Um livro por semana 276

«Trabalhos e paixões de Fernando Assis Pacheco» de Nuno Costa Santos

O título desta crónica biográfica de Nuno Costa Santos (n.1974) sobre a vida e a escrita de FAP é uma homenagem ao seu livro de ficção, editado em 1993, «Trabalhos e paixões de Benito Prada». FAP (1937-1995) nasceu em Coimbra mas odiava as praxes («Era um futrica – não era um estudante de capa e batina») embora amasse muito a sua cidade: «O paraíso o que é? Deve ser a paz com certeza. Deve ser o Verão, a bondade, o estômago cheio, a água do mar e com certeza não haver casas nem gente a mandar em ninguém e tudo porreiríssimo da vida a ver passar uma coisa que não existe no paraíso: os comboios». No bar de Letras em Coimbra já FAP era um incansável leitor – «Fernando Pessoa, Steinbeck, Faulkner, Joyce, Virginia Wolf».

A sua entrada no jornalismo surge como terceira hipótese depois de um leitorado na Alemanha (cuja resposta tardava) ou ser professor de liceu na província (que não o seduziu) e entra aos 28 anos de idade no Diário de Lisboa. Pelo meio a guerra em Angola de 1963 a 1965: «Dizem que a guerra passa: esta minha / passou-me para os ossos e não sai».

FAP via assim o jornalismo: «Para um jornalista o conhecimento dos outros homens, isto é, do homem, se não for paixão não é coisa nenhuma e então de que vale a pena ser jornalista?» Já sobre a literatura tinha esta opinião: «O poeta deve buscar um acordo com a realidade, sua e dos seus próximos humanos. Deve interpretar essa realidade, livrá-la da ganga que a acompanha, joeirá-la». FAP deverá ter ficado pasmado com o que lhe aconteceu em São Tomé quando visitou a ilha como repórter de O Jornal: «os empregados de uma roça diziam lembrar-se do seu avô e tinham uma fotografia que era afinal do rei Jorge VI»…

Infatigável caçador de gralhas, FAP teria achado graça a algumas: na página 29 Wolf por Woolf, na página 65 a fundação do República em 1971 (foi em 1911) e na página 149 Camarão por Caramão da Ajuda.

(Editora: Tinta da China, Capa: Vera Tavares)

5 thoughts on “Um livro por semana 276”

  1. Só uma nota lateral: escrevi os nomes em caixa alta porque não aceito caixa baixa para nomes de pessoas. Já com o Valter Hugo Mãe aconteceu o mesmo na Revista Ler. Correu tudo bem.

  2. JCFrancisco,

    Gostei de ler a sua evocação de Fernando Assis Pacheco, um homem por quem tenho uma enorme admiração, em qualquer das suas facetas: o poeta, o prosador e o jornalista. Em suma, um homem da Cultura (que até conseguiu elevar um concurso da RTP a níveis até aí inimagináveis).

    Cumprimentos

  3. fiquei a pensar nos comboios a passar porque detesto comboios. e na ganga que acompanha a realidade porque adoro ganga. ganga, comboios e guerra que passa para os ossos. parece-me ter sido um homem muito interessante. :-)

  4. Obrigado amigo C. Serra, ainda bem que recorda a Cornélia… Olinda, não quero ser mais esperto que os outros mas julgo que a referência aos comboios tem a ver com Coimbra quando o comboio da Lousã o o de Serpins passava na Baixa e o sinaleiro avisava. Ai que saudades…

  5. ora publica aí as prosas da tua vizinha Maria albertina pá.

    Ó maria albertina
    deixa-te tar na cozinha
    nas minha aguas furtadas
    só cá entra a minha jaquina

    faço poemas na baranda
    olho pras flores e estas murxem
    mas a minha jaquina
    poe-me sempre a cara à banda

    toma pá, poesia poiana, meu, na hora, pá, debes ter cá uma inbeja, bai a chamar o lambretas, o teu amigo das ruelas de amisterdãoe, lá du barro bermelho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.