminuíram drasticamente). Se António Costa e o PS não o reconhecessem, não apresentariam soluções para o problema no seu programa eleitoral. A proclamação desta verdade não é, pois, exclusiva de Maria Luís. Outra coisa é a proposta de solução. E Baldaia não podia estar mais de acordo com os cortes anunciados, valendo o elogio à ministra igualmente para esta «franqueza». Ora, é simplista demais para um diretor de um órgão de comunicação social (que não seja o Correio da Manhã) a defesa da perspetiva de que novos cortes nas pensões são a solução para tornar a segurança social sustentável. Simplista, básico e deprimente. Um jornalista, e por maioria de razão este, devia ser mais bem informado e isento. Assim, deixo aqui algumas perguntas para Paulo Baldaia responder «honestamente» numa próxima crónica.

O que melhorou com os cortes dos últimos três anos? Por que razão estão os cofres da segurança social depauperados? Se os novos cortes nada resolverem como os anteriores, até onde é legítimo ir? Até à suspensão dos pagamentos? Quais os efeitos na economia de mais uma redução no poder de compra das famílias? Em que medida é errado querer evitar esses efeitos? Como é que se pode criticar quem apresenta alternativas que visam atacar a raiz do problema, ou seja, as fontes de financiamento, o desemprego, a fuga de jovens e o encerramento de empresas, justamente por não terem clientes, embora as medidas previstas demorem seguramente mais do que seis meses a produzir efeitos? Como travar este ciclo vicioso de empobrecimento que vai esvaziando os cofres? Não se trava? Trava-se? E se não se começa já a travar, quando se começa? Talvez Baldaia não concorde com o sistema de segurança social? Prefere que cada um contrate com as seguradoras a sua futura pensão? Sabe Baldaia o que acontece às pensões de milhões de pessoas nessas circunstâncias quando há um crash financeiro?

Para me certificar de que a claustrofobia democrática já era, fico sentada à espera de uma crónica desinteressada. Ou então de uma crónica «verdadeira» a assumir em português que o melhor é cada um tratar da sua pensãozinha e não chatear o Estado, que tem mais que fazer. Como tratar do desemprego de alguns.

23 thoughts on “Estas pobres crónicas”

  1. É um senhor incomodo quando a comunicação social decidiu, segundo os trolls de serviço aqui na ermida online do Santo e da verdade e salvação xuxa, conspirar toda , todinha, contra os Messias e os verdadeiros Mandamentos da boa e unica boa politica ! Um encanto de proselitismo gauche !

    É pena ainda não se terem dedicado com o mesmo afinco e exigência de rigor na crítica ao proto plano macro do Ps … vai ser interessante quando perceberem a gosma gelatinosa de que é feito !

    Quanto ao Baldaia … só disse o óbvio !

  2. poizé, oh lopes! a coisa só se compõe quando o genro do cavaco comprar a internet, entretanto vai pagando uns ordenados ao baldaia para umas acções de graças ao regime. quanto a proto planos macro, estou à espera que a abençoada coligação apresente o seu, devidamente carimbado pela utao, para comparar com o dos xuxas. mas acho que não vou ter sorte nenhuma porque os gajos não querem correr risco de bruxelas reclamar que se comprometeram com uma coisa diferente daquela que apresentam como programa eleitoral, se bem que a menistra buquéca já tenha declarado: «prometemos umas coisas e depois das eleições logo se vê».

  3. Pois é, ó lopes… e se fosses ler o artigo da mariana mortágua no jnotícias sobre este assunto?
    Um cheirinho para avivar a memória: “até 2012 a Segurança Social teve saldo positivo durante 11 anos seguidos e contribuiu para o equilíbrio orçamental do Estado. O “buraco” nas contas das pensões foi o Governo que o criou com a destruição de quase meio milhão de postos de trabalho, a emigração de outros tantos e a quebra nos salários. (…)
    E para disfarçar a asneira não têm qualquer pejo em cortar direitos, nem mesmo o mais básico, como a garantia que todo o trabalhador receberá no futuro a pensão para a qual descontou e nem um tostão a menos.”

    Ena, ena…

    Mais um da escola do pasos lambão e do representante do fmi que dizia que na grécia se pode (sobre)viver com 300 euros.

    Nesse encontro na sede da Confederação Nacional do Comércio, ouviram a exigência dos homens da troika para um corte no salário dos trabalhadores gregos. Korkidis diz ter defendido que o país tinha pouca margem para cortar salários, fazendo uma comparação dos salários de então com os praticados noutros países europeus, para mostrar que já eram dos mais baixos.
    A resposta de Poul Thomsen deixou-o perplexo: “– Você está enganado, tem de comparar é com os salários dos países do sudeste europeu e dos Balcãs, que é onde pertencem”. Prossegue Korkidis: “E quando lhe perguntei a opinião sobre quanto deveria ser o salário, respondeu-me: ‘– 300 euros chega para viver na Grécia’. Aí tive de lhe perguntar quanto é que ele ganhava…”, relatou o ex-lider do patronato do comércio aos deputados da comissão

    GFDP

  4. O Baldaia era um jornalista de 5ª. categoria no Jornal de Notícias quando o vieram buscar para “dirigir” uma das principais rádios do País. Só isso já dá para desconfiar. Que qualidades terão visto no homenzinho? Estão agora bem à vista!!!

  5. LOPES, já viste que o IGNARALHIGNARAÇAS, tá sempre a mudar de cuecas, mas o gajo não tem sorte nenhuma, mas vai tentando. Quanto à «gosma gelatinosa» xuxa – comuna, tem lá a paciência de a chamares pelo verdadeiro nome. Aquilo é uma pocilga de perversão e divisão. Nem nos céus é apreciada…

  6. … a mariana tb é do grupo dos profs e teóricos que produziram a macro encíclica economico-xuxa pra entreter os pategos ?

    acho que a deviam convidar urgentemente tal é a enormidade das óbvias e lógicas conclusões ! Porquê as razões de tal buraco é que gostava de ver respondido pelos sábios Xuxas ? Sabes porquê ? Não queres ir a Évora averiguar ?

  7. as razões do tal buraco são menos contribuições e mais despesa devidos à política de desemprego e emigração do governo de coligação psd/cds. deram cabo da economia e foderam o país, agora queixam-se da merda que fizeram e atribuem as culpas para o governo anterior. tudo o que apregoaram era mentira e tudo o que fizeram deu merda, ide cantar a canção do bandido à puta que vos pariu.

  8. … ui ui Uiiiiiiiiiiii ignotroll, eu bem sei que gostavam de uma lixívia mágica pra branquear a merda colossal que o teixeira e o 44 incompetente e gatuno assinaram ! Eu sei é nós sabemos. Não deu pra esquecer sequer uma grama grandes Xuxas! Como eu adorava que tivessem sido vocês a governar com a Bancarrota e a Troika! Deviam ter sido voces, obrigados a mastigar tudo e a provar o veneno que nós ofereceram, grandes cabroes mentirosos e bandidos.

    Estejam descansados que não nos esquecemos de quem são as culpas que deram origem ao resto …

  9. poizé, foi o teixeira que nomeou o carlos bosta para supervisor das falências & assaltos bancários com o sucesso que todos lhe reconhecem e prejuízos avaliados à volta dos 40 gigas, montepio não incluído. vá lá, só uma medida que tenham posto em prática e que tenha resultado, nem a demissão da paulette funcionou.

  10. IGNOTROLL, IGNATRALHA, IGNARAÇAS, IGNARALHO, ó IGNORANTEZES, tu és um franco polarizador…

    congrétuleixiones.

  11. Esta Penelope e um espectaculo – de burrice claro esta – contesta uma evidencia com base em sofismas. Nao apresenta – e o PS tambem nao – qualquer numero credivel que conseguia explicar como e que se continuam a pagar as actuais pensoes sem que as pensoes futuras nao sofram cortes gigantescos. Convem lembrar que no ultimo relatorio da UE sobre Portugal, preve-se que as pensoes futuras representem cerca de 30% do ultimo salario desta geracao. Ja a geracao APRE! – Aposentados, Pensionistas Reformados e Energumenos – mama pensoes de 100 e 110% do ultimo salario, e nessas nao se pode tocar. E a constituicao carxlho! O principio da confianca constitucionalmente defendido e um gajo descontar o mesmo que o geracao da Liberdade e chegar ao fim e so receber 30% do ultimo salario. Plena confianca na encavadela que a geracao de Abril lhe enfiou.

    Em resumo, eis uma jornalista a apresentar um bom sumario do status quo, ao contrario do populismo bacoco e nulidade intellectual que ja estamos acostumados aqui.

    http://observador.pt/especiais/dez-mitos-sobre-a-seguranca-social/

  12. como o plano da coligação é acabar com o emprego, é natural que a segurança social deixe de existir e pagar pensões de reforma por falta de contribuintes, aliás, com esta coligação nada é viável, é tudo para destruir e distribuir pelos amigos e apoiantes. o grande sonho da direita é substituir a segurança social por associações de caridade para trocar uns pacotes de leite fora do prazo por votos.

  13. tens razao pa, explica-nos do alto do teu QI de amiba como e que uma economia que cai na bancarrota nao tem problemas em manter emprego / imigracao. Deve ser por magia, se em vez da coligacao la tivesse estado dream team – chamucas / preso 44 – o desemprego nem sequer teria continuado a sua trajectoria ascendente (desde o inicio do mandado do 44) e baixava logo a pique.

  14. Definitivamente, as arrastadeiras são mesmo a ralé dos estarolas, escolhidas a dedo. Que escumalha!

  15. Vejamos, desde a alegada “bancarrota” que o troll do Relvas agita, e desde que os fascistas assaltaram o pote:

    – o PIB caiu 25%
    – a Dívida Pública subiu 40%.
    – o desemprego REAL (não estou a falar do desemprego martelado para boi dormir) duplicou! situando-se agora nos cerca de 29%, ou seja mais de 1milhão e meio de desempregados numa população activa de cerca de 5 milhões de pessoas.
    – Empresas públicas lucrativas e portanto importantes fontes de receita do Estado foram vendidas ao desbarato, num crime económico sem precedentes em que o valor combinado de venda não chega para pagar um ano de juros da divida!
    – 1 milhão de novos pobres.

    Se antes estávamos em Bancarota agora estamos em quê???

    I rest my case!

  16. Agora estamos em que? Estamos nas consequencias da bancarrota.

    Nao discutindo os numeros, que estao todos errados, e importante perguntar: tambem ficaste surpreendido por ver o Victor Baia vender o Mercedes SLR depois de ir a falencia? Achavas que uma vez declarada a sua falencia no tribunal ele TINHA O DIREITO a continuar a passear num supercarro germanico?

    Enfim, o nivel de inteligencia do opiniador tipico deste blog e mais baixo que o dos espectadores dos leiloes da lota de Peniche.

  17. Lopes W, parabéns! Tens de “aparecer” mais vezes neste blog. Junta-te ao Numbejonada e Basico, as unicas pessoas decentes a escrever neste blog. Parabéns. :)
    (Também cheguei a pensar que seria bom o 44 ter vencido as eleições. Assim era ele a resolver a “porcaria” que fez. Mas incompetente como era, seria ainda pior para o país. Por isso, e como não tenho memória curta não voto ps, nem morta).

  18. Orra beie, oubi dizere cú IGNARALHO foi apanhado a sondar-se a si próprio. Deu-lhe práquilo, imitar os gatos a correr atrás do próprio rabo. Pariu mais uns quantos niqueneimes….

    Bibó SALAZAR. Grande homem, grande estadista. Muito poupadinho, também.

  19. Mete o salazar no cu. Ditador, aldrabão, assassino e filho da puta profissional que votou o povo à miséria e ao analfabetismo durante 50 anos, e que torturou e assassinou portugueses e portuguesas.

    Esse filho da puta morto só é venerado por cobardes recalcados como tu, que gritam isso escondidos atrás de um teclado.

    Queria te ver a dizer isso ali na rua !
    Não te acanhes ó cobardolas!

  20. JPFERRACOLHO esqueceste-te de te incluír.

    FRANGO CONATRA, digo-o na RUA e AQUI. Se te sentes incomodado, processa. Podes alegar incómodo político ( ou outro), requer ao tribunal a identificação do IP e a partir daí identificas-me. Apanharás com um grande balde de água fria, pode ser que te disciplines, então. Quanto ao demais, COBARDOLAS és tu, que te calas na rua ( e calaste-te durante esse tempo todo) e só falas atrás das tuas teclas sob um nick de frangueira suja de língua. Quanto ao analfabetismo que invocas, pelo menos SALAZAR, não tirou licenciatura de FAX nem se encheu com comissões à AMIGO DE PARIS. E sobretudo, não endividou Portugal nem assinou a venda da soberania. Portanto, toma lá outra vez, para ver se aprendes: VIVA SALAZAR. GRANDE ESTADISTA. INTELIGENTE, CAPAZ. Pumcatrapum. Lava a boca pá, tás sempre com isso ligado ao intestino, pá, não te intoxicas, hum? A sério?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.