António Capucho, vá-se lá saber porquê, diz que Passos é obrigado a ser liberal

Criticou duramente o anterior Governo por estar a destruir o Estado Social. Este Governo não está a seguir o mesmo caminho?
– Em defesa deste Governo, tenho de dizer que está a fazer aquilo a que o anterior Governo se comprometeu, que o País e o Estado se comprometeram. De facto, as prestações sociais baixaram em todos os sentidos, estamos numa situação muito difícil. Mas o Governo, quando abriu o armário, aquilo estava cheio de esqueletos.
O PSD ainda é um partido social-democrata neste momento? As políticas que estão a ser aplicadas são sociais-democratas?
– Não, são perfeitamente liberais, como é óbvio. Nem podiam ser outra coisa. Ninguém que assuma o poder e queira cumprir o acordo com a troika pode assumir a social-democracia.
– Identifica-se com o partido?
– Não é o partido que está em causa no momento, é um Governo obrigado a pôr em prática um conjunto de medidas de feição manifestamente liberal.”

Entrevista ao Correio da Manhã

Não há um que escape (mas eu pasmo sempre): o gosto da mentira e da rasteirice está-lhes na massa do sangue. Desta feita, trata-se de Capucho, o ex-presidente da Câmara de Cascais, que pensava ser escolhido para presidente da AR e possivelmente ainda pensa candidatar-se a PR.

Como pode António Capucho insistir na conversa dos esqueletos, insinuando serem dívidas escondidas pelo governo anterior, mesmo depois de tudo o que é instituição oficial, do INE à UTAO, passando pelo próprio ministério das Finanças e pela troika, o terem desmentido e estar mais do que confirmado terem os encargos com o BPN, a dívida oculta da Madeira, a quebra das receitas e os novos juros sido os responsáveis pelo agravamento do défice no ano passado?

Como pode defender o atual governo alegando que está obrigado a executar o que o anterior assinou (e eles não assinaram?), quando todos nós já ouvimos o próprio Passos dizer que o programa da troika é o seu programa (melhor, que fica aquém do dele) e que não o executa de modo algum contrariado? (atenção: havia jornalista nesta entrevista?)

Por último, como se atreve a deixar a ideia de que Passos e companhia possivelmente até queriam “assumir a social-democracia”, mas não podem deixar de ser liberais porque a troika não lhes dá outra hipótese? Isto é cegueira, disparate puro ou poeira, supondo dirigir-se a burros?

Dr Capucho, defenda lá o seu partido e os seus correligionários, seja lá com que propósito, mas com um mínimo de objetividade e decência (o senhor que, às vezes, até parece querer elevar-se acima da jovialidade/irresponsabilidade e mediocridade deste governo, como no caso de Fernando Nobre e no caso recente do Carnaval), de preferência com frases claras (nem sempre proferidas nesta entrevista), coerência e sem fazer dos outros parvos. Acredite que é um favor que fará a si próprio.

6 thoughts on “António Capucho, vá-se lá saber porquê, diz que Passos é obrigado a ser liberal”

  1. este gajo faliu o município de cascais, demitiu-se para se livrar das responsabilidades e a ainda tem lata para andar a pregar moral ao people, mais respect mister carapuço ou ainda regorgitas o lobo mau.

  2. Quem destruiu o Estado Social foi o Cavaco e toda a corja xuxa. Chulos do regime como o pateta alegre que por 3 meses de trabalho recebe mais de 3000 euros de pensão. Regimes dos 10 melhores anos que levam a pensões de 27 mil euros como a do Rangel. Em contrapartida a minha tia reformada por invalidez toda entrevadinha ao fim de quase 40 anos de descontos recebe 375 euros de pensão de uma vida de trabalho a ganhar o SMN.
    Viva o socialismo do capitalismo camarada!
    Alguma vez pararam para pensar na total injustiça do sistema de pensões? Professor recebe 1000 euros inicio vida activa e vai progredindo até ganhar 3000. Desconta em média sobre menos de 2000 euros mas reforma-se sobre os 3000. Profs, médicos,enfermeiros, juizes, FP em geral a base eleitoral dos xuxas todos os grandes beneficiários da politica do pão e circo. Desgraçado no privado a ganhar SMN tem de trabalhar mais anos e reforma-se sobre o que realmente descontou ao longo da vida.
    Enfiai o socialismo no cú.

  3. Penélope, isto não é cegueira ou disparate deste rasteiro, mentiroso e trafulha Conselheiro do Estado Laranja. Isto é a verdade da gente que tomou conta do País e o está a destruir a sua económica e a sua moral.
    São ratos de esgoto, porque o combate político é outra coisa. Capucho é mais uma prova de que o cavaquismo saloio, pato-bravo, mísero e miserável está no apogeu. E Portugal a caminho da depressão.

  4. Para o Zebedeu:
    Já assim não é: é natural que exista um periodo de transição.
    Exemplo: 1 militar das Forças Armadas; ingressa no Quadro com o posto de Alferes. Pode chegar a General de 4 estrelas. Findo o periodo de transição ( que se aplica a militares que em 31DEZ2005 tinham o minimo de 20 anos de serviço), o calculo para a pensão de reforma é resumidamente assim: a média dos vencimentos em 40 anos de descontos, aplicando-se os fatores de sustentação (P1 e P2). Atualmente reforma-se com o vencimento de General de 4 estrelas. É fazer as contas, como diria o outro.

  5. Este é o típico discurso destes palhaços que estão por todo o lado na CS (e na presidência da república). Falam como se fossemos todos burros sem memória. Por vezes tenho pena que nao sejamos como os gregos e comecemos a partir isto tudo começando pelas trombas desta gente! Observando atitudes de algumas pessoas na rua, nos cafés, nos supermercados, acho que há muita gente a muito pouca distância de perder a cabeça (como uns gajos entretanto desaparecidos em combate decretaram ainda ou aliás por o governo ser outro, é um mal estar difuso).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.