“Esta crise voltou a colocar o homem no centro das decisões” – diz a nova nutricionista Isabel Jonet

Isabel Jonet escreveu uma Carta ao Futuro, transcrita pelo Jornal de Negócios. A presidente do Banco Alimentar parece satisfeita e realizada com o facto de 1% da população do mundo ocidental ter posto os restantes 99% a “regressar à essência das coisas” para poder ela própria enfim avançar sem barreiras para a plenitude dessas mesmas coisas. Será para ela a ordem natural das, mais uma vez, coisas. Quanto à visão bucólico-higiénico-purificadora que esta senhora nos expõe (ou será ao Futuro?) sobre a crise, só posso dar-lhe a palavra. Possivelmente sublima o que vê transportando-se para a estratosfera – uma apreciação benigna, diga-se, pois IJ podia dar-se muito bem com César das Neves.

Aproveitando a oportunidade cruel da crise para reflectirmos naquilo que vínhamos fazendo erradamente e para rectificarmos um curso permitiu lançar novas bases para uma sociedade, talvez uma civilização, sustentável. O esforço para regressar à essência das coisas permitiu deixar aos nossos filhos e netos uma herança menos pesada.

O repensar do modelo, permitiu um novo desenvolvimento das economias, contribuindo para recuperar os níveis mínimos de confiança e repor os fluxos normais de acesso ao crédito, crucial para fazer face ao desemprego, fundamental para o crescimento.

O Estado teve um papel insubstituível, o que lhe compete. Mas a sociedade civil aceitou o seu papel reeducando comportamentos e readquirindo sobriedade na forma de viver, nas opções pessoais. Recuperando valores que são a pedra basilar de todas as sociedade. Humanizando. Voltando a colocar o Homem no centro das decisões. […]

[…]Foi exigido um regresso ao essencial, um despojamento de tudo aquilo que vinha invadindo as nossas vidas, sem lhes acrescentar valor.

13 thoughts on ““Esta crise voltou a colocar o homem no centro das decisões” – diz a nova nutricionista Isabel Jonet”

  1. A herança pesada que deixamos aos nossos filhos é o fim do analfabetismo em grande escala, o direito à educação, as escolas públicas em condições, as estradas onde já não se batem os records de acidentes da Europa, os hospitais ao nível do que melhor há por esse mundo fora, o direito a não morar numa barraca, o direito a um ordenado mínimo, o direito ao trabalho, o direito à igualdade, etc.
    É a isto que esta senhora apelida de “tudo aquilo que vinha invadindo as nossas vidas, sem lhes acrescentar valor.”

    Dito isto não poderia ser mais claro o que significa para esta gente “regressar à essência das coisas”.

  2. Acho que a srª. jonet tem carradas de razão. Então não é que os pais portugueses andam há vários anos a dar uma bife por semana aos seus filhos para comer! Não se podiam contentar com umas salsichas de carne duvidosa daquelas que são tão apregoadas no merceeiro holandês? É para aí que a nossa sociedade tem que se encaminhar. Os bons bifes, o caviar e o champanhe só podem acessíveis para a casta da sociedade a que pertence a srª. jonet, quando não está a praticar a sua “caridadezinha”. Supico Pinto e o seu Movimento Nacional Feminino eram uns imberbes se comparados com esta srª. e a sua organização, no que concerne à defesa dos valores mais retrógados. A propósito, quanto ganhará esta srª., incluindo todas as prebendas. Não será que uma parte do que é oferecido em nome dos pobrezinhos vai cair a uma conta bem gorda?

  3. ESTA ISABELINHA PERDEU A ESTRIBEIRA DE VEZ.SERÁ QUE A senhorinha TEM A NOÇÃO DAS FIGURINHAS A QUE SE VEM PRESTANDO?FAÇO UM APELO PÚBLICO A TODAS AS PESSOAS IMPREGNADAS DE UM VERDADEIRO ESPÍRITO DE BOA VONTADE:PROCEDAMOS A UM PEDITÓRIO E REUNIDOS OS MEIOS NECESSÁRIOS,COMPREMOS E OFEREÇAMOS O VELHO VINIL COM O TEMA “VAMOS BRINCAR À CARIDADEZINHA” DO SENHOR DOUTOR JOSÉ BARATA MOURA,ÀQUELA QUE SE VEM REVELANDO COMO UM DOS BALUARTES MAIORES NA PROCURA DE UM REGRESSO AO SAUDOSO”LÁ VAMOS CANTANDO E RINDO”.

    NO NOVO PAÍS QUE ESTÁ A SER CONSTRUÍDO,DE FACTO,SÓ AS VACAS,ALIMENTANDO-SE NOS VERDES PRADOS,DOS AÇORES OU OUTROS,TERÃO VONTADE DE SORRIR!!!

  4. ela fala deste mundo imaginário como se já tivesse acontecido! Saímos da crise, as economias prosperam, o desemprego desapareceu e surge uma nova civilização que volta à essência e se torna sustentável, e tudo isto graças ao “papel insubstituível do Estado” (de facto).
    Uma pessoa fica sem qualificativos para lhe aplicar. Estará doente ou odeia tanto como parece? Acredito que o Banco Alimentar tenha mais freguesia que nunca, mas isto é demais. Alguma figura pública devia chamar a besta pelo nome. Pena que ela não faça parte do grupoo de privilegiados que regressou à essência, apesar de falar na primeira pessoa do plural – deve ser um tique ligado ao nós majestático.

  5. E que tal, parafraseando esse “grande vulto” da coltura FJViegas, mandarmos a D. Isabel Xonet “tomar no cú” mais as teorias dela. Grande mula!!! Eu queria era vê-la a governar a casa dela com 500 ou 600 euros por mês.

  6. até me causa arritmias…

    Esses dos poucos euros são os tais que já chegaram ao transe essencial, à união com o universo, com deus. Uma grande massa da população, nos tempos primitivos designada de “classe média” (uns brutos), para lá caminha, rumo à salvação. Mas a Isabel é duma casta diferente; ela não precisa de empobrecer para ver a luz. Espero ter contribuído para compreenderes melhor a Verdade e não chamares nomes feios à senhora, isso deve ser porque ainda estás muito agarrado aos bens materiais: mais que uma refeição por dia, e quem sabe com carne, ida ao cinema, compra de roupas ou calçado, transportares-te, fazeres exames médicos, leres livros, pores crianças na escola, quiçá até na universidade…enfim, uma perdição a que felizmente o estado, no seu papel de representante divino, porá termo.

  7. Ali o André de Castro pergunta e com imensa razão: “o que significará para esta gente, regressar à “essência das coisas”?

    Eu julgo que a coisa se resume para esta dona jonet, em regressar àquilo que sempre animou as gentes “bem” da nossa terra: deixem-nos os pobrezinhos, por amor de Deus! São as esmolinhas que lhes damos com tanta caridade e amor a Deus que nos garantem um lugarzinho no céu quando Deus nos quiser levar para o seu reino!

    Se não é isto, deve andar lá muito perto. Mas, na dúvida, perguntem ao Lobo Antunes (o António, claro) que algures descreve com toda a perfeição esta situação vivida pelas suas tias ali para os lados da sua casa de Benfica!

  8. Edie, a tudo isso que dizes que eu faço, “mais que uma refeição por dia, e quem sabe com carne, ida ao cinema, compra de roupas ou calçado, transportares-te, fazeres exames médicos, leres livros, pores crianças na escola, quiçá até na universidade…”, eu pecador me confesso. Mea culpa…. mea maxima culpa!!!
    Mas continuo na minha: A D. Isabel Xonet que vá “tomar no cú” mais as teorias dela.

  9. Currently it seems like Drupal is the best blogging platform
    available right now. (from what I’ve read) Is that what you’re
    using on your blog?

  10. esta senhora é mesmo burra.será que o marido,é um empresario dependente do governo? é que ela ofende o extrato social que mais contribui para o banco alimentar,a classe media.ainda recordo o que me disse uma voluntaria em frente à porta do supermercado: “quem dá, são as pessoas com ar mais simples”.a direita dá menos com a esquerda no poder.a esquerda disso não pode ser acusada,porque mesmo em dificuldade os donativos têem aumentado substancialmente.espero que na altura certa lhe ofereçam um bom par de patins! .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.